Divulgação intercultural: o que é, tipos e características

As culturas não são à prova d’água, então muitas vezes adquirem elementos de fora ou compartilham os deles com outras pessoas. Divulgação intercultural é um exemplo.

Aprofundaremos os fenômenos antropológicos que explicam esses contatos entre culturas em que uma adquire costumes ou concepções da outra. Veremos também os tipos que podem ocorrer e as teorias que tentam propor modelos para esse fenômeno.

O que é disseminação intercultural?

A divulgação intercultural é um conceito referente à antropologia, mais precisamente ao seu aspecto cultural, que se refere a a propagação dos elementos de uma cultura, seja interna, pelo contato entre indivíduos da mesma cultura, seja externa se, ao contrário, o fenômeno ocorre entre duas pessoas de culturas diferentes.

Através deste mecanismo, uma cultura pode contribuir com outras desde simples costumes a elementos diferenciadores como uma língua, uma religião ou mesmo desenvolvimentos tecnológicos complexos que podem ser o catalisador para uma mudança de era no mundo. Desta civilização, de que estamos a falar um processo extraordinariamente poderoso de enriquecimento cultural.

O primeiro a falar de difusão intercultural e, portanto, o autor que cunhou este termo foi Leo Frobenius, um etnólogo alemão. Foi em seu livro The Culture of West Africa, que o conceito apareceu pela primeira vez e desde então se estabeleceu no glossário antropológico como um dos termos-chave para falar sobre essas mudanças de culturas.

É importante para não confundir difusão intercultural e difusão de inovações, outro fenômeno muito importante usado em antropologia e sociologia mas com um significado diferente. No caso do segundo termo, ele se refere a como as idéias sobre melhorias tecnológicas passam de uma cultura para outra. Um dos exemplos mais clássicos é o domínio da metalurgia que permitiu às sociedades entrar na Idade do Ferro.

Tipos de disseminação intercultural

A disseminação intercultural pode ser feita por diferentes métodos. Vamos passar por todos eles para saber sobre todos os tipos possíveis que podem ocorrer.

1. Difusão por expansão

A primeira maneira de um elemento passar por culturas (ou dentro de culturas) é por meio da expansão. Quer dizer? em quê a característica particular foi gerada em um determinado local, que seria o núcleo, e a partir daí passou a ser transmitida geograficamente, Primeiro em áreas adjacentes e depois em áreas mais remotas.

2. Difusão por migração

O segundo tipo de difusão intercultural é a migração. Como no caso anterior, falaríamos de uma unidade cultural que surgiu em um lugar e daí se transmitiu para outro lugar. A diferença é que, neste caso, este elemento cultural é movido, não copiado, de modo que deixa de estar em seu local original para migrar permanentemente para o novo.

3. Distribuição por hierarquia

Outra forma de divulgação intercultural é aquela que ocorre de forma hierárquica. É uma forma de expansão geográfica com uma peculiaridade, e é isso o local de onde o novo elemento cultural começa tem uma hierarquia mais alta do que as áreas para as quais será exportado, o que seria um tanto subordinado e assimilar o conceito por obrigação.

4. Difusão por imitação

Em outros casos, a disseminação transcultural ocorre por meio de um processo de imitação, de modo que um indivíduo observa outro para fazer uso do elemento cultural em questão e assim é quando ele sofre o contágio deste., Continue a considerá-lo como seu e assim estenda seu uso.

5. Divulgação por associação

Finalmente, encontraríamos disseminação intercultural por associação. Como isso pode acontecer? Este é um caso especial em que existe um elemento cultural principal, que é o que se transmite, por um dos métodos que vimos antes, mas também existem outros elementos que estão associados ao primeiro de alguma forma e com a transmissão do segundo, o acompanham no processo indiretamente.

Diferentes origens de disseminação intercultural

Contornamos os tipos de disseminação intercultural em termos do processo que o elemento cultural leva para se deslocar para outro lugar. Agora vamos nos conhecer os mecanismos pelos quais uma cultura pode se propagar para que seus componentes sejam assimilados por outra.

1. Forma de distribuição direta

A primeira forma de difusão intercultural é aquela que passa diretamente de uma cultura a outra devido à sua proximidade. Pode ser visualizado em larga escala, entre duas populações humanas contíguas que estão ligadas, seja pacificamente (rotas comerciais, turismo, etc.) ou agressivamente, por meio de guerras e outros conflitos.

