Facilitação social: o que é, como nos influencia e as teorias por trás dela

Muitos atletas têm melhores notas quando competem ou treinam em companhia do que quando treinam sozinhos. Os seres humanos são animais sociais e a presença de outras pessoas influencia nosso comportamento, às vezes melhorando nosso desempenho.

Seja porque trabalhamos mais, porque estamos mais motivados ou simplesmente porque seduzimos os outros, a presença de outras pessoas aumenta nosso desempenho.


Esse fenômeno é chamado de facilitação social.. Vamos ver o que é e que outros fenômenos o influenciam.

    O que é animação social?

    A facilitação social é o fenômeno que acontece quando, estando cercados ou próximos de outras pessoas, temos um melhor desempenho em determinada tarefa. A simples presença dos outros permite que você tenha um desempenho melhor em uma atividade simples, seja porque você está competindo com eles, ou porque você se sente motivado e motivado a fazer melhor. Este fenômeno vem sendo estudado há mais de um século, sendo demonstrado em múltiplos estudos e pesquisas.

    Em 1898, foi o psicólogo Norman Triplett quem começou a estudar a facilitação social, embora só décadas depois o fenômeno tenha sido chamado assim. Triplett era um fã de ciclismo e deu-lhe a impressão de que os ciclistas que se acompanhavam se saíam melhor. Para verificar isso, ele comparou as pontuações de ciclistas da American Cycling League e, de fato, observou que estas melhoravam quando os atletas se acompanhavam ou competiam entre si. Eles correram até 5 segundos mais rápido em companhia do que sozinhos.

    Triplett queria saber se isso era um fenômeno exclusivo em atletas ou se acontecia em outras áreas também, então decidiu vê-lo com crianças. O psicólogo pediu aos meninos que enrolassem o fio de um carretel o mais rápido que pudessem, verificando que esse também era o curioso fenômeno que observara em ciclistas. Quando acompanhados por outras crianças, os meninos concluíram seus deveres de casa mais rapidamente.

    Foi em 1920 que Floyd Henry Allport (irmão de Gordon Allport) cunhou o termo facilitação social para descrever esse fenômeno. Em uma de suas pesquisas, Allport investigou como uma determinada tarefa era realmente realizada em um grupo de participantes. A tarefa que ele lhes deu foi escrever o maior número possível de palavras relacionadas a um conceito. Quando os sujeitos experimentais foram acompanhados, eles foram capazes de produzir significativamente mais palavras do que quando solicitados a fazer a mesma tarefa sozinhos..

      Fenômenos envolvidos na facilitação social

      Vários fenômenos podem ocorrer em um caso de facilitação social. Entre os mais notáveis ​​estão os três seguintes:

      1. Efeito coercitivo

      O efeito coercitivo implica que, quando fazemos uma tarefa com outras pessoas que também estão fazendo, nosso desempenho é maior porque trabalhamos mais. Nesse contexto, nosso objetivo é mostrar que somos tão válidos, senão mais, do que aqueles que nos rodeiam. A coerção é influenciada por fatores como competitividade e pressão dos pares.

      Este fenômeno não foi observado apenas em humanos. Em um estudo bastante antigo do psicólogo SC Chen (1937), ele observou como as formigas operárias, quando cavam na areia, trabalham até três vezes melhor em companhia do que aquelas que o fazem sozinhas.

        2. Efeito de público

        O efeito auditivo implica que, quando nos sentimos observados pelos outros durante a execução de uma tarefa que praticamos e dominamos, nosso desempenho melhora. Isso se deve à motivação de tentar agradar os outros, mostrar nosso valor e deixá-los saber o quão bons somos em uma tarefa.

        Por exemplo, imagine um pianista experiente que precisa tocar uma peça complicada na frente de um teatro inteiro. Em sua solidão, ele ensaiou a peça várias vezes, a ponto de se sentir confiante o suficiente e também ter a sensação de dominá-la. O dia do concerto chega e ele não só toca a peça com perfeição, como consegue fazê-la melhor do que quando praticava sozinho.

          Teorias que explicam o fenômeno da facilitação

          Além da própria teoria da facilitação social sugerida tanto por Allport quanto por outros autores, temos outras teorias e hipóteses que explicariam o fenômeno. Dentre eles, destacamos os três seguintes.

