A transformação do casal após a maternidade

Um novo olhar integrador sobre as mudanças que ocorrem posteriormente nos casais os primeiros meses depois que o bebê chega em casa. Uma visão da sociedade com a qual pais e avós devem conviver. A inter-relação entre eles e as demandas que a vida atual exige e que funcionam como demandas difíceis de serem atendidas. Uma maneira de pensar sobre o que nos acontece por dentro, além do que já dissemos. Estas são algumas das ideias que são brevemente desenvolvidas neste artigo.

    O impacto psicológico da chegada do bebê

    Não somos mais o que costumávamos ser e isso é difícil de suportar, nossas ansiedades, as pressões do trabalho, tentar fazer as coisas direito, dizem, são algumas das questões que os pais hoje têm que lidar sem preconceitos, culpas ou estereótipos modelos. O convite é lançado encontre o seu próprio modelo, que se adapte a esta família e à sua singularidade.


    Muito se tem falado sobre a felicidade que acompanha a chegada de um bebê, também sobre as mudanças psicológicas e físicas do bebê, a mudança do corpo da mãe e a nova reconexão de ambos os pais com ele. Um corpo atravessado pela maternidade psicológica e pela biologia.

      Diferenças geracionais

      Milho e a transformação em casal, principalmente na geração mais prolífica da época, aqueles que estão na casa dos trinta um pouco mais hoje. A geração que decidiu encarar o projeto familiar está mais próxima dos quarenta. Uma geração que viajou, se divertiu, estudou e trabalhou sem se importar mais que consigo mesmo. Uma geração que, com razão, decidiu aproveitar a vida, que também foi incentivada pelos próprios pais, que sabiam que era bom ter essas experiências, mas que tiveram que esperar até que seus filhos crescessem para realizar esse desejo, que foi marcado pelo tempo.

      Hoje a contradição surge entre essas duas gerações coexistindo ao mesmo tempo. Claro que aproveitar a vida sem obrigações é bom, mas como tudo, tem consequências, e hoje eles enfrentam uma realidade na qual não haviam se aventurado. Uma realidade para a qual não têm modelo, justamente pela velocidade com que são geradas as mudanças de paradigma.

      E aqueles pais que estão juntos há algum tempo, que conhecem seus gostos e têm uma dinâmica que funciona, pelo menos até hoje?

      Muita coisa mudou desde os dias de quem hoje é ou será avó, quando à medida que as mudanças descritas no puerpério se tornaram visíveis, a sociedade tinha como certo que a mudança interna de transição no casal era óbvia. Hoje, a geração mais velha não entende como seus netos são bebês viajantes ou podem acompanhar seus pais ao trabalho.

        Uma mudança global

        Tudo muda e temos que nos adaptar aos tempos, e é assim que o mundo muda. Milho a chegada do bebê não é apenas a mudança puerperal, mas uma mudança de vida. Independente da ideia de paternidade e paternidade, a maior mudança vista e desprezada é a mudança de vida, que não é apenas cuidar do filho ou ter dificuldade para dormir ou voltar ao trabalho.

        É a mudança de identidade do casal, uma mudança mais profunda, onde esses jovens deixam de ser tais, no sentido de serem idênticos ao que eram, viajantes ou aqueles que aceitaram todos os convites dos amigos. Hoje eles estão surpresos, começam a se perguntar quem irá à reunião. Todos os três, apenas um? Ou como vão administrar essas saídas que, até pouco tempo atrás, eram comuns a eles e para as quais não precisavam de nenhum preparo.

        O que muda hoje é esse casal se tornar uma família, onde os dois tomarão decisões ou terão que brigar pelo lugar com o bebê (e haverá mais de um menino ou menina em casa). A questão é se eles serão capazes de se reconciliar como pais e bebê, ou um será pai ou mãe de dois.

        Várias vezes ela ouve sua mãe tomar este lugar e depois reclamar sobre isso. Isso se deve a não ter a discussão adequada sobre como lidar com limites, sair, passear com a família ou onde o bebê vai dormir. Isso resulta em dores psíquicas que podem ser resolvidas esclarecendo questões anônimas e não resolvidas.

        Tudo começa a se emaranhar, você vê problemas onde não há nenhum ou problemas diferentes. Ele se dá bem dificuldade em ser capaz de retomar a relação sexual ou falta de desejo de um ou ambos os pais antes que o bebê chegue, mas na verdade são todos esses problemas que se diluem sob a superfície, como se fosse um clichê onde se há puerpério os problemas são conhecidos.

          Foco no indivíduo

          Reduzir os sentimentos humanos, especialmente em tempos de crise e muito mais onde a identidade está em jogo, é um reducionismo em que não é bom cair. Somos muito mais do que estatísticas e cada casal vai viver como quiser ou como puder. Mas olhar um pouco abaixo da superfície, com um olhar integrador e menos estereotipado, pode nos dar uma saída mais rápida e satisfatória desses desagrados, para que permaneçam em um aprendizado e ferramenta útil de acomodação para o casal. , assim muitos outros precisarão de outros. É crescimento e bem-estar quando o assunto é saúde mental.

          Eu acho que é útil deixar os aglomerados de lado para cuidar de todos, cada indivíduo em sua singularidade, e que a palavra transmite uma sensação de exclusividade, porque é isso que somos, seres únicos com realidades diferentes, mesmo que a fase da vida que estamos passando pareça a mesma.

          Não quero dizer de forma alguma que recomendo que a mãe fique inativa. Acomodação de papéis, clarificação de normas, reconsideração de pontos de vista e prioridades acordados conjuntamente entre os dois genitores, exercitando a essência da paternidade, que é aliar a educação e a construção psíquica física e espiritual desse ser humano que espera dele o melhor ato de amor, que bem poderia ser um deles, para ensiná-lo a administrar a mudança, um bem insubstituível, dado pela mão de seus pais, ainda que sem dúvida venha a ser mencionado no futuro.

          Deixe um comentário