Comunicação paradoxal e relações afetivas: dizia “sim”, queria dizer “não” e estava acabado

Um dos mistérios da comunicação humana é como passamos a desprezar uns aos outros. À primeira vista, a estrutura da linguagem nos permite entender com clareza e precisão. No entanto, o que queremos dizer nem sempre é dito, e há momentos em que a chamada é feita. comunicação paradoxal.

Comunicação paradoxal e mensagem incongruente

A equipe de Watzlawick e seu estudo com pacientes esquizofrênicos propuseram a lógica da disenteria. Eles diferenciaram dois níveis de comunicação: nível digital e nível analógico. O nível digital se refere a “o que é dito” e ao conteúdo da mensagem em si, enquanto o nível analógico se refere a “o que se quer dizer” ou a intenção do plano de fundo. Portanto, não é apenas o conteúdo da mensagem que importa, mas a intenção por trás dela.


Em geral, esse fato não seria um problema, pois as pessoas gostam de consistência, então se uma criança disser “quero sorvete” é fácil entender o que comprar. Este fato é explicado em que as palavras não têm um duplo sentido em si mesmas, mas somos nós que as produzimos. Portanto, assim como os dois níveis podem coincidir, eles também podem se contradizer. Às vezes, há situações em que pedimos uma mudança na relação com o interlocutor e tentamos com a nossa comunicação uma abordagem evitativa.

alguns exemplos

Veja o caso de uma menina que insiste em sair à noite, à qual a mãe responde “você, você verá”. Nesta mensagem a vontade da mãe está completamente escondida; ele não sinaliza sua intenção e sua filha deduz que ele não queria que ela fosse embora. É assim que sua autoridade na relação é testada e surge a indecisão entre ceder à intenção ou se ater ao conteúdo; entre ficar ou sair. O que sua filha faz envolve uma mudança em seu relacionamento com a mãe, uma mudança de abordagem ou evitação.

Para este fim, falamos de comunicação paradoxal e qualquer opção que você escolher não tem um final feliz. No caso anterior, se a menina decidir não ir, ela ficará chateada porque lhe disseram para fazer o que ela queria e ela não queria ficar. Mas ele também não se sentiria bem se estivesse fora, pois não estava claro se sua mãe parecia bem para ele. Nenhuma das opções é uma confirmação do que precisa ser feito, então o que quer que você faça, sempre haverá a sensação de não estar fazendo a coisa certa. Essas são as duas repercussões características do paradoxo: confusão e desconforto.

Exemplo de comunicação congruente

– Quer alguma coisa, filho?

-Eu quero um sorvete.

-Ok, vou te comprar um sorvete no caminho de casa.

  • nível digital (Conteúdo): Ele quer um sorvete.
  • nível analógico (Intenção): Ele quer um sorvete.

Exemplo de comunicação incongruente: paradoxo

-Deixa-me sair um pouco esta noite, caminhar …

-Você mesmo, Andrea, você vai ver …

  • nível digital (Conteúdo): Deixe Andrea fazer o que ela quiser.
  • nível analógico (Intenção): Andrea deve fazer o que sua mãe quer.

Efeito bola de neve na comunicação

Carme (mensagem): Joan, sou fatal e o menino perdeu a sala.

Jeanne: O que você quer agora? Continuo trabalhando o dia todo e sinto que a sala está suja? Você não quer que eu peça, quer? Que ele vem e me limpa a sala às 10 horas da noite tem narizes …

Joan (na chegada): Carmen, você limpa a sala!

Um obstáculo nos relacionamentos

É precisamente o paradoxo que é uma das causas para as quais quando surgem problemas no casal, alude à falta de comunicação. Este é um sintoma que mostra que os dois membros não expressam suas intenções com clareza suficiente quando falam um com o outro.

Da mesma forma, é também o ponto de partida que abre caminhos para rupturas, porque a comunicação paradoxal não é um fato pontual, mas é arrastada para as conversas.

Exemplo 1 de comunicação paradoxal no namoro

-Ouça, você vai fazer alguma coisa na sexta?

-Sim, vou passear com o Carlos e a Fran.

-Ah, vale a pena …

“Você quer alguma coisa?”

-Não.

-O que você vai fazer?

-Vou ao cinema com a Joan.

-Tudo bem.

-Muito bom. Não fique bravo, hein?

-Não, não, se não estou com raiva.

-Adeus então.

-Mas escuta …

-Diga-me.

-Você está bravo?

-Através? Muito bem.

– Que se quiser eu digo a eles para deixarem para outro dia.

-Não, deixe-o.

