Como controlar a ansiedade, em 7 etapas úteis

A ansiedade está na raiz de muitas experiências desagradáveis ​​em que vivemos diariamente. Medo de falar em público, medo de ser reprovado em um exame, de querer voltar para casa depois de passar muito tempo em um lugar desconhecido … A quantidade de contextos em que esse fenômeno psicológico se esconde é muito importante.

Portanto, saber como controlar a ansiedade é algo que pode ser muito útilPois existem estratégias para o conseguir que podem ser aplicadas em praticamente qualquer situação e de uma forma relativamente simples.

Como controlar a ansiedade? Dicas e estratégias

A ansiedade é um estado de ativação do sistema nervoso orientado para a antecipação de um perigo, real ou imaginário. Por ser uma coisa tão geral, tem um lado fisiológico e outro psicológico: no primeiro há fenômenos como tremores, suor e aceleração da poeira, e no segundo há fenômenos como a emoção do medo, o desejo de evitar um estímulo aversivo, e dificuldade em controlar as respostas emocionais a uma situação.

Agora … como você controla a ansiedade e faz seus efeitos amortecerem ou até mesmo irem embora? Vamos ver.

1. Elimine ataques de ansiedade

Muitas pessoas caem na armadilha de ir até a geladeira para enfiar comida sempre que percebem que a ansiedade está aumentando.

Essa pode ser uma solução de muito curto prazo, mas tem um efeito muito ruim a médio e longo prazo. Porque? Porque entra em uma dinâmica de recompensa do início dos episódios de ansiedade. O corpo se acostuma com esta vida emocional agitada e que, é claro, isso acaba sendo tudo menos saudável.

Portanto, algo tão simples como definir limites claros para os horários das refeições pode ajudar muito a não continuar a causar o aparecimento de ansiedade.

2. Preste atenção e pratique esportes moderados.

Muitas vezes esquecemos que a ansiedade também está ligada à nossa autoestima e à nossa autoimagem. Se acreditarmos que somos seres insignificantes e sempre que pensamos em nós mesmos nos concentramos apenas em nossas imperfeições, obviamente chegaremos à conclusão de que a vida cotidiana é cheia de perigos para nós e que, portanto, devemos estar sempre vigilantes.

Algo tão simples como fazer exercícios regularmente, tentar manter uma dieta saudável e manter uma boa higiene pessoal isso vai nos fazer sentir melhor sobre nós mesmos. Os resultados são surpreendentes e geralmente são notados em poucos dias. Se isso muda a maneira como pensamos sobre nós mesmos, também muda a maneira como vemos o mundo.

3. Pratique técnicas de respiração

De muitas maneiras, nosso humor e emoções dependem em grande parte do grau de ativação do sistema nervoso. Se houver falta de oxigênio, sentiremos mais estresse, pois nosso corpo entrará em fase de alarme para encontrar uma solução para esta situação. O que está acontecendo é que parte dessa deficiência de oxigênio pode ser devido à maneira como respiramos.

As técnicas de respiração nos ajudam a obter o máximo de nossos pulmões, permitindo-nos obter uma vantagem significativa em momentos específicos quando nos sentimos excessivamente ativados. Além disso, fazer um exercício simples para focar nossa atenção nos ajuda a perder de vista essa sensação desagradável de ser oprimido pela necessidade de multitarefa, o que é muito típico de contextos de ansiedade.

4. Deixe o que está fazendo e dê um passeio

Muitas vezes, a ansiedade é porque estamos cercados por itens que nos lembram de algo que está nos preocupando. Portanto, ajuda a se desconectar, mesmo que por alguns momentos, e depois voltar com força renovada.

Quando vamos dar um passeio, temos a oportunidade de encontrar novos estímulos que exigem a nossa atenção e nos permitem “refrescar” a mente. Concretamente, se você sair por lugares completamente desconhecidos, as referências que evocam memórias relacionadas com o que nos preocupa serão muito menos abundantes. Desta maneira, ambientes em que a natureza prevalece, Como grandes campos ou parques, demonstrou ser particularmente eficaz contra a ansiedade.

Essas fases em que prevalece a distração ajudam a descansar, E assim, ganhamos força para mudar o que nos preocupa, uma vez que voltamos à rotina.

5. Evite cafeína

Se você consumir produtos que contenham cafeína, como café ou certas bebidas à base de cola, estará trapaceando. Lembre-se de que a distinção entre corpo e mente é apenas uma miragem e que muitas substâncias que normalmente consumimos afetam a maneira como nos sentimos. A cafeína nos torna propensos a acordar com estímulos aos quais normalmente não daríamos muita importância. O controle da ansiedade também se dá por meio da dieta.

6. Durma bem

Esta condição é essencial, como em um estado de sono é muito fácil que as situações cotidianas nos sobrecarreguem. Dormir bem nos deixa muito mais preparados para o dia-a-dia. Na verdade, não dormir o suficiente demonstrou aumentar drasticamente o risco de desenvolver transtornos de ansiedade. Além disso, o desgaste mental pela falta de descanso nos torna menos eficientes e temos dificuldade de concentração e raciocínio, o que pode favorecer o acúmulo de responsabilidades.

Portanto, o melhor é organizar uma programação clara que descreva os horários dos dias da semana em que você irá se deitar, levando em consideração as tarefas que você terá que realizar antes, para não criar baixas expectativas.

7. Controle de ruminação

A ruminação psicológica é uma ocorrência muito comum na vida diária de muitas pessoas com ansiedade excessiva. Este é o fenômeno pelo qual pensamentos intrusivos com carga emocional negativa ‘invadem’ a consciência da pessoa e essa luta para se livrar dela, que aumenta o nível de ansiedade, porque entra em estado de alerta caso uma dessas imagens mentais reapareça, e isso favorece o aparecimento dessas por meio de uma ‘profecia autorrealizável.

A forma mais eficaz de combater a ruminação não é tentar eliminar completamente esses pensamentos intrusivos e aceitar sua presença, mas sem dar a eles mais importância. Isso torna mais fácil direcionar sua atenção para outras sensações e estímulos.

Referências bibliográficas:

  • Gu, R.; Huang, YX, Luo, YJ (2010). A ansiedade e a negatividade do feedback. Psychophysiology, 47 (5): páginas 961 a 967.
  • Kendler, KS (2004). Depressão grave e transtorno de ansiedade generalizada. CONCENTRAR. 2 (3): páginas 416-425.
  • Rosen, JB; Schulkin, J. (1998). Do medo normal à ansiedade patológica. Psychological Review, 105 (2): páginas 325-350.
  • Waszczuk, MA; Zavos, HMS; Gregory, AM; Eley, TC (2014). A estrutura fenotípica e genética dos sintomas de depressão e transtorno de ansiedade na infância, adolescência e juventude. JAMA Psychiatry. 71 (8): páginas 905 a 916.

Deixe um comentário