Orbitar: o que é e como isso afeta os relacionamentos após um rompimento

Em um mundo onde ainda estávamos nos acostumando com a ideia de como o ghosting pode se tornar traumático, agora surge um novo fenômeno para se preocupar em nossas relações interpessoais: orbitar.

É uma espécie de meio-fantasma, que desaparece, mas não completamente. Seja nosso ex, um amigo que nos deixou em pé, ou alguém que queria romper o relacionamento, mas não saiu completamente, dando o sinal ocasional através das redes sociais.


Vamos ver com mais detalhes o que está em órbitacomo as mídias sociais maximizaram esse fenômeno e o que fazer para evitar ser vítima dele.

    Qual é a órbita?

    As relações humanas são complicadas, para melhor ou para pior. Todos têm um começo seguido de um nó e, para alguns, um desfecho, uma ruptura que pode ser consensual e pacífica ou tensa e conflitiva. Outras vezes o fim do relacionamento é brutal, um tomando a iniciativa de romper e sem o outro dando tempo para ele reagir e dando a impressão de que o fim está aberto porque. Quem deixou maravilhas repetidas vezes “O relacionamento acabou ou ainda estamos namorando?” O desconhecido surge especialmente quando aquele que o quebrou o fez simplesmente desaparecendo.

    A órbita é um fenômeno intimamente relacionado ao fantasma, então antes de explicá-lo em profundidade, vamos ver brevemente o que é o último. Ghosting é uma prática social muito comum hoje em dia, na qual basicamente uma pessoa que tem um relacionamento com outra (principalmente romântica, mas também pode ser uma amizade) os deixa sem deixar vestígios. O rompimento não é feito por palavras ou gestos, mas simplesmente deixando de se reportar à outra parte e fingir que nunca existiu. É como se ele tivesse desaparecido da face da terra.

    Orbitar é o irmão mais novo do ghosting. Acontece no amor e na amizade, em que um dos dois quer deixar de ter um relacionamento íntimo. No entanto, a diferença aqui é que o contato não é totalmente perdido, pois o desistente continua a dar sinais, principalmente pelas redes sociais. Você pode até interagir com a parte abandonada mas de uma forma bem superficial, como “curtir” suas postagens ou ver seus stories. Claro, ele não responde às suas mensagens diretas ou atende suas ligações.

      Eles orbitam em torno de você

      “Orbitar” significa “orbitar” ou “orbitar” em inglês, e define muito bem o comportamento que engloba o termo, cunhado por Anna Lovine no blog “The Man Repeller”. “Orbitadores”, isto é, pessoas que desaparecem da nossa vida mas não a abandonam por completo, orbitam-nos como a Terra faz com o Sol: giram à nossa volta, mas não nos tocam. Eles não estão muito envolvidos em nossas vidas, mas eles querem saber tudo de novo. Eles devem se manter informados, mas indiretamente, sem nunca ter uma conversa direta conosco.

      Então, como mencionamos, nosso “orbitante”, seja ex-parceiro, ex-amigo ou parente distante, vai fofocar sobre o que estamos fazendo e desistindo nas mídias sociais. Ele vai assistir a todas as nossas histórias do Instagram, talvez retweetar nossos Tweets e até mesmo deixar alguns comentários curtos e ridículos em nossas fotos do Facebook. Sim Al, parece uma merda para mim, parece que BT também não é para mim. Corte com você no mundo real, mas fique atento à sua vida virtual.

      Mas não acredite que esse fenômeno seja específico das redes sociais. Embora as novas tecnologias o tenham estimulado, a verdade é que a órbita existe há uma vida. Basicamente é estar ciente da vida de uma pessoa com quem você teve um relacionamento muito profundo antes e agora que se separou você não quer estar perto, mas não muito longe, então você não sabe o que é isso em sua vida.

        Consequências da órbita

        Colocar em órbita envolve várias consequências que recaem principalmente em “colocar em órbita”. A vítima de tal dinâmica Você pode ser pego em um estado de incerteza ao ver que seu ex-parceiro ou ex-amigo o abandonou, mas não completamente. Não sei se o relacionamento acabou ou só demorou um pouco.

        Como ele vê que sua ex está sempre observando o que ele está fazendo nas redes sociais, a pessoa em órbita pode esperar que eles voltem. O problema é que ele provavelmente não quer voltar com ela, mas está interessado em conversar sobre a vida dela.

        Apesar disso, vítimas de órbita eles podem não perceber o grave problema de dependência emocional em que estão imersos. Longe de aceitar o fato de que eles não vão voltar com eles, como sua antiga órbita ao redor deles, eles acham que isso pode significar alguma coisa. Sem surpresa, o fato de seu ex estar sempre te observando nos stories do Instagram ou comentando em suas postagens no Facebook é uma interação, e você pode pensar que, mesmo que seja mínimo, significa que ainda há alguma diversão.

