Construcionismo social: o que é, ideias e autores fundamentais

Construcionismo social, ou socioconstrucionismo, é uma perspectiva teórica que nasceu em meados do século XX após a crise epistemológica e metodológica por que passaram as ciências sociais.

Ele considera que a linguagem não é um simples reflexo da realidade, mas sua produtora, com a qual passa da ideia de representação que dominou a ciência, à de ação discursiva.


Este último nos permite questionar todas as “verdades” pelas quais nos relacionamos com o mundo, bem como criar novas teorias e métodos de conhecimento.

Além de ser considerado como perspectiva teórica, o socioconstrucionismo é definido como um movimento teórico em que diferentes trabalhos e propostas se agrupam.. A seguir, examinaremos alguns contextos e definições do construcionismo social, bem como as repercussões que teve na psicologia social.

    Construcionismo social: uma alternativa teórica e prática

    Desde a década de 1960, e no contexto da crise do pensamento moderno, os fundamentos epistemológicos das ciências sociais eles sofreram mudanças significativas.

    Entre outras coisas, essas mudanças surgem como uma crítica ao modelo de representação da ciência, onde a linguagem é entendida como um instrumento que reflete fielmente os conteúdos mentais, para que a própria mente contenha representações precisas do mundo exterior (realidade “).

    No mesmo contexto, há uma crítica às verdades absolutas e aos métodos de pesquisa pelos quais essas verdades deveriam ser acessadas. Curtiu isso, a aplicação da metodologia positivista nas ciências sociais é fortemente questionada e a omissão dos processos sócio-históricos que os enquadram.

    Ou seja, diante da tendência do pensamento científico tradicional de se apresentar como um reflexo absoluto da realidade que estudava; O construcionismo social diz que a realidade não existe independentemente de nossas ações, mas que a produzimos por meio da linguagem (entendida como prática).

      Reações à ciência tradicional

      Uma das abordagens que marcaram as ciências sociais, e diante da qual o socioconstrucionismo se distancia significativamente, é a desqualificação de outras metodologias que não a hipotético-dedutiva e a positivista. Conseqüentemente, construcionismo social questiona a predominância do modelo experimental, onde o conhecimento é assumido como adquirido a partir do controle que um experimentador “externo” exerce sobre a situação em estudo, que por sua vez pressupõe a existência de variáveis ​​estáveis ​​e controláveis.

      Também estabelece uma reação à aparente atemporalidade que havia caracterizado a forma tradicional de fazer ciência. É porque essa atemporalidade teve suas consequências que os fatos históricos sejam entendidos como anedóticos e, portanto, não científico.

      Ele acabou questionando as supostas verdades sobre os seres humanos, que foram tidas como certas pela implementação de metodologias utilizadas nas ciências naturais.

      Um projeto psicossociológico e suas repercussões para a psicologia

      Comparado ao que explicamos acima, autores como Sandoval (2010) consideram que o socioconstrucionismo não é propriamente uma teoria, mas “uma tentativa metateórica de construir uma alternativa à hegemonia do empirismo na epistemologia; behaviorismo e cognitivismo na teoria e experimentalismo na metodologia. , a trilogia que subjaz à inteligibilidade da psicologia moderna ”(p. 32).

      Em suma, quatro princípios que definem o socioconstrucionismo e que têm impacto na psicologia moderna são:

      1. Antiessencialismo: a primazia dos processos sociais e das práticas discursivas

      As práticas que constituem uma realidade são mantidas graças ao estabelecimento de uma ordem social, Que passa pela atividade humana, sem qualquer estatuto ontológico. Da habituação a essas práticas, a própria atividade humana se torna institucionalizada e molda uma sociedade. Por isso, o cotidiano, rejeitado pelas ciências sociais tradicionais, reveste-se de particular importância para o socioconstrucionismo.

      Ao nível metodológico, o socioconstrucionismo considera a imprevisibilidade do comportamento humano e da realidade social como algo que se constrói no quotidiano e a partir de uma reciprocidade sociedade-pessoa, com a qual a psicologia situa os casos que estuda ou assiste em determinados contextos sociais. No mesmo sentido, as pessoas são o produto de processos sociais específicos.

      Do mesmo modo, a corrente socioconstrucionista tem permitido questionar o uso do método hipotético-dedutivo nas ciências sociais, inicialmente sistematizado para as ciências naturais; e que ele se estabeleceu como o modelo da psicologia.

      2. Relativismo: a especificidade histórica e cultural do conhecimento

      Essa teoria sustenta que o conhecimento adquirido pelas ciências sociais é fundamentalmente histórico e, por ser muito variável, não pode recorrer aos métodos de estudo das ciências naturais.

