Como conversar bem mantendo o interesse dos outros: 6 chaves

Talvez uma daquelas habilidades fáceis de aprender que melhor nos ajuda ao longo de nossas vidas seja a capacidade de criar boas conversas.

Ser humano e um animal social, a diferença entre ser um falador capaz de gerar interesse ou não poder abrir muitas portas para nós. Afinal, como os outros gostam de nós depende mais da ideia que queremos transmitir, de como a transmitimos. Carisma e a capacidade de se conectar emocionalmente junto com outros, são recursos extremamente valiosos.


Portanto …como conversar bem, fazendo com que nossas intervenções sejam ouvidas com atenção por causa do impacto emocional que produzem? Aqui estão algumas dicas básicas sobre como fazer isso.

    Comunique-se bem e chame a atenção dos ouvintes

    Para valorizar a maneira como você participa das conversas, você só precisa fazer isso tornar o conteúdo claro e consistente e expressá-lo de uma forma que chame a atenção do ouvinte. Vamos ver como fazer.

    1. Conte uma história

    O início de uma conversa é quando decidimos, em grande parte, as chances de a outra pessoa ter interesse no que estamos dizendo. Portanto, é necessário fazer desde o início o que falamos para chamar a atenção, e é por isso que é bom começar com uma pequena história, Embora seja tão simples e curto que não parece.

    Por exemplo, se você quiser falar sobre o que você faz profissionalmente, em vez de reproduzir uma lista de tarefas que você está encarregado, explique em 10 ou 20 segundos como surgiu a ideia de trabalhar aqui e por que essa profissão é útil . ou corresponde aos objetivos que você tinha no início.

      2. Leve em consideração o nível cultural da outra pessoa

      Ao falar com alguém, você deve sempre ter em mente sua formação cultural, bem como seu tipo de formação.

      Apenas referir-se a algo desconhecido para o ouvinte durante uma explicação pode ser suficiente para que essa pessoa se desconecte e queira encerrar o diálogo, pois dessa forma está implícito que o tempo que passa ouvindo pode ser inútil se a mensagem não for entendida no final. Afinal, aquele que presume que o outro conhece esse artista ou filósofo pode cometer esse erro mais de uma vez nos próximos minutos; Por que continuar ouvindo e arriscar perder o fio da meada?

      Claro que nem sempre é possível saber logo de cara qual é a origem cultural do outro, por isso, nesses casos, é melhor se proteger e usar referências a pessoas ou a pessoas.

      3. Use referências familiares

      Este recurso é um dos mais úteis para manter o nosso interlocutor interessado no que dizemos ao longo de explicações relativamente longas ou com algum grau de complexidade. O truque é basicamente expressar o que queremos transmitir por meio de metáforas e analogias geralmente com base em algo que todos sabem: bits de conhecimento geral.

      Essas comparações servem para passar de explicações mais ou menos abstratas para imagens com uma poderosa capacidade de expressão. Então, apenas por mencioná-los, eles já transmitem muitas informações carregadas de emoção.

      Por exemplo, se você quiser expressar que alguém que você conhece vive para agradar aos outros e não gasta tempo consigo mesmo, pode dizer que ele se comporta como um herói com uma capa e uma espada. É uma imagem que por si mesma já expressa uma atitude e uma filosofia de vida que de outra forma demoraria mais para ser explicada, portanto, aproveitar essa comparação servirá para clarear o conteúdo em partes que podem ser muito longas.

      4. Crie expectativas com pausas

      Para ter uma boa conversa, precisamos dar às nossas palavras o valor que elas merecem e, para isso, precisamos aproveitar a profundidade expressiva que as pausas nos proporcionam.

      Uma vez que foi possível chamar a atenção da pessoa para um determinado assunto, os silêncios são outro recurso para manter esse interesse, porque simplesmente esperar para ver o que vamos dizer a seguir intensifica a sensação de estar sintonizado com algo importante. Isso se deve a um fenômeno conhecido como dissonância cognitiva: se não queremos admitir uma ideia constrangedora, coincidimos nossa interpretação da realidade com outra ideia que anula a anterior: “Não espero nada, o assunto. De real interesse para mim “

      Além disso, há outro motivo pelo qual é bom brincar com as pausas: fazem com que os interlocutores, quase involuntariamente, tentem “preencher” esse espaço vazio com a imaginação, escolhendo aquele que dirão então., Ou que palavras fariam. usar. De certa forma, os silêncios são questionáveis ​​e, claro, uma pergunta exige uma resposta.

      Você deve evitar cair em a armadilha de pensar que falar da maneira certa é fazê-lo o mais rápido possível. Em todo caso, pequenos momentos de silêncio colocam o outro no jogo de “pensar junto” conosco para criar sentido por meio do diálogo, pois as pausas dão a oportunidade de tentar antecipar o que será dito.

      5. Adote o ponto de vista do auditor

      Para conversar bem, você não precisa recitar um monólogo. Uma intervenção que chama a atenção é aquela que oferece a oportunidade de satisfazer pelo menos parte de nossa curiosidade, e uma boa maneira de fazer isso é adotar o ponto de vista do ouvinte, provocando em voz alta reações ou dúvidas de que outra pessoa tem de ouvir o que tu es. diga, e dê-lhes uma resposta.

      Desta forma, você não se limitará a expressar seu ponto de vista, mas você vai mostrar como as diferentes ideias se chocam e produzem conclusões. Claro, os ouvintes não precisam concordar com a maneira como você “responde”, mas pelo menos assim eles poderão ver que você tem amplo conhecimento do assunto e que considerou diferentes interpretações. Por outro lado, colocar-se no lugar de uma pessoa fictícia também ajuda a dar um toque mais afetivo e humano à conversa, o que sempre ajuda na hora de mostrar que o que está acontecendo no diálogo não é. Vida real.

      6. Preste atenção à linguagem não verbal de outras pessoas

      Quando você fala, a maior parte de sua atenção deve ser direcionada para o que você está comunicando. No entanto, é bom que você preste atenção em como as outras pessoas reagem com suas ações. Por aqui você será capaz de adaptar o que faz à maneira como os outros reagem. Em uma conversa, não há nada pior do que alguém ignorar completamente como os ouvintes estão se sentindo.

      Deixe um comentário