Diversidade corporal e genital como valor

Quando a nudez é apenas parte de nossa esfera íntima, podemos nos sentir vulneráveis ​​mostrando nossos corpos e genitais um na frente do outro, tornando-nos mais sensíveis a possíveis medos em comparação com a avaliação que a pessoa à nossa frente pode fazer.

Dependendo do nosso enquadramento social, cultural e/ou histórico, das nossas experiências, ou das nossas próprias expectativas ou daquelas colocadas por outros, define-se o vínculo que estabelecemos com e entre os nossos corpos.


    Dinâmicas sociais que alimentam os complexos com nosso corpo

    A sociedade promove cânones de beleza rígidos e irrealistas que apenas designam como apropriados e desejáveis ​​aqueles corpos que ficam à sua margem. Neste contexto, porém, e apesar de todos estes requisitos, podemos pesquisar e diversificar nossas referências corporaisem que nos vemos refletidos, emergindo dessas estruturas rígidas.

    Esses cânones estéticos também se aplicam à genitália; porém, neste caso, há uma complicação adicional, pois… Onde encontrar diferentes modelos de referência?

      Em busca de novas referências

      A nudez dos genitais é íntima, pouco exposta ao nível audiovisual ou fotográfica, e reduzida quase exclusivamente à pornografia, que, longe de mostrar a grande e maravilhosa diversidade corporal e genital dos seres humanos, nos mostra modelos muito pequenos e concretos do que deveriam ser naquelas partes do corpo.

      Dessa forma, crescemos sem nenhuma referência a essa diversidade, criando um imaginário do que é desejável e que vale a pena, fazendo-nos acreditar que os genitais só podem responder a esses parâmetros e que o que não corresponde a eles não só não é bonito , mas também não é justo ou apropriado.

      Os poucos modelos com os quais crescemos mostram apenas um vislumbre de nossa grande diversidade genital. Os seres humanos são caracterizados por sua diversidade e, assim como em outras partes do corpo, os órgãos genitais também a refletem.

      Embora as referências a maiorias ou tendências sejam às vezes mencionadas em termos comparativos, a realidade nos mostra que todos os corpos e genitais estão prontos para dar e experimentar prazer: não há tamanhos ou formas de genitais mais apropriados do que outros quando o que se busca é o prazer, assim como existem muitas outras fontes de prazer em nossos corpos além dessas- ci (explorando com os cinco sentidos, você pode encontrar esse prazer, prazer e erotismo não dependem apenas dos genitais).

        Além da falsa homogeneidade

        Em suma, a diversidade é a própria essência do ser humano, que se reflete em todas as partes do nosso corpo (orelhas, mãos ou dedos) e, claro, também nos órgãos genitais (variando em tamanho, forma, cor, cheiro, etc. ) Somos o resultado de um processo sexual que sempre resultará em um corpo preparado para o prazer e para as relações interpessoais e eróticas.

        Às vezes, os quadros sociais nos levam a pensar ou sentir que essa diversidade não é algo positivo.quando marcam um único modelo como válido ou nos ensinam apenas um tipo de realidade, podemos vir a vivenciar essa diferença como um “desvio do normal”. No entanto, é a característica fundamental do ser humano; é isso que nos torna únicos.

        O normal é a diferença, e é justamente essa diferença, o estranho de cada um de nós, que nos atrai para os outros.

        Da mesma forma que há tantas realidades, experiências e experiências quanto há seres humanos, haverá tantas formas de corpo e genitais quantas pessoas. Nosso corpo é único, nossa sexualidade também.

        Autor: Ana Antelo Pousa, sexóloga e psicóloga geral da saúde.

        Deixe um comentário