      Da mesma forma, a corrente sócio-construcionista tem permitido questionar o uso do método hipotético-dedutivo nas ciências sociais, que foi sistematizado pela primeira vez para as ciências naturais; e que ele se estabeleceu como o modelo da psicologia.

      Nesse mesmo sentido, o que chamamos de “realidade” não existe separadamente do conhecimento ou das descrições que dela produzimos.

        3. Conhecimento e ação como dois fenômenos que andam de mãos dadas

        O construcionismo social visa explicar como o conhecimento e a realidade social são construídos a partir da atividade (A capacidade discursiva) dos sujeitos. Destaca a qualidade reflexiva do pesquisador. Ou seja, enfatiza o poder construtivo da linguagem no contexto das relações sociais.

        A partir daí, o socioconstrucionismo visa desenvolver perspectivas alternativas à abordagem individual do conhecimento (ou seja, a ideia de que tudo o que se sabe é conhecido individualmente), possibilitando analisar a importância do “conhecimento compartilhado na produção de um realidade particular.

        Construcionismo social é uma perspectiva que ele questiona continuamente as verdades que consideramos certas, Para questionar como aprendemos a olhar para nós mesmos e a olhar para o mundo.

        4. Uma posição crítica, ou seja, lidar com os efeitos da linguagem em termos de poder

        A consideração de que não há neutralidade na produção do conhecimento, o que leva ao reconhecimento do papel ativo das pessoas como construtoras de sua própria realidade, incluindo o próprio pesquisador, e o psicólogo é um facilitador da mudança social.

        Pensar o ser humano fora das qualidades que se supõe serem universalmente compartilhadas graças ao “paradigma do homem médio”, mas considerar o contexto social em que emergem as explicações e os lugares que são atribuídos a cada um.

        Principais autores e experiência

        Embora o construcionismo social seja uma perspectiva heterogênea, onde diferentes autores podem ou não se adaptar, Kenneth Gergen é considerado um dos maiores representantes, em particular de seu artigo Social psychologie es history (Social psychologie as history) publicado em 1973.

        Como parte dessa reformulação das ciências sociais, Berger e Luckmann já haviam publicado o livro The Social Construction of Reality em 1968, obra que influenciou muito a obra de Gergen e também é considerada a chave para o desenvolvimento do socioconstrucionismo.

        Esses últimos autores propõem que a realidade é “uma qualidade específica dos fenômenos que reconhecemos como independentes de nossa própria vontade” e que conhecem “a certeza de que os fenômenos são reais e têm características específicas”. Em outras palavras, eles desafiam a crença de que a realidade é algo que existe independentemente de nossas ações, Sendo a sociedade um ser externo que nos molda e que podemos conhecê-lo de forma absoluta.

        Os antecedentes teóricos do construcionismo social incluem o pós-estruturalismo, a análise do discurso, a Escola de Frankfurt, a sociologia do conhecimento e a psicologia social. crítico. Basicamente, são teorias que refletem sobre a interdependência entre o conhecimento e a realidade social.

        O construcionismo social também foi associado a autores como Latour e Woolgar, Feyerabend, Kuhn, Laudan, Moscovici, Hermans.

        Algumas críticas ao sócio-construcionismo

        Entre outras coisas, o sócio-construcionismo foi criticado por a tendência à radicalização discursiva de boa parte de suas teorias.

        Basicamente, esses críticos dizem que o construcionismo social pode ser imobilizador, pois se tudo o que existe é construído pela linguagem, qual é o lugar do que é material e quais são suas possibilidades de ação nos sentidos do mundo. Na mesma linha, ele foi criticado relativismo excessivo o que às vezes pode dificultar a adoção ou defesa de posições vingativas.

        Finalmente, após várias décadas do surgimento dessa perspectiva teórica, o construcionismo teve que se adaptar a novas formas de organização social. Por exemplo, algumas propostas que se inspiraram no construcionismo, mas acrescentaram elementos importantes aos debates atuais, são a teoria do ator vermelho, a performatividade ou certas posições materialistas e feministas.

        Referências bibliográficas:

        • Gosende, I. (2001). Entre o construcionismo social e o realismo, sem saída? Subjetividade e Processos Cognitivos, 1 (1): 104-107.
        • Iñiguez, L. (2005) Novos debates, novas ideias e novas práticas em psicologia social da era “pós-construcionista”. Digital Athenaeum, 8: 1-7.
        • Sandoval, J. (2004). Representação, discursividade e ação situada: uma introdução crítica à psicologia social do conhecimento. Chile: Universidade de Valparaíso.

        Deixe um comentário