Mas também pode acontecer em pequena escala, entre duas pessoas de culturas diferentes que por sua relação de amizade ou de parceria, trocam elementos de suas respectivas culturas que acabam sendo recolhidos e integrados pela outra parte como algo próprio.

2. Forma de difusão indireta

Quando falamos sobre a forma de disseminação indireta, estamos nos referindo a membros de duas culturas diferentes que neste caso não possuem contato direto, portanto a troca de elementos se dá por meio de um denominador comum, que seria uma terceira cultura, que serviria de intermediária entre as duas.

Portanto, nesse mecanismo de disseminação intercultural, a cultura A transferiria alguns de seus elementos para a cultura B, que no futuro também seria disseminado da cultura B para a cultura C. Dessa forma, a cultura A teria exportado. suas características na cultura C sem nenhum contato direto entre elas.

3. Forma de distribuição obrigatória

Mas nem todas as trocas culturais acontecem naturalmente. Existem muitos exemplos de culturas dominantes que forçavam outros menos poderosos a assumir características que não correspondiam a fim de normalizar com ele. É o caso de povos e nações que ao longo da história invadiram outros territórios e obrigaram os habitantes a abandonar práticas contrárias aos seus costumes.

Este é o mecanismo de difusão forçada ou forçada. O elemento diferenciador seria o da tributação em relação à natureza voluntária de outros métodos.

Teorias sobre difusão intercultural

Existem diferentes modelos teóricos que procuram explicar o fenômeno da difusão intercultural. Vamos dar uma olhada em cada modelo.

1. Migrações

Um deles se refere aos processos migratórios de populações humanas.. O modelo migratório afirma que é por meio desses movimentos que as culturas conseguem se expandir e penetrar outras, ora se sobrepondo, ora se mesclando.

2. Círculos culturais

Por outro lado, o modelo de difusionismo nos círculos culturais propõe a ideia de que originalmente havia um grupo muito pequeno de culturas e é graças às relações entre elas, Incluindo disseminação intercultural e divisões, pois atingimos o grande número que temos hoje.

3. Baile cultural

Outra dessas teorias é a do baile da cultura ou Kultur-Kugel, com seu nome original em alemão. Esta ideia, proposta pelo arqueólogo James Patrick Mallory, afirma que a disseminação intercultural é mais frequente em termos de elementos de linguagem do que para outros elementos culturais tais como as de natureza material ou aquelas que afetam a estrutura social do grupo em questão.

4. Difusionismo evolucionário

Uma teoria chamada difusionismo evolucionário também foi proposta. A abordagem deste modelo fala de uma forma de difusão intercultural que não implica realmente que uma cultura espalhe um elemento sobre outro, mas que esse elemento surja ao mesmo tempo nas culturas distinto porque ambos atingiram um estágio evolutivo que oferece as condições necessárias para o surgimento deste novo elemento.

5. hiperdifusionismo

Finalmente encontraríamos o hiperdifusionismo, que leva a teoria dos círculos culturais ao seu fim, indicando que na realidade, no início, não havia nem poucas culturas primordiais, mas havia apenas uma. É por meio dos processos migratórios que grupos humanos povoaram outros cantos, trazendo essa cultura para esses lugares e vivenciando mudanças a partir desse momento.

Autores como Antonio de León Pinelo acreditaram nessa teoria a ponto de afirmar que a humanidade se originou no que hoje é a América do Sul e mais especificamente na região da Bolívia, e depois começou a se estender para o resto da bola. Uma seria uma das primeiras abordagens hiperdifusionistas que tentariam explicar a difusão intercultural.

Referências bibliográficas:

  • Chevedden, PE (2000). A invenção do trabuco contrabalançado: um estudo de difusão cultural. Documentos de Dumbarton Oaks. JSTOR.
  • Levitt, P. (1998). Transferências sociais: formas de difusão cultural a nível local induzidas pela migração. Revisão da migração internacional.
  • Whiten, A., Caldwell, CA, Mesoudi, A. (2016). Difusão cultural entre humanos e outros animais. Opinião atual em psicologia. Elsevier.

Deixe um comentário