        Principalmente no contexto das relações amorosas, essas dinâmicas são alimentadas pelo equívoco de que o amor só se encontra uma vez, como acredita Angélica Vera Vázquez, professora de sexualidade humana e psicologia de gênero. Se o orbitador é um ex, a pessoa em órbita pode se apegar à ideia de que esse pode ser o amor de sua vida e que em algum momento ele voltará a conversar com ela para recomeçar o relacionamento.. A triste realidade é que esse ex não teve coragem de terminar com ele enquanto falava com ele, mas o fez meio fantasma.

        Tais comportamentos, que parecem benignos, podem degenerar em violência simbólica. Eles começam a criar padrões de energia assimétricos onde um dos dois, o orbitador, sabe que pode causar um problema. Ele pode não estar ciente do poder que a outra pessoa lhe deu, a força que ele está exercendo sobre a pessoa em órbita apenas olhando para seus postos e fazendo-os acreditar que ainda há algo lá.

          Testemunhos em órbita

          Pessoas que se apaixonaram em órbita têm experiências muito semelhantes o que pode ser ilustrado pelos seguintes depoimentos anônimos modificados para respeitar sua privacidade.

          Toda vez que conversávamos sobre sentimentos ele me dizia que “agora não posso ou não quero estar com você”, mas ficava comentando nos meus posts então pensei que talvez “agora” mudaria. Eu me agarrei ao fato de que ele era um talvez agora, e que ele gostava das minhas fotos e meus memes me fizeram pensar que talvez ele estivesse se aproximando. »

          “Eu me apaixonei por ele e comecei a fazer o mesmo. Como eu gostava das minhas fotos, fiz o mesmo com as suas. Eu assisti seus stories, reagi ao que ela postou e tive a ideia de que a chama do relacionamento era ainda vivo não recebi resposta via mensagem privada mas também não fui bloqueado da rede então pensei que havia a possibilidade do meu retorno.”

            O que fazer nessas situações?

            Se passarmos por uma situação orbital, em que nosso ex-parceiro ou ex-amigo está esperando o que estamos fazendo nas redes e que semeia dúvida da incerteza de seu retorno ou não, tudo acompanhado de sofrimento, você tem que se fazer algumas perguntas antes de agir:

            • Por que eu quero essa pessoa?
            • Isso é realmente o que eu preciso?
            • O que estou esperando?

            Como mencionamos, em órbita, eles meio que nos assombram. Está lá, mas não está. Ele quer ter um relacionamento suficiente conosco para conhecer nossa vida, mas não o suficiente para se conectar no nível tão íntimo quanto ele era antes da situação. Por isso é importante aprender a se distanciar, a se despedir e entender que se nossa presença nas redes sociais e outras plataformas nos prejudica, só há uma coisa que fará bem: bloqueá-la.

            Você tem que aprender isso é normal bloquear de acordo com as pessoas. Veja dessa maneira, é como se estivéssemos afastando ele de nossas vidas para sempre. É para fazê-lo dar este passo que ele não ousou dar por conta própria e fazer dele um fantasma completo, só que a vítima não somos mais nós, mas aqueles que deram o passo. última palavra.

            Aprenda que sua pessoa não depende de quem você gosta ou de quem vê suas fotos. É também entender que você não precisa dar um “curtir” para se sentir importante, que se você realmente quer alguém em sua vida, você tem que dizer e não ser intermitente. E se você quer terminar com ele, diga claramente e não o deixe no escuro porque a dor pelo rompimento será pior. Você sempre tem que falar sobre as coisas, mesmo que sejam ruins.

            Referências bibliográficas

            • Carvajal Tamayo, MJ (2018). A fragilidade do vínculo nas relações amorosas.
            • Cena, R., & Faet, BG (2013). O “amor na corda bamba”: as contradições político-emocionais das novas relações amorosas. Revista Latino-Americana de Estudos Corpo, Emoção e Sociedade, (12), 23-35.
            • Infobae (2021). O que está acontecendo nas mídias sociais e por que é mais perturbador do que parece. Infobase.
            • Otero, XM (2005). Nem com você nem sem você: o casal inquebrável. Jornal Intercontinental de Psicologia e Educação, 7 (2), 27-42.
            • Villegas, M., & Mallor, P. (2017). Casais à la carte: relacionamentos românticos na sociedade pós-moderna. Editorial Herder.
            • Waldek, S. (2018). Esqueça os fantasmas: agora “a órbita” está aqui para arruinar sua vida amorosa. Iniciado.

            Deixe um comentário