Teoria do espelho de Cooley: o que é e o que diz sobre autoestima

Quando olhamos no espelho, o que vemos não somos nós, mas nosso reflexo. Essa reflexão pode ser distorcida, sujeita a diferentes vieses e interpretações subjetivas do que vemos.

Esse mesmo efeito ocorre quando interagimos com os outros. Nossos parentes, amigos e conhecidos atuam como espelhos, refletindo a imagem em que acreditamos. A imagem que temos de nós mesmos é condicionada pelo que acreditamos que os outros percebem e pensam de nós.


Teoria do espelho de Cooley I ela nos diz como nosso autoconceito, autoestima e autoimagem são condicionados pelo que acreditamos que os outros veem e pensam de nós. Vamos cavar um pouco mais fundo para ver do que se trata.

    O que é a teoria do self do espelho de Cooley?

    A Teoria do Eu do Espelho é um conceito originalmente proposto pelo sociólogo americano Charles Horton Cooley (1864-1929). Esta proposição afirma que o self de uma pessoa se desenvolve a partir de interações sociais que mantém esse indivíduo com as pessoas ao seu redor. Todos nós nos projetamos na sociedade de uma forma ou de outra, mas essa reflexão é definida por nossas próprias percepções de como assumimos que os outros nos veem.

    Cooley explicou que é como olhar no espelho. Em sua superfície reflexiva, observamos um rosto, uma silhueta, roupas… Na teoria dele, neste caso, nos vemos a partir da mente dos outros, não da nossa.

    Assim como nunca poderemos nos ver fisicamente sem usar um espelho, nem podemos nos ver psicologicamente, exceto através da mente dos outros. A imagem que vemos parecerá atraente ou desagradável para nós, dependendo de como avaliamos a percepção que os outros têm de nós.

    Interação com outras pessoas, especialmente familiares, amigos e conhecidos funciona como este espelho social, que nos ajuda a ter uma percepção da nossa imagem e até do nosso valor. Nosso autoconceito é formado com base na compreensão de como os outros nos percebem e acreditamos que eles nos percebem. Nossa ideia do que é nossa própria imagem é na verdade um produto de nossas crenças e pensamentos sobre como pensamos que aqueles ao nosso redor estão nos avaliando.

    Por exemplo, imagine pais que pensam que seus filhos são muito inteligentes. Esses adultos tenderão a ter certas expectativas em relação à criança. Como resultado, a criança acreditará que é verdadeiramente uma pessoa inteligente, independentemente de suas notas ou QI, o que influenciará seu próprio comportamento, autoestima e autoconceito.

    Se, pelo contrário, esses mesmos pais pensam que seu filho é “estúpido”, a criança vai supor que ele não é de fato inteligente, porque isso foi “pensado” por outros.

      Como é formado o nosso Eu Espelho?

      De acordo com Cooly, A formação do Eu Espelho tem três estágios.

      1. A pessoa imagina como os outros a veem

      Primeiro, imaginamos como somos para os outros. Às vezes, essa imagem é bem próxima da real, mas outras vezes é completamente distorcida em relação ao que realmente parecemos na frente dos outros. Nossa imagem de como pensamos que os outros nos veem ainda é distintamente subjetiva..

        2. A pessoa imagina como os outros a julgam

        Uma vez que formamos uma imagem de como pensamos que os outros nos veem, imaginamos o que eles pensam dela. Nesta fase, imaginamos o que as pessoas pensam de nós com base em nossa aparência.julgamentos que podem ser positivos ou negativos.

        3. A pessoa se sente da maneira como pensa que é percebida

        O terceiro e último passo no processo de formação do Eu Espelho é que nos sentimos de uma forma ou de outra com base nos julgamentos que os outros têm sobre a imagem que acreditamos dar. É nesta fase que podemos sentir diferentes emoçõesda alegria e orgulho em pensar que somos valorizados pelos outros, à tristeza e vergonha se percebermos nosso reflexo nos outros como negativo.

