Violência estética: o que é e como afeta a autoestima e a sociedade

Há muitas maneiras de aplicar a violência contra as mulheres, uma das quais é o imperativo de alcançar cânones de beleza inacessíveis.

As mulheres, embora os homens também, mas em menor grau, são levados a mudar de aparência para acessar uma beleza ainda arbitrária, fruto de um consenso social silencioso.


A violência estética resulta em pressão excessiva sobre as pessoas, especialmente as mulheres, para se adaptarem ao cânone de beleza imposto., mesmo que isso signifique colocar sua saúde física e mental em risco. Vejamos esse conceito com mais profundidade.

    O que é violência cosmética?

    A violência estética pode ser entendida como uma pressão social para alcançar um determinado protótipo estético a todo custo, mesmo quando alcançá-lo representa um risco para a saúde mental e física da pessoa. Essa violência é direcionada principalmente contra as mulheres, que são as mais ávidas por modificações estéticas invasivas para atingir padrões de beleza que, na maioria das vezes, são impossíveis.

    Este é um conceito novo, mas sempre foi aplicado. Nunca houve um momento na história em que a violência estética não tenha sido exercida de uma forma ou de outra. Os imaginários da beleza foram numerosos na história ocidental, representados na Vênus greco-romana, nas madonas medievais, na Vênus renascentista, nas mulheres voluptuosas do barroco… ideia de que a beleza feminina deve ser jovem, branca e magra.

    É justamente sobre esse conceito relativamente recente que a doutora em sociologia Esther Pineda fala em seu livro “Beautiful to die for: gender estereótipos e violência estética contra as mulheres”. Ele descreve como os cânones da beleza exerciam uma violência que, embora silenciosa e aparentemente inofensiva, marcava o corpo e o espírito das mulheres ao longo da história da cultura ocidental.

    Sendo uma concepção tão nova, a estética não é tão reconhecida como outras formas de violência e não tem muita visibilidade social. Mas, apesar de sua ignorância, a verdade é que meninas e mulheres, mesmo em tenra idade, são expostas a um certo ideal de beleza e são levadas a acreditar que devem alcançá-lo para ter sucesso na vida. A aparência física do gênero feminino tornou-se um pilar essencial a ser alcançado se você deseja ter sucesso na vida.

    Cuidar da sua aparência é uma obrigação de mostrar o quão feminina e saudável você é. Isso significa que as mulheres que não se aproximam de certos estereótipos de beleza impostos socialmente eles serão questionados e seu valor questionado. De fato, elas podem ser excluídas de certos círculos sociais porque não atendem a certas expectativas estéticas, um exemplo muito claro do que é o excesso de peso entre as mulheres.

      Discriminação do cânone de beleza

      Esther Pineda argumenta que a violência estética se baseia em quatro formas principais de discriminação: sexismo, racismo, gerontofobia e gordofobia.

      O cânone da beleza é sexista porque é exigido quase exclusivamente das mulheres e é considerada uma condição inerente e determinante de sua feminilidade. Enquanto nas mulheres a beleza aumenta sua feminilidade, no caso dos homens ela é vista como diminuindo sua masculinidade. Entre os homens, não existe uma demanda tão intensa por beleza e, dependendo do ambiente, para um homem, cuidar de si é mal visto e considerado um sinal de fraqueza (por exemplo, metrossexualidade, depilação, uso de cremes, etc.)

      Os estereótipos de beleza são gerontofóbicos, pois há uma rejeição total da ideia de velhice. É preferível para mulheres com características quase neonatais, ausência de defeitos relacionados à idade, como rugas ou manchas na pele. A juventude é superestimada. O cânone da beleza feminina tornou as mulheres obcecadas em permanecer jovens. A juventude é uma condição essencial para ser considerada bela.

