A metáfora da caixa japonesa “Himitsu-txik”

O conceito dessas caixas quebra-cabeça nasceu no início do século 19 na região de Hakone (Japão)., Onde foram presenteados como lembrança às pessoas que visitaram os banhos da zona. Seu criador foi Ryugoro Okawa.

É um tipo de caixa que só pode ser aberta por uma série de movimentos muito precisos. Algumas caixas só precisam colocar algumas peças no lugar certo; outros os obrigam a fazer movimentos milimétricos em cada uma de suas peças.


Você pode assistir a um vídeo sobre essas caixas abaixo:

O que são caixas Himitsu-txik?

Nesta semana, a equipe do Mensalus Institute explica a importância de entender e respeitar a “diferença” por meio da metáfora das caixas de Himitsu-Bako.

Que metáfora está por trás da caixa do quebra-cabeça?

Para começar, cada caixa é única, assim como a maneira como ela é aberta. Como mencionamos, eles são feitos com diferentes níveis de complexidade. Por esse motivo, os modelos simples requerem apenas duas ou três etapas para abri-los, enquanto os modelos mais complexos requerem um mínimo de mil movimentos.

Algo semelhante acontece com a resolução de conflitos. Cada situação é única, independentemente de sua complexidade, e requer uma estratégia de intervenção única.

Todos os dias enfrentamos situações que compartilham processos semelhantes. Quando há aprendizado e rotina, os problemas que enfrentamos e resolvemos são como caixas simples. No entanto, a cada momento, cada cenário é exclusivo. Da mesma forma, ao longo da vida também encontramos caixas complexas que requerem tempo e atenção. A solução requer movimentos mais elaborados e, claro, muitos testes reprovados.

No caso de caixas simples e complexas, tentativa e erro é o que indica qual parte precisamos arrastar. As soluções vêm da prática e ganham forma com o aprendizado e a paciência.

A metáfora da caixa também se aplica às pessoas?

Claro. Cada pessoa possui ferramentas (recursos) únicas que permitem que ela se conecte com o mundo, se relacione consigo mesma e com os outros, enfrente adversidades, etc. Esse conjunto de habilidades se reflete em seu sistema de pensamentos e emoções. Cada um de nós, em cada situação, pensará, sentirá e agirá de maneira diferente (se comportará como uma caixa de quebra-cabeça única).

O que essa diferença individual nos diz?

Compreender que cada pessoa é uma caixa e funciona como tal ajuda-nos a perceber que não existe uma realidade única e apenas uma forma de ver a vida, ao mesmo tempo que nos lembra a importância de termos empatia com a “caixa” dos outros.

Às vezes é difícil se adaptar ao modo como o outro funciona …

Está certo. E não só por causa da diferença de pontos de vista, mas também por causa da diferença nos ritmos vitais. Por exemplo, o que para um é um momento de reflexão ou expectativa, para outro pode ser uma perda de tempo.

Assim como os ritmos de vida, no trabalho em equipe, o respeito pela “caixa estranha” é uma questão muito importante a ser abordada. A metáfora de Himitsu-Bako é uma forma muito gráfica de explicar que a estratégia de intervenção não dependerá apenas do objetivo, mas também das pessoas envolvidas e das sinergias que serão criadas no tempo de trabalho.

Também pode ser extrapolado para outros sistemas (por exemplo, contexto familiar ou de casal). A diferença de ritmo na solução de problemas cotidianos pode se tornar um problema sério. Quando isso acontece, preservar um estilo de comunicação assertivo é um dos principais desafios.

Nesse sentido, quais aspectos podem ajudar a respeitar o ritmo dos outros?

Em primeiro lugar, evite impor nosso ritmo como única estrutura válida. Posições rígidas levam a discussões com estratégias de comunicação fracassadas, como ‘escalar’ (aumentar o tom e a agressividade da fala para buscar reconhecimento) ou omissão (calar a boca e se segurar sem compartilhar opinião).

Entender que a outra pessoa opera a partir de sua própria maneira de interpretar a realidade revela um mundo para nós (novas perspectivas) e complementa nossa visão, seja reforçando ou subtraindo a força de nossos construtos (aquelas palavras que moldam nossos discursos e explicam nossos valores)) .

Às vezes, quando a comunicação não é eficaz, como a metáfora da caixa pode nos ajudar?

Se não entendermos a caixa, dificilmente conseguiremos abri-la (resolver o quebra-cabeça). Essa compreensão envolve reconhecer a necessidade do outro, afirmar a própria necessidade e analisar a situação de ambos os pontos de vista.

Lembrar a metáfora da caixa de Himitsu-bako é uma forma de explicar a diferença que caracteriza cada ser humano que, por sua vez, define sua essência (sua forma de pensar, sentir e agir).

Aceitar a diferença nos torna mais flexíveis e eficientes na resolução de conflitos. Além disso, esta aceitação facilita a ligação com outras pessoas e permite-nos tirar partido do apelo da exclusividade de cada “caixa”.

Deixe um comentário