Lei de Brandolini: o que é e como influencia a difusão de ideias

Um homem vestido com uma fantasia de iogue e sentado no chão é questionado sobre qual é o seu segredo para ser tão feliz, e ele responde: “Não discuta com os idiotas.

Surpreso, quem quer que tenha feito a pergunta a ele não pôde evitar soltar um “Bem, eu não concordo”. O outro homem, com aura gandhiana, responde: “Ele tem razão.


Esta curiosa anedota nos ajuda a introduzir uma máxima que devemos introduzir em nossa vida diária: Lei de brandolini. Se você deseja saber mais sobre este interessante artigo, nós o convidamos a continuar lendo e você ficará surpreso.

    O que é a Lei de Brandolini?

    A lei de Brandolini também é chamada de princípio da assimetria do absurdo, princípio da assimetria do absurdo ou princípio da assimetria do idiota, com perdão (em inglês, tornou-se popular com o nome de “Bullshit assimetry Principle”).

    É uma máxima que corre na Internet e que sublinha o quão difícil é tentar desmantelar uma falsa crença ou informação de qualidade questionável, proclamando que a quantidade de energia necessária para refutar o absurdo é muito maior do que a necessária para produzi-los.

    Essa curiosa lei foi formulada e popularizada em janeiro de 2013 por Alberto Brandolini, um programador italiano que postou o seguinte comentário em sua conta no Twitter:

    “A assimetria da merda (sic): a quantidade de energia necessária para refutar a merda é uma ordem de magnitude maior do que para produzi-la.”

    “A assimetria da fala: a energia total necessária para refutar o absurdo é de uma magnitude maior do que para produzi-lo.”

    Este comentário, erro ortográfico incluído, atinge proporções virais em poucas horas. Segundo o próprio Brandolini, ele se inspirou a publicar essa máxima após ler o livro “Think Fast, Think Slowly” (2011) de Daniel Kahneman, pouco antes de participar de um debate político entre o jornalista Marco Travaglio e o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, que se atacaram.

    Este princípio está intimamente ligado ao debate sobre notícias falsas e preconceitos cognitivos. Em seu livro La Démocratie des crèdules, o sociólogo francês Gérard Bronner argumentou que para refutar uma mentira era preciso apresentar argumentos muito sólidos, enquanto o absurdo costuma usar vieses cognitivos, fazendo-os parecer mais plausíveis do que as explicações científicas, geralmente muito mais complicadas. .

    Laurent Vercueil, neurologista e pesquisador do Institut de Neurosciences de Grenoble (França), acredita que a lei de Brandolini tem os seguintes aspectos.

    1. Assimetria de impacto

    Espalhar o absurdo os torna mais impactantes do que qualquer tentativa subsequente de desativá-los.

    2. Assimetria de retenção de memória

    A marca que a fala deixa na memória é muito mais profunda que qualquer informação que o contradiga então, por mais verdadeira que seja.

      3. Assimetria da unção

      Aquele que espalha a palavra é ungido com uma aura benéfica enquanto quem tenta estar certo é visto como um espantalho que não entende nada ou que foi convencido pelo discurso oficial.

        Princípio da assimetria de estupidez e sanidade

        Em um mundo onde as novas tecnologias têm um grande impacto, é altamente recomendável não discutir com pessoas que, sob o anonimato, deixam cair todos os tipos de bobagens, cada um maior que o anterior. Discutir com alguém que nunca admitirá que estamos certos é inútil para nós, além de sentir muita angústia, frustração e ansiedade.

        Também podemos aplicar isso a pessoas que conhecemos, familiares e amigos que às vezes são um pouco difíceis de se conviver. Quase ninguém muda de ideia quando eles discutem, estejam eles certos ou errados. Poucas vezes as pessoas, depois de um debate intenso e acalorado, nos esclarecem e concordam de boa vontade em questionar nossas crenças diante de novas evidências.

        Muitos de nós, mortais, ficamos cegos pela confirmação, procurando e enfatizando o que “confirma” nossas crenças já bem estabelecidas e rejeitando o que vemos que as contradiz. Portanto, tentar convencer alguém pode custar muito tempo e esforço, o que pode nos esgotar física e mentalmente e afetar negativamente nossa saúde mental.

        O ponto principal é que, quando se trata de nossa saúde mental, temos que nos justificar. não perca tempo em uma discussão que não leva a lugar nenhum. Argumentar para alguém que não quer ouvi-los é como dar mel a um burro.

          lei de Godwin

          Dizer bobagem, bobagem e bobagem é muito fácil. Sejamos honestos, todos temos experiência, mesmo aqueles de nós que passaram pela vida de intelectuais e conhecedores. É inevitável que de vez em quando falemos sobre nossos cotovelos e além de nossas possibilidades, dizendo coisas que simplesmente não são verdadeiras, seja porque as exageramos ou porque realmente acreditamos nelas.

          Controlar-se e evitar trapos é complicado. Vemos alguém largar uma mezmez soberana e queremos provar que está errado e, o mais importante, que estamos certos. Se tivermos o azar de cair em um desses debates por não poder resistir à tentação de argumentar, há um sinal inequívoco quanto ao melhor momento para encerrá-lo: mencionar Adolf Hitler.

          Este fenômeno é chamado de Lei de Godwin, embora seja mais uma afirmação. Basicamente, esta lei afirma que mais cedo ou mais tarde, em cada conversa, a pior, a pior pessoa dos últimos tempos será mencionada. Embora esta lei esteja frequentemente ligada a discussões na Internet, é perfeitamente aplicável na vida real. Quanto mais uma conversa, mais provável é que alguém mencione esse cavalheiro ridiculamente bigodudo e, como você sabe, conversas absurdas tendem a se esticar como um chiclete.

          Milho a melhor maneira de evitar discussões absurdas em nosso entorno imediato é simplesmente não reforçá-las.. Se um membro da família (por exemplo, um cunhado típico) ou amigo (por exemplo, nosso colega Incel) está inclinado a deixar o absurdo, a melhor coisa que podemos fazer é aplicar a suposição sábia e fortuita. Do Sr. Alberto Brandolini, converse com ele e evite dar o que ele procurava: uma fita. Quanto mais você se sentir ignorado sobre abrir mão de absurdos imensos, menos provável será que continue a abrir mão no futuro.

          Referências bibliográficas

          • Brandolini, A. (2013) The Asymmetry of Bullshit: A quantidade de energia necessária para refutar a merda é uma ordem de magnitude maior do que para produzi-la.
          • Swynghedauw, Bernard. (2020). O Princípio de Brandolini e as notícias falsas. medicina / ciência. 36. 654-654. 10.1051 / medsci / 2020114.
          • Williamson, P. (2016). Dedique tempo e esforço para corrigir a desinformação. Natureza. 540. 171-171. 10.1038 / 540171a.
          • McCarthy, I. e Hannah, D.; Pitt, L.; McCarthy, J. (2020). Enfrentando a indiferença à verdade: Enfrentando a merda do trabalho. Horizontes de negócios. 63

          Deixe um comentário