      O cânone da beleza é racista porque, pelo menos no caso ocidental, foi formado a partir da branquitude. Mulheres negras, asiáticas, árabes, indígenas e, em última análise, não-caucasianas de pele clara tornaram-se invisíveis no cânone de beleza. Pele, cabelo e outras características que não eram propriamente “brancas” eram alvo de zombaria, discriminação, exclusão e violência.

      E também ele é gordofóbico porque no cânone da beleza ele rejeita sistemática e explicitamente corpos de grandes proporções. Deixando de lado o debate sobre questões médicas relacionadas à obesidade, relacioná-la à beleza é um fato que pessoas altas têm enfrentado estigma, discriminação e desprezo da sociedade.

      Hoje há dois cânones de beleza. Por um lado encontramos as pin-ups voluptuosas e eróticas e por outro temos os modelos extremamente finos. Ambos os cânones são disseminados por todos os tipos de mídia, como cinema, televisão, publicidade, revistas, mídias sociais e pornografia. Até mesmo desenhos animados e videogames bombardeiam meninos e meninas com o quão prototipicamente perfeitas as mulheres são.

      Devido à amplitude de conteúdo onde é bombardeado com cânones da beleza feminina, sua inadequação é vista socialmente como um catalisador de violência, discriminação, rejeição, desprezo e indiferença em relação às mulheres que simplesmente não são “perfeitas”. Além disso, a violência estética é exercida de tal forma que as mulheres são obrigadas a evitar cair na feiura, ou seja, ser gorda, ter a pele escura e apresentar sinais de velhice.

      Mas a violência estética não é alimentada apenas por mulheres que não respeitam os cânones de beleza, mas também por aqueles que foram pressionados a realizar operações e procedimentos estéticos. Também com aqueles que sofrem de distúrbios associados a esses cânones, como a anorexia por querer atingir a magreza extrema e o medo de ganhar peso veiculado pela mídia. A violência estética torna as mulheres ainda mais sexualizadas, reificadas e rejeitadas como seres pensantes. Eles são um belo recipiente, não uma pessoa com sua inteligência, pensamentos e emoções.

        A beleza coloca nossa saúde em risco

        Claro, querer ter uma boa aparência não é algo exclusivo das mulheres. Todo mundo quer ter uma boa aparência e, em maior ou menor grau, os homens também estão sob pressão estética.. Da mesma forma que nas sociedades ocidentais existem cânones de beleza para as mulheres, também existem para os homens, sendo este protótipo do homem ideal um homem musculoso, nem extremamente magro nem obeso.

        No entanto, a pressão estética a que as mulheres foram submetidas ao longo da história ocidental é muito maior do que a dos homens. Além disso, a razão pela qual falamos de violência estética contra as mulheres e não tanto contra os homens é que elas foram obrigadas a arriscar suas vidas para serem bonitas. O que você tem que entender afinal é que o conceito de “boa aparência” é aprendidoque não existe um cânone de beleza natural, mas uma série de acordos sociais para definir quem é belo e quem não é, acordos que podem ir contra a natureza humana.

        Temos um exemplo disso na depilação feminina. Embora o progresso tenha sido feito, ainda há muitas pessoas hoje que consideram as mulheres sem barba como “vadias”. Se você é uma mulher, ter pelos no corpo e especialmente nas axilas é considerado anti-higiênico. Essa percepção é radicalmente diferente no caso dos homens peludos, considerados normais e que nunca questionaram sua higiene.

        A imposição da depilação como mulher é um sinal de violência estética? Sim, ele é. É pedir às mulheres que façam algo que vá biologicamente contra sua natureza. Os pêlos do corpo existem naturalmente e a depilação parece envolver mais riscos à saúde do que benefícios, incluindo lesões e infecções.

          Como é a mulher perfeita?

          O cânone da beleza feminina nas sociedades ocidentais impõe a seguinte imagem do que é uma mulher atraente, bela e perfeita. Deve ser fino, mas com formas. Sua pele deve ser macia, lisa e branca. Ele deve ser alto o suficiente para ficar bem em suas roupas, mas deve ser volumoso o suficiente para não intimidar os homens e nunca deve ser mais alto que seu parceiro masculino. Claro, deve ser completamente raspado.

