Como melhorar a comunicação familiar? 4 chaves

Os membros da família são caracterizados por terem passado muito tempo juntos, mas nem sempre é uma garantia de que há uma boa comunicação familiar.

Então … como você melhora esse tipo de comunicação?

O que queremos dizer com “família”

É essencial definir o termo família em torno do qual este artigo se baseia. A família não é apenas um grupo de pessoas que vivem juntas e compartilham laços de sangue e sobrenomes. É também algo mais do que uma organização de indivíduos cooperando uns com os outros.

A família deve ser entendida como uma comunidade, Como um grupo onde as relações entre os membros têm um caráter emocional profundo e fazem a diferença em relação a outros tipos de grupos.

Nessa perspectiva, as reações emocionais no contexto familiar são uma fonte constante de feedback sobre os comportamentos esperados. Nesse sentido, a família é um elemento de integração que pode criar espaços que permitem aos membros de desenvolvimento de uma relação de pertencimento e identificação. Essa adesão não é acidental ou temporária, ela é essencial, pois define o sujeito diante dele e da sociedade.

Por fim, deve-se destacar que a família é uma organização na qual seus membros devem compartilhar metas e objetivos comuns que gerem unidade e permitam o compartilhamento de papéis e responsabilidades. Portanto, é uma equipe.

modelos de comunicação

Os padrões de comunicação dos membros da família variam. Devem ser levados em consideração, pois existem diferenças importantes de origem geracional e isso pode levar a mal-entendidos, discrepâncias e distanciamentos por falta de conexão e compreensão, abrindo assim um abismo entre pais e filhos.

Isso pode ser devido, entre muitas razões, ao fato de que atualmente a maioria dos pais que pertencem ao famoso “baby boom” (1946 – 1964) desenvolveu-se principalmente com a televisão como meio e com os chamados “meios de comunicação de massa” (cinema, rádio e imprensa). A característica de todos é que o estilo de comunicação é informativo, vertical e unificado, ou seja, unilateral.

As diferentes tecnologias transmitindo certos valores, esta geração adquiriu a verticalidade e a organização hierárquica do discurso televisivo, adquirir o papel de receptorPortanto, acostume-se a ser um agente passivo no ato da comunicação.

A Geração da Internet

Por sua vez, os respectivos filhos pertencem à geração de novas tecnologias; alguns estudos chamam de “geração de rede”. As pessoas desta geração são capazes de ler imagens visuais (visualmente mais alfabetizadas), conseguem deslocar a sua atenção de tarefa para tarefa, o tempo de resposta é rápido e são geralmente pessoas curiosas e independentes.

Embora essa geração também tenha crescido interagindo com a televisão, seu foco está no computador e no celular. No ambiente da Internet, eles se movem como peixes na água, principalmente nas redes sociais. Nesses ambientes, a fala comunicativa é horizontal, multidirecional, ativa e imediata.

O impacto das novas tecnologias

Vivemos diariamente com uma miríade de dispositivos que nos permitem comunicar com aqueles que vivem longe, mas que, por sua vez, eles podem nos manter longe das pessoas mais próximas de nós. E é que todos nós vivemos cenas em que vários membros da família, permanecem atordoados olhando para uma tela sem falar uma palavra, piorando assim as relações interpessoais.

O diálogo é importante nas relações interpessoais e ainda mais na família. A comunicação é usada para estabelecer contato com as pessoas, para dar ou receber informações, para expressar ou compreender o que pensamos e para transmitir emoções. Resumindo, comunique nos une e nos liga com carinho e empatia.

Obviamente, não existe uma regra prática para a comunicação familiar. Cada família é um mundo e possui uma linguagem única. Porém, para melhorar a comunicação ou gerar fluidez na comunicação entre os seus membros e tendo em conta a diferença geracional, é aconselhável que haja vontade, interesse e disponibilidade principalmente dos pais, de forma a criar uma comunicação vivida intensamente por todos. .

Melhorar a comunicação familiar

O que podemos fazer para melhorar a comunicação na família? Para encurtar as distâncias entre as diferentes gerações e melhorar a comunicação e, em última instância, a coexistência, podemos aplicar as seguintes estratégias.

1. Tempos sem tecnologia

É importante marcar várias vezes ao dia em que nenhum dispositivo deve ser usado. Esses momentos que acontecem ao redor da mesa (café da manhã, almoço, chá da tarde e jantar) são ideais para promover uma comunicação fluida.

2. Lazer compartilhado

É importante procurar os momentos em que você pode compartilhar entretenimento. Pode ser tão fácil quanto assistir a um filme perfeito para todos na família. Isso gera uma união, não só física, mas também experiencial, evitando assim o isolamento de componentes familiares em diferentes cômodos. Assim, encorajamos um possível diálogo ou debate em torno do filme compartilhado.

3. Incentive o diálogo / debate

É fundamental aproveitar os momentos compartilhados para trocar impressões, ideias e opiniões sobre um assunto que desperte interesse. Fomentar o diálogo participativo de cada membro é vital, sempre respeitando as várias contribuições e permitindo espaços de confiança, segurança e pertença.

4. Interações

É importante mostrar interesse por cada membro da família imaginando como foi o dia dele ou o que o preocupa e / ou acontece com ele. Assim, incentivamos a comunicação direta, pessoal e humana e um melhor conhecimento da situação pessoal de cada membro da família.

A família é essencial e fundamental e, por isso, conhecer as preocupações do outro é fundamental para construir uma família unida pelo afeto e para se conhecerem bem.

Deixe um comentário