Por que tenho problemas para me identificar com as pessoas? Causas e o que fazer

As relações interpessoais estão parcialmente ligadas às atitudes individuais; alguns podem ser mais fáceis do que outros para estabelecer relacionamentos apropriados com seus pares dentro da estrutura das normas sociais. Ele responde às diferenças individuais que existem entre algumas pessoas e outras.

Portanto, é relativamente comum que surja a pergunta: “Por que tenho dificuldade em me relacionar com as pessoas?”. Neste artigo, veremos quais fatores podem estar na raiz desse tipo de dificuldade social e o que pode ser feito a respeito.


Artigo relacionado: “É difícil para mim fazer amigos: causas e soluções”

Por que tenho problemas para me identificar com as pessoas? razões possíveis

As causas podem ser variadas e mescladas entre as características da personalidade do sujeito e o meio social em que se desenvolveu desde a infância. Para responder à pergunta “por que tenho dificuldade em me relacionar com as pessoas?” é necessário compreender as duas causas.

Por exemplo, uma criança que tende à extroversão, mas que está se desenvolvendo um ambiente onde predomina a calma excessiva, Desenvolverá seu álibi e provavelmente terá dificuldade em se comunicar com outras pessoas quando for adulto.

O mesmo acontece de outra forma, quando as crianças são introvertidas e pessoas importantes ao seu redor. eles tentam forçá-los a se relacionar com os outros de uma forma arbitrária. A criança vai crescer lembrando-se de experiências aversivas relacionadas às relações sociais, então na vida adulta será mais difícil para ela ter sucesso em ter relacionamentos significativos e duradouros.

Podemos então dizer que as dificuldades nas relações sociais dependem em grande parte do equilíbrio entre esses dois fatores (meio ambiente e natureza), para que o sujeito se desenvolva e cresça com boa autoestima, e também saiba reconhecer e administrar suas características. personalidade. Dessa forma, fatores pessoais como extroversão e introversão podem ser impedidos de jogar contra quando entrar e manter relacionamentos sociais com outras pessoas.

Idealmente, as pessoas deveriam adquirir as habilidades para moderar seus traços de personalidade dentro da estrutura das normas sociais, sem que isso as afete de forma alguma em termos de desenvolvimento natural.

Fatores que afetam as relações sociais

A seguir, veremos os fatores que afetam o desenvolvimento psicossocial das pessoas.

1. Fatores naturais

Os fatores naturais que influenciam as dificuldades sociais são todos aqueles que vêm das predisposições genéticas do sujeito. Dependendo da história familiar, podem ser hereditários, embora em muitos deles a história do aprendizado também influencie um pouco. Aqui estão alguns dos mais comuns:

  • Transtornos do espectro do autismo.
  • Depressão.

  • alguns vícios (Alcoolismo, jogo patológico, etc.).
  • Doenças da glândula tireóide.
  • Propenso ao estresse.
  • Transtorno de personalidade antisocial.
  • Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).
  • Fobia social.

  • Ansiedade.
  • Agorafobia (medo irracional de espaços abertos).

Essas são apenas propensões ao impacto social negativo que podemos superar se mudarmos nossos hábitos, como veremos.

2. Fatores sociais

Os fatores sociais, principalmente aprendidos, têm um grande impacto nas relações sociais que podemos estabelecer. Vamos ver como isso pode influenciar nosso meio ambiente neste aspecto da vida:

  • Ambiente familiar disfuncional.
  • abuso infantil.
  • Estilos parentais muito permissivos.
  • Estilos parentais autoritários.
  • abandono de criança.
  • Separação dos pais.
  • Trauma severo.
  • Processo de luto patológico.

  • Pequeno círculo social.
  • Influência de grupos negativos.

Deve-se notar que a presença dos fatores vistos acima representa apenas uma maior taxa de probabilidade de problemas nas relações sociais, mas eles não são absolutamente determinantes. É por isso que são conhecidos como fatores de risco.

Como evitar dificuldades em relação às pessoas?

Da mesma forma que existem fatores de risco que podem levar o sujeito a apresentar dificuldades no relacionamento interpessoal, existem maneiras de evitar tais limitações. Eles são os seguintes

1. Seja seletivo sobre o grupo social

O fato de você não se dar bem com um grupo social isso não significa que tem que ser assim para todos; lembre-se de que não vale a pena forçar a interação. Se você perceber que, para se encaixar em um grupo, precisa se afastar muito de quem você realmente é, então talvez seja a hora de parar de se encaixar nesse padrão.

2. Estabeleça metas

os objetivos eles ajudam muito a superar gradualmente nossos limites sociais; trata-se de agravar nossos medos de forma controlada. Por exemplo, se nos dá ansiedade falar com as pessoas; Nossa meta diária é iniciar pelo menos 3 conversas por dia.

fazem isto isso nos permitirá superar nossas inseguranças, E chegará o tempo em que poderemos fazer isso naturalmente. Esses marcos devem ter um prazo para poder medir o nosso sucesso durante esse tempo.

3. Compartilhe suas experiências

Dare compartilhe experiências pessoais com pessoas próximas. Nada acontece se você às vezes comentar coisas que o tornam vulnerável. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, estar vulnerável não é sinal de fraqueza em todos os ambientes.

Se você puder se abrir para compartilhar experiências negativas com outras pessoas, elas se sentirão mais confiantes com você e a interação pode se tornar mais significativa para todos no grupo. Claro, lembre-se de que eles precisam ser pessoas em quem você confia.

4. Participe da terapia

Um recurso pouco utilizado pelas pessoas é terapia psicológica, Provavelmente pelos estereótipos que ainda existem em relação à figura dessas sessões. Mas a realidade é que fazer terapia pode esclarecer a imagem do que o limita socialmente e servirá para levantar planos de “liberação” para se relacionar melhor com os outros.

    Referências bibliográficas:

    • Chavira, DA; Stein, MB; Malcarne, VL (2002). Explore a relação entre timidez e fobia social. Journal of Anxiety Disorders. 16 (6): 585-98.
    • Paulhus, DL; Morgan, KL (1997). “Percepções de inteligência em grupos sem líder: os efeitos dinâmicos da timidez e do conhecimento.” Journal of Personality and Social Psychology. 72 (3): 581-591.

    Deixe um comentário