          A proporção do nariz, boca, olhos… o formato dos quadris, nádegas, como deve ser o cabelo… Há muitos imperativos que as sociedades ocidentais acharam adequado estabelecer como indicadores de que uma mulher é bonita.. Poderíamos desenvolver uma lista enorme descrevendo o que é uma mulher perfeita. Mas a perfeição não existe, é apenas um produto ilusório dos convencionalismos.

          Poderíamos continuar falando sobre o que significa ser uma mulher perfeita em nossa sociedade. Há mulheres que aparentemente mal dão à luz a ele, que tiveram muita sorte de herdar os genes dourados que o catapultam à perfeição estética, mas não serão perpétuos. Para outros que não têm tanta sorte, levarão uma vida inteira para se aproximarem desse cânone de beleza que colocaram com um sapato na cabeça e que sentem que não respeitam e que, portanto, não são válidos.

          A violência estética é um atentado à diversidade dos corpos e ao direito de ser bem tratado. Os cânones da beleza e o bombardeio da mídia nos fazem sentir mal por não sermos como eles. As pessoas são diversas de corpo e mente, tentar padronizar essa realidade é ir contra a natureza humana. Precisamos normalizar a diversidade corporal, entender que cada corpo é diferente e, enquanto nos mantivermos saudáveis, temos que aceitar o que a natureza nos deu.

          violência estética ele tenta nos machucar apenas por ser quem somos. Deve-se entender que o cânone da beleza é tão artificial e inacessível a qualquer mortal que por mais que operemos, maquiemos ou façamos a barba nunca estaremos completamente à altura dele, o que é absurdamente difícil de alcançar. E se considerarmos que estamos à altura, essa violência estética não deixará de nos pressionar a temer que “seremos arruinados”, nos fará ter um medo patológico de ganhar peso, ganhar rugas e cabelos grisalhos. Nos assusta continuar vivendo.

            Eu sei como você quer ser

            Se a gente usa a estética por prazer, para se maquiar, para fazer a barba, para operar porque nós e queremos, é completamente legítimo. Por mais invasiva que possa ser a prática de ser mais bonita, se voluntariamente decidimos nos submeter a ela, tudo bem.. Cada um pode fazer o que quiser com seu corpo. Eu sei como você quer ser, você é livre e ninguém deveria dizer o contrário.

            Mas que seja a verdadeira liberdade. Se nos importamos muito com nossa aparência porque achamos que se não nos conformarmos com um cânone de beleza somos menos válidos ou as pessoas vão gostar menos de nós, nossas decisões sobre nossa aparência estética não são resultado de liberdade. escravidão a esses cânones de beleza. Se formos ao cirurgião porque estamos enojados com quem somos, há um problema que o bisturi nunca resolverá.

            Referências bibliográficas

            • Abudis, PC (2007). Construção da identidade feminina em programas de beleza de rádio. Comunicação e Sociedade, 7 Nova Era,.
            • Agudelo, M. (2015). O corpo feminino como fenômeno social e cultural. Projeto de diploma para optar pelo título de Comunicador Social com especialização em publicidade. Pontificia Universidad Javeriana Communication y Lenguaje.
            • Cabrera Garcia-Ochoa, Y. (2010). O corpo feminino na publicidade. Modelos publicitários: entre a beleza real, a magreza ou a anorexia. Revista ICONO 14. Revista Científica de Comunicação e Tecnologias Emergentes, 8(3), 223-243. https://doi.org/10.7195/ri14.v8i3.236
            • Pineda, E. (2021). “Lindo de morrer. Estereótipos de gênero e violência estética contra a mulher. » Prometheus Books Editorial, Coleção de Estudos de Gênero, 1ª edição, Buenos Aires, Argentina. ISBN: 978-987-8331-79
            • Pineda G., E. (2021). violência estética. Revista Digital Feminina.

            Deixe um comentário