Identidades dos jovens: o que são, exemplos e como se expressam nos jovens

Sabemos que a adolescência é um período de grandes mudanças, mas também de pesquisas, entre outras coisas, sobre a própria identidade.

Vamos examinar o conceito de identidades juvenis saber o que isso acarreta exatamente e por que é tão importante para o bom desenvolvimento dos adolescentes em diferentes níveis, como o psicológico, mas também o social.


    Quais são as identidades dos jovens?

    Identidades juvenis referem-se a a busca de cada adolescente pelo que realmente é, tanto para si quanto como membro de uma sociedade. Mas não é apenas um processo de pesquisa, mas também uma escolha. Não devemos esquecer que o ser humano é um animal social e que por isso é fundamental para o seu desenvolvimento, que se dá no início da sua transição para a idade adulta, encontrar o seu lugar na tribo.

    Essas identidades juvenis podem adquirir um alto grau de complexidade e não são necessariamente estáticas. O que isto significa? Que um adolescente, em algum momento, pode encontrar uma identidade com a qual se identifica e com a qual se sente confortável, mas que depois de algum tempo, que pode ser mais curto ou mais longo, pode decidir que essa identidade não a representa mais plenamente e pode embarcar nela . procurando outro que o satisfaça.

    Vale a pena destacar dois aspectos da identidade dos jovens, porque por um lado, eles podem se referir à identidade pessoal e, por outro lado, à identidade do grupo. A primeira é que a pessoa deve ser capaz de saber e expressar quem ela é, por conta própria. É a imagem que ele tem de si mesmo e daquela que projeta nos outros, aquela pela qual os outros o conhecem e sabem quem ele é e como ele é. Isso é o que o torna único e especial.

    Já a identidade grupal ou social, embora também projete características da própria pessoa, o faz em relação ao seu grupo a que pertence, classificando-se em um determinado grupo que se caracteriza por uma série de traços, sejam eles físicos. , comportamentais, trajes ou qualquer outro tipo. Às vezes a identidade social é escolhida pela própria pessoa, mas às vezes são os outros que lhe dão esse rótulo., Mesmo que o indivíduo não o tenha escolhido pessoalmente.

    Dentro das identidades dos jovens, seja a identidade pessoal ou a autoidentidade, é de grande importância para a autoestima dos adolescentes, pois está diretamente correlacionada. Em outras palavras, se uma pessoa tem uma identidade pessoal positiva, é mais provável que ela gere alta autoestima. Em contraste, os jovens com uma auto-identidade negativa tendem a sofrer de baixa auto-estima.

      Por que eles são importantes e como afetam os jovens

      Já vimos isso com a chegada da adolescência começa o processo de escolha entre as diferentes identidades juvenis. Mas por que esse processo é tão importante? A busca e a escolha da identidade é de vital importância no adolescente. Já antecipamos, por exemplo, a relação que a identidade mantém com a autoestima, o que já é um sinal da extensão desse problema, mas não para por aí.

      O mesmo caminho de exploração já tem um grande valor em si mesmo, pois na busca daquela das identidades juvenis nas quais o adolescente acredita que pode se integrar melhor, poderá rever toda uma variedade de valores e crenças para veja se eles correspondem ou não ao seu próprio ser. Em outras palavras, ele conseguiu se conhecer, ele será capaz de se dar uma imagem de si mesmo e saber qual é o seu papel na sociedade em que vive.

      Claro, esse processo nem sempre é tão rápido e fácil. Muitas vezes é lento, acidentado e gera uma crise de identidade nos adolescentes, que eles vivenciam como algo muito dramático, o que não é surpreendente. É assustador saber que algo está errado com você, que você ainda não se encontrou e, o que é pior, não saber o que fazer para contornar isso.

        Exemplos de identidade juvenil

        Já vimos que as identidades dos jovens podem ser atribuídas tanto à autoidentidade quanto à identidade social. De acordo com a segunda categorização, podemos encontrar inúmeros grupos, coloquialmente conhecidos como tribos urbanas, onde muitos adolescentes encontram os traços que satisfazem a imagem que buscam e também o apoio de um grupo de pares formado por pares com os quais compartilhar seus pensamentos e ações.

