FOMO e redes sociais

Qual é a primeira e última coisa que você faz em um dia? Cerca de 20 anos atrás, a resposta a essa pergunta teria sido muito diferente do que muitas pessoas diriam hoje.

Para começar, ninguém diria “assistir mídia social no celular” em 2002. Mas hoje em dia, especialmente jovens e adolescentes, muitos dos quais não se lembram de uma vida sem smartphone.


Os smartphones nos dão, quase indefinidamente, muitos estímulos que podem fazer a vida real parecer um pouco sem graça.

Não é incomum ver pessoas que eles preferem assistir a mídia social quando outras pessoas estão falando com eles (fenômeno conhecido como “phubbing”), quando estão no trabalho ou em reuniões de família, em eventos religiosos, em funerais… Ou mesmo quando estão dirigindo.

Se você se identifica com algum desses comportamentos que chamo, pode estar sofrendo do que é chamado de síndrome FOMO.

    O que é a síndrome FOMO?

    FOMO, para a sigla em inglês “Fear Of Missing Out”é uma síndrome que se tornou popular nos últimos anos na literatura de saúde mental.

    Ou seja, segundo Francchina et. al., daqueles sentimentos de ansiedade que surgem quando você acredita que outras pessoas podem estar tendo ou tiveram certas experiências gratificantes das quais você não faz parte.

    Ao dar acesso irrestrito à mídia social às postagens de outras pessoas, muitos caem na armadilha de se comparar constantemente a elas. E o que é pior, sua vida “cinzenta” e “triste” é comparada não com a vida real dos outros, mas com o que eles decidem mostrar ou projetar, então também não temos acesso a uma visão real das experiências dos outros .

    Alguém pode se gabar no Instagram sobre suas férias maravilhosas, como eles se divertiram muito com seus amigos, mas eles podem esconder que talvez chovesse todos os dias ou que o grupo de amigos que parecem tão unidos não se deu muito bem durante aquela semana na praia, ou naquele dia a dia anexo. Mesmo que decidam mostrar o contrário.

      O impacto psicológico do FOMO

      O FOMO tem sido enfatizado por alguns autores, como Haidt e Allen, como uma das principais razões para o uso compulsivo das mídias sociaise explicaria, pelo menos em parte, a crise de saúde mental vivida especialmente entre adolescentes e jovens durante os anos em que o acesso a essas plataformas se tornou universal, especialmente nos países do primeiro mundo.

      Esta síndrome está associada, segundo Pérez-Elizondo, a níveis mais elevados de ansiedade, sintomas depressivos, frustração, crescente sensação de solidão e uma maior quantidade de estresse.

      O problema é agravado pelo fato de que quem sofre com isso entra em uma espécie de círculo vicioso: Estar emocionalmente chateado porque outras pessoas podem desfrutar de certas atividades ou experiências que não fazem parte disso. Isso o torna obsessivamente dependente de suas redes para controlar se isso acontece ou não, tirando o tempo e a motivação que você precisa para ter suas próprias experiências, deixando seu smartphone para trás e se concentrando em – realizar atividades mais satisfatórias a longo prazo.

      Varcheta e. para. eles acham que é muito possível que o FOMO seja a principal motivação para o uso descontrolado das mídias sociais. Ainda que, segundo Franchina e seus colegas, estaria mais associado a plataformas nas quais os usuários compartilham seu cotidiano por meio de fotos ou vídeos (como Instagram, Facebook ou Snapchat) e não tanto a outras mais privadas e menos dependentes de fotos, como o Twitter.

        O que fazer?

        Segundo a psicóloga e pesquisadora Jeanne Twenge, o uso de telas (e mais nas redes sociais) está associado a uma pior saúde mental, diferentemente do que acontece com atividades ao ar livre ou interação mais frequente com pessoas de carne e osso. Twenge recomenda aos pais estar ciente dos efeitos negativos que o acesso ilimitado às mídias sociais pode ter.

        Um estudo de Hunt et. para. em 2018, ela mostrou que, ao diminuir ou eliminar o número de horas por dia que os participantes passaram nas redes, os sintomas do FOMO diminuíram significativamente e também puderam ser observadas melhorias na saúde mental geral. Esses resultados coincidem com as hipóteses levantadas acima sobre os efeitos do uso descontrolado das redes.

        Nesse sentido, um modelo de tratamento psicológico eficaz para o uso problemático das redes sociais pode ser aquele desenvolvido por Echeburúa e de Corral, que consiste em duas partes: uma primeira fase de choque, onde o sujeito se abstém completamente de usar as redes mosquiteiras por cerca de três semanas, a fim de descondicionar o comportamento, para então passar para uma fase de exposição progressiva onde, gradativamente, o indivíduo gera novos hábitos de uso da rede de forma controlada.

        Ainda há muito a ser descoberto para conhecer a extensão dos efeitos das redes em nossa saúde mental. Como psicólogos, é importante ajudar a conscientizar a sociedade sobre as consequências de determinados comportamentos, que podem ser identificados como neutros ou benignos, mas que podem ter um lado negativo.

        Referências bibliográficas

        • Echeburúa E., & De Corral, P. (2010). Dependência de novas tecnologias e redes sociais entre jovens: um novo desafio. Dependências, 22(2), 91-95.
        • Francchina, V., et al (2018). Medo de se perder como preditor de uso problemático de mídia social e comportamento de phubbing em adolescentes de flamenco. Revista Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública, 15 (10), 2319.
        • Haidt, J. e Allen, N. (2020). Estude os efeitos da tecnologia digital na saúde mental.
        • Hunt, M., et al (2018). Mais FOMO: Limitar as mídias sociais diminui a solidão e a depressão. Jornal de Psicologia Social e Clínica, 37 (10). 751-768.
        • Perez-Elizondo, AD (2020). O que é a síndrome FOMO? Psychiatry. com, 24.
        • Twengé, JM (2017). iGen: Por que as crianças superconectadas de hoje estão crescendo menos rebeldes, mais tolerantes, menos felizes e não totalmente preparadas para a vida adulta e o que isso significa para o resto de nós. Simon e Schuster.
        • Varchetta, M. et al (2020). Vício em mídias sociais, medo de perder experiências (FOMO) e vulnerabilidade online entre estudantes universitários. Revista Digital de Pesquisa em Educação Universitária, 14 (1), e1187.

        Deixe um comentário