          As crianças e a teoria do espelho

          Cooley apontou que as crianças são particularmente boas em usar o eu no espelho.. Crianças e adolescentes são muito sensíveis às opiniões de outras pessoas sobre si mesmos.

          Se recebemos interação positiva desde cedo, nossas emoções são validadas e somos valorizados por quem somos, a imagem que vemos em nossos espelhos sociais será saudável, bonita e agradável.

          A imagem pessoal de crianças e adolescentes depende de seu ambiente social, prospera fortemente em críticas e recompensas de pais, amigos, colegas e professores.

            O espelho eu e as redes sociais

            Embora a teoria do Self do Espelho tenha sido postulada em 1902, é perfeitamente aplicável ao mundo de hoje. Vivemos em uma sociedade onde Quase todo mundo se importa como os outros os veem e o que pensam do que pensam. Temos prova disso nas redes sociais, plataformas que são uma demonstração viva de como funciona o self do espelho. A autoestima, o autoconceito e a autoimagem da maioria dos usuários dessas redes são fortemente condicionados pelos comentários que recebem de seus assinantes.

            A mídia social é o espelho no qual refletimos sobre o mundo contemporâneo, esse espelho no qual construímos nossa autoimagem a partir dos julgamentos dos outros. Quando postamos uma foto no Instagram ou um vídeo no TikTok, eles vão gerar interações na forma de reforços ou críticas. A interação positiva nos permite construir uma auto-imagem positiva hoje. Em vez disso, a negatividade boicota completamente nossa percepção de nós mesmos.

              Quem somos nós?

              Para entender a teoria do espelho de Cooley, a pergunta inevitável é: quem somos realmente? Como nosso autoconceito depende do que acreditamos que os outros veem em nós, nossa percepção de nós mesmos não é inteiramente autêntica.

              Como podemos saber quem realmente somos? Podemos ter certeza de nosso ‘verdadeiro eu’, separado de tudo no mundo social externo? Realmente, é muito complicado. É preciso um autoconhecimento profundo e ignorar as opiniões dos outros para conhecer a si mesmo.

              Todos querem ser amados e apreciados por quem são, por seu talento e personalidade. No entanto, se tivermos uma imagem baixa de nós mesmos ou colocarmos muita importância na opinião dos outros acima da nossa, faremos nossas vidas dependerem das expectativas que os outros têm de nós.

              Além disso, devemos entender que a realidade é sempre algo que passa pelos filtros da nossa mente, vieses e distorções que nos impedem de conhecê-la sem distorção. O mundo social real como o percebemos ainda é apenas uma ilusão.

              Referências bibliográficas

              • Cook, William L.; Douglas, Emily M. (1998). “O Eu Espelho no Contexto Familiar: Uma Análise das Relações Sociais”. Revista de Psicologia da Família. 12 (3): 299-309.
              • Cooley, Charles. (2005). eu espelho. CIC Cahiers d’information et de communication, 2005.
              • Jones, Julie. (2015). A lente do espelho: mudanças de autoconceito devido às práticas de mídia social. 4. 100.
              • Shaffer, Leigh S. (janeiro de 2005). “Do auto-reconhecimento do espelho ao auto-espelho: explorando a hipótese de justificação”. Revista de Psicologia Clínica. 61 (1): 47–65. CiteSeerX 10.1.1.541.2928.
              • Unoka, Zsolt; Vizin, Gabriella (dezembro de 2017). “Ver no espelho vagamente. O eu do espelho é vergonhoso no transtorno de personalidade limítrofe”. Pesquisa em psiquiatria. 258: 322-329.
              • Yeung, Rei-To; Martin, John Levi (2003). “The Looking Glass Self: Um Teste Empírico e Elaboração”. Forças sociais. 81 (3): 843-879.

              Deixe um comentário