Efeito MUM: o que é e como afeta os relacionamentos

As pessoas não agem da mesma forma quando estamos em um grupo. Também não fazemos o mesmo quando estamos com outra pessoa.

Ou seja, a presença (real, imaginada ou implícita) de outras pessoas influencia nossa maneira de pensar, sentir e se comportar. A psicologia social se preocupa com o estudo e a compreensão dessas relações e influências.

Nele, muitos fenômenos aparecem na inter-relação das pessoas e na percepção que temos delas. Hoje vamos falar sobre um deles: o efeito MUM. Todos nós gostamos de dar boas notícias e más notícias? A mesma coisa acontece com eles? Veremos isso mais tarde.

Qual é o efeito MUM?

Quando temos que comunicar más notíciasÉ comum resistirmos ou distorcê-los, ou mesmo torná-los menos negativos. Isso acontece mesmo que não tenhamos nada a ver com essas notícias.

A razão é que não queremos ser associados ao evento negativo e, portanto, ser vistos como menos atraentes.

O efeito MUM ocorre diante de uma ampla variedade de notícias, circunstâncias e possíveis destinatários. No entanto, embora seja um efeito muito comum e validado, não é um fenômeno universal. Pense, por exemplo, no noticiário da televisão; tem-se a sensação de que “sempre” transmitem más notícias; ou por exemplo mitos, rumores, etc.

Parece então que o efeito MUM está associado com situações em que a notícia afeta seu próprio bem-estar ou do potencial destinatário.

Por que isso aparece? suas causas

O efeito MUM tem a ver em psicologia social com teorias de reforço. Teorias de reforço (Lott e Lott, Byrne) nos falam sobre atração por pessoas presentes ou fazendo algo que ativa uma condição, seja positiva ou negativa.

Por outro lado, as pessoas, consciente ou inconscientemente, procuram agradar aos outros, sentem-se aceitas, etc. É um fenômeno natural e humano, que ocorre para preservar e melhorar a autoestima.

Em geral, podemos falar sobre várias preocupações que nos impedem ou nos impedem de comunicar más notícias:

  • Preocupação com o nosso próprio bem-estar, querendo evitar o sentimento de culpa.
  • Preocupação com o bem-estar do destinatário (Por empatia) para receber más notícias.
  • Use regras situacionais como “faça o que precisa ser feito” como um guia.
  • Medo de ser associado a más notícias e, portanto, que achamos menos atraente.

Essas quatro explicações foram demonstradas por experimentos científicos para explicar as causas do efeito MUM. Desta forma, e em relação ao primeiro ponto, a preocupação com o próprio bem-estar, fala-se do medo de sentir-se culpado por ter comunicado algo negativo a alguém.

Podemos relacionar isso com a “crença em um mundo justo”, ou seja, acreditar que as injustiças não existem e que todos nós recebamos o que merecemos (Bom e ruim). Seria um viés cognitivo da visão da realidade, que muitas pessoas manifestam.

Então, comunicar algo que, além de ser ruim, é injusto, entraria em conflito com nossas crenças sobre o mundo e poderia gerar mais daqueles sentimentos de culpa ou mesmo tristeza. E, é claro, as pessoas tendem a evitar sentir-se desconfortáveis ​​ou tristes.

Preocupações em dar más notícias

Olhando um pouco mais a fundo nessas preocupações, sabemos que nem queremos que o destinatário se sinta triste “por nossa causa”, Mesmo que seja um pensamento irracional e não tenhamos nada a ver com os acontecimentos atuais. Nós somos o simples remetente, mas, mesmo assim, quando as pessoas são questionadas sobre por que devem ou não dar boas ou más notícias, elas geralmente focam sua atenção no receptor.

O efeito MUM também acontece quando cometemos um erro comum – supondo que o receptor não queira ouvir as más notícias.

Pense, por exemplo, em médicos; foi descoberto em algumas pesquisas que muitos acreditam que os pacientes não querem ouvir más notícias. No entanto, estes últimos afirmam querer ouvi-los.

se você sabe quanto melhor for a mensagem, mais estaremos dispostos a transmiti-la.. Mas não acontece da mesma forma quando a mensagem é negativa, porque antes é ruim; não importa se é em maior ou menor grau, pois a vontade de comunicá-lo será sempre baixa.

Regras sociais e receptor no efeito MUM

Freqüentemente, não há regras claras sobre o que fazer com as más notícias, comunicá-las ou não. Parece que quando as notícias são boas as regras são mais claras do que quando as notícias são ruins.

Além disso, muitas vezes, quando anunciamos más notícias, surgem consequências para o receptor (tristeza, raiva, raiva …) que nem sempre saberemos gerir. Isso pode ser assustador, além da preocupação de não querer parecer um faz-tudo ou intrusivo. Para evitar sentimentos, escondemos as más notícias.

O efeito MUM é reduzido quando as emissoras sabem com certeza que o destinatário da notícia (seja boa ou ruim) deseja saber. Assim, o medo ou a preocupação de dar más notícias se dissipam, e acabamos expressando-os sem distorcê-los.

Referências bibliográficas:

  • Tesser, A. e Rosen, S. (1975). Relutância em dar más notícias. Para L. Berkowitz (ed.). Advances in Experimental Social Psychology, vol. 8, páginas 194-232. Nova York: Academic Press.
  • Hogg, MA (2010). Psicologia Social. VAUGHAN GRAHAM M. PANAMERICANA. Postado por PANAMERICANA

Deixe um comentário