        São muitas as tribos urbanas que servem de exemplo na busca pela identidade dos jovens.. Vejamos alguns dos mais comuns.

        1. Jogadores

        Se os videogames não são novidade, o certo é que nos últimos anos eles se tornaram mais populares do que nunca, principalmente movidos pelas possibilidades dos jogos online e pela influência dos famosos YouTubers, que muitas crianças e adolescentes desejam imitar dos computadores. Portanto, a dos jogadores é uma das identidades juvenis mais importantes do nosso tempo.

        Qualquer pessoa com filhos adolescentes ou pré-adolescentes jogará títulos como Fortnite, League of Legends (popularmente conhecido como LoL) ou Minecraft, seja porque jogam ou porque assistem aos jogos de seus streamers favoritos em plataformas como Youtube ou Twitch, ou ambos . A realidade é que o mundo dos videogames mudou para sempre e isso reforçou uma das identidades dos jovens que já existiam, Atrair muitos jovens em comparação com as gerações anteriores.

        2. Panos

        O termo pode ser enganoso para quem já tem uma certa idade, mas a verdade é que Draperies são fãs de trap music, um gênero moderno que reúne hordas de fãs entre os mais jovens e, portanto, representa uma das identidades mais importantes. da juventude. Não se trata apenas da música. Como de costume, esta tribo urbana tem seu próprio código de vestimenta e até uma forma de falar e se comportar.

        Preenchendo a lacuna, eles poderiam ser comparados aos rappers, outra tribo urbana particularmente popular nos anos 2000, que também girava em torno de um gênero musical específico e também envolvia um certo estilo de moda, bem como costumes e expressões linguísticas que estavam associados a eles. uma identidade própria.

        3. Otakus

        Outra identidade jovem que cresceu consideravelmente nos últimos anos é a dos otakus. É sobre esse grupo de jovens apaixonados pela cultura japonesa. Essas pessoas normalmente consomem uma grande variedade de produtos de entretenimento da Ásia, principalmente do Japão.. Por exemplo, eles costumam ler mangás, assistir séries de anime ou jogar videogames japoneses no estúdio (a famosa saga de RPG, Final Fantasy, é um bom exemplo).

        Eles costumam até ouvir música de grupos pop japoneses, um gênero conhecido como J-Pop ou K-Pop, se eles forem sul-coreanos. Mesmo no campo da culinária, eles preferem a culinária japonesa, por isso não é incomum que gostem de comer sushi, ramen ou gyozas. Claro, o otakus é uma das identidades juvenis que mais influencia todos os aspectos da vida de seus membros.

        4. “Viciados” nas redes sociais

        Sem dúvida, uma das ferramentas que os adolescentes mais usam são as redes sociais. O uso intensivo destas define para si mais uma das identidades dos jovens, que seriam os “viciados” destas plataformas. Hoje, o Instagram e principalmente o TikTok, entre os mais novos, são aplicativos essenciais com o qual eles verificam constantemente se há atualizações de seus amigos ou ídolos e também compartilham as deles.

        Obcecados pelo mundo digital, os jovens acham que não estar nas redes sociais significa abrir mão da possibilidade de interagir com os colegas, então para eles é quase (e às vezes de fato) um vício. As redes são muito úteis como meio de comunicação e é verdade que podem ser gratificantes na busca por identidades de grupo, mas, como tudo, devem ser utilizados com moderação e responsabilidade.

        Claro, isso envolve a supervisão de adultos responsáveis ​​e a educação para o respeito que é dada aos adolescentes para que eles não exerçam um uso abusivo ou perigoso das redes sociais, mas isso os ajuda a encontrar identidades nos jovens. melhor.

        Referências bibliográficas:

        • Cortés, TA (2008). Sub-cultura, contra-cultura, tribos urbanas e culturas juvenis: homogeneização ou diferenciação? Jornal Argentino de Sociologia.
        • Dayrell, J. (2003). Cultura e identidades dos jovens. A última década.
        • Reis, A. (2009). A escola secundária como espaço de construção das identidades dos jovens. Revista Mexicana de Pesquisa Educacional.
        • Silva, JC (2002). Juventude e tribos urbanas: em busca de identidade. A última década.

        Deixe um comentário