-Claro que sim?

-Sim, você vê.

-Bem tudo bem, então não diga.

-Ah … Val, eh. Adeus.

Exemplo 2 de comunicação paradoxal no namoro

– Amanhã no final não posso ficar.

-Ui, ui … Ok, estou com raiva! E muito! jajjaj

-Não fique chateado … Não fomos mais bonitos?

-Claro que talvez quem não quer ficar sou eu …

-Bem, não ficamos, sem problema.

-Ninguém.

-Aí está você.

Além do que é falado, existe o que é dito

a paradoxo é caracterizado pela ambigüidade, dúvida nas intenções do outro. Deixa um vazio no diálogo entre as pessoas que vai crescer e avançar ao lado da comunicação em um processo de bola de neve. Até que entendamos algo, buscamos uma explicação, e esta explicação pode estar incorreta e nós a construímos como parte de nosso relacionamento com a pessoa. Diante de uma mensagem como “Sou fatal e a sala está suja”, podemos entender tanto uma intenção de consolo quanto um pedido de limpeza, ao qual nossa resposta seria muito diferente.

Mas se a comunicação paradoxal pode explicar por que os casais terminam, também explica por que eles não se formam. Normalmente, como casal, vocês conhecem a outra pessoa e podem recorrer ao conhecimento compartilhado para preencher o vazio do paradoxo. É assim sabendo como ele geralmente se relaciona com o outro pode entender qual é a sua intenção. No entanto, isso não acontece nas primeiras abordagens. Quando você começa a conhecer alguém, a pessoa está no meio de um processo de aprendizagem; aprender como o outro está relacionado e como eles se encaixam em sua própria maneira de se relacionar.

O papel das expectativas

A isso se somam outras características típicas das primeiras abordagens que levam a paradoxos. Uma delas é expectativas, Se você for aquela pessoa especial por compartilhar do seu próprio jeito. Antecipar resultados envolve mudanças na forma atual de comunicação com o outro, além de fazer com que as duas pessoas tenham intenções diferentes. Agora, embora pareça que comunicar intenções não deve ser um problema, o medo e a frustração parecem colocar uma pedra no caminho.

Dizer o que se espera da outra pessoa envolve confrontá-la, que pode não corresponder às expectativas dos outros. O medo e a frustração de que a outra pessoa não queira o mesmo que nós nos encorajam a manter nossas intenções em segredo. Além disso, um último fator é a vulnerabilidade, pois explicar as intenções é revelar esse segredo e, assim, sentir-se vulnerável.

Assim, expectativas, medo, frustração e sentimentos de vulnerabilidade levam ao surgimento de paradoxos. Esses fatores se juntam na exibição do namoro, onde a pessoa permanece tensa em uma dualidade abordagem-evitação. Ou seja, ao “divertir-se”, as intenções da outra pessoa são constantemente tentadas a verificar se concordam com as suas. À medida que nos comunicamos, sugerimos nossos desejos e testamos os do outro, dando-nos assim o conhecido jogo de nos aproximarmos e evitarmos uns aos outros.

Aprenda a gerenciar os paradoxos da comunicação

Conforme foi dito acima, nas primeiras etapas da formação do casal, suas próprias intenções ficam mais ocultas, favorecendo o surgimento de paradoxos. Uma vez que um ainda não conhece o outro, a presença de paradoxos pode fazer parte do aprendizado do modelo interacional.

É assim que o paradoxo pode ser entendido como específico da forma como nos relacionamos com o outro, tornando-se uma característica comum da comunicação com ele. Se ainda não sabemos nada um do outro, podemos concluir que essa forma de comunicação é característica do nosso tipo de relacionamento. Fugir dos paradoxos envolve uma sequência consecutiva de demandas que são ao mesmo tempo aproximação e evitação do outro e para as quais, façamos o que fizermos, não nos sentiremos bem, porque não sabemos se a outra opção foi melhor.

É assim que um joguinho cria um paradoxo que atrapalha a comunicação e faz com que ambos comecemos a caminhar sem saber para onde vamos ou que caminho escolher.

Referências bibliográficas:

  • Cenoz, J. e Valencia JF (1996). Competência pragmática: elementos linguísticos e psicossociais. Bilbao: Serviço de editoras da Universidade do País Basco.
  • Holtgraves, M. (2008). Linguagem como ação social. Psicologia social e linguagem. Estados Unidos: Psychology Press.
  • Watzlawick, P., Bavelas, B. e Jackson, D. (2008). Teoria da comunicação humana. Nova York: Herder.

Deixe um comentário