          1. Hipótese de apreensão da avaliação

          Essa hipótese sustenta que As pessoas, de fato, se sentem pressionadas pelo medo de serem avaliadas pelos outros. Como não queremos ser ruins na frente dos outros, tentamos dar o nosso melhor.

            2. Hipótese de alerta

            De acordo com essa suposição, quando nos sentimos observados entramos num estado de alerta que nos impulsiona a sermos mais competentes.

            3. Teoria da auto-apresentação

            Parte do nosso autoconceito é baseado na imagem que achamos que mostramos aos outros. Ligada à facilitação social, a ideia é que Nós nos esforçamos para sempre fazer o nosso melhor quando estamos na frente de outras pessoas para agradá-las. Portanto, o reforço social que recebemos por fazer as coisas direito nos dará uma imagem mais positiva de nós mesmos.

              Facilitação e inibição social

              A presença de outras pessoas nem sempre nos torna mais eficientes. Da mesma forma que a facilitação social implica que fazemos as coisas melhor quando há outras pessoas por perto, encontramos um efeito que é exatamente o oposto: a inibição social. Como indica seu nome, é que fazemos uma determinada tarefa menos bem, da qual geralmente temos pouca mana, estando na companhia de outras pessoas do que sozinhos.

              Em 1933, J. Pessin realizou um estudo no qual sentiu o fenômeno da inibição social. Ele pediu a um grupo de participantes para memorizar uma lista de sílabas sem sentido na frente de uma platéia. A tarefa era extremamente complicada por si só, o que era ainda mais difícil na presença de um público tão intimidador. Os participantes tiveram pior desempenho quando observados do que quando sozinhos.

              Mais tarde, em 1956, Robert Zajonc investigou esse efeito negativo de ser observado por outros com mais detalhes, o que aparentemente contradiz a teoria de facilitação social de Floyd Allport. Zajonc observou como as pessoas realizavam tarefas simples e complexas na presença de outras pessoas e analisou os resultados. Do ponto de vista de Zajonc, quando trabalhamos em grupo, emitimos o que ele chama de “resposta dominante”. Seria que, ao ser estimulado por outros por sua mera presença, aumentasse a probabilidade de um indivíduo ser mais eficaz, pois é isso que se espera dele.

              Zajonc chegou à conclusão de que quando as tarefas a serem executadas são simples, seja por sua baixa complexidade ou porque você tem muita experiência com elas, a presença de outras pessoas nos torna mais bem-sucedidos do que estar sozinhos. Em vez de, quando as tarefas eram mais difíceis ou não havia experiência disponível, ter um público assistindo prejudicou seu desempenho..

              Esse efeito inibido foi incorporado à teoria da facilitação social de Zajonc em uma nova hipótese generalizada em que ambos os efeitos foram levados em consideração. A teoria atual sustenta que, quando temos que fazer algo em que somos bons na presença de outras pessoas, faremos melhor do que ficar sozinhos. Por outro lado, se o que temos que fazer é algo que não somos muito espertos ou que percebemos que faremos mal, na presença de outros faremos ainda pior porque teremos a impressão de ser julgados muito negativamente .

              Referências bibliográficas

              • Barão, RA (1986). Teoria da distração-conflito: Progresso e problemas. Em L. Berkowitz (Ed.), Avanços em Psicologia Social Experimental (Vol. 19). Orlando, FL: Academic Press.
              • Chen, SC (1937). Modificação social da atividade das formigas no construção do ninho. Zoologia Fisiológica, 10(4), 420-436
              • Pessin, J. (1933). Os efeitos comparativos da estimulação social e mecânica na memorização. The American Journal of Psychology, 45, 263-270. https://doi.org/10.2307/1414277
              • Travis, LE (1925). O efeito de uma pequena audiência na coordenação mão-olho. The Journal of Abnormal and Social Psychology, 20(2), 142.
              • Triplett, N. (1898). Fatores dinamogênicos no marcapasso e na competição. American Journal of Psychology, 9, 507-533.
              • Zajonc, RB (1965). Facilitação social. Ciência, 149, 269-274.

              Deixe um comentário