Auto-estima sexual: o que é, como nos afeta e como melhorá-la

A auto-estima afeta absolutamente todos os aspectos da vida, por isso não é surpresa que também influencie o domínio sexual. Na verdade, pode-se dizer que existe uma autoestima sexual, uma noção do que se valoriza quando se trata de sexo.

A autoestima sexual não diz respeito apenas aos relacionamentos, mas também influencia o prazer próprio.. Dependendo do bem ou do mal que percebemos nas questões sexuais, apreciaremos mais ou menos tudo relacionado a isso.

Abaixo, aprofundaremos um pouco a autoestima sexual, descobrindo como ela pode ser avaliada e o que podemos fazer para melhorá-la.

    O que é autoestima sexual?

    A auto-estima sexual pode ser entendida como a auto-estima que temos para diferentes problemas sexuais: como nos comportamos sexualmente, como nos sentimos à vontade com nosso corpo, como somos para os outros, o quanto merecemos prazer sexual…

    Refere-se à segurança e confiança na intimidade sexual, tendo muito a ver com bem-estar e amor próprio em termos de desempenho e percepção sexual. Esta é uma das condições necessárias para se sentir seguro e se divertir fazendo sexo.

    Quando nos sentimos seguros em nossos relacionamentos íntimos, é mais provável que os vivamos livremente., o que beneficiará tanto o nosso prazer quanto o da pessoa com quem estamos fazendo sexo. Isso é que é autoestima sexual: sentir-se confortável com seu corpo e as experiências que temos através dele em um domínio sexual e psicoemocional.

      Auto-estima sexual e insegurança sexual

      A insegurança no sexo é algo relativamente comum, especialmente em novas experiências. É normal sentir-se um pouco inseguro em determinadas situações relacionadas ao sexo e perceber que não temos muita experiência anterior, como introduzir uma nova prática, ter um novo parceiro sexual ou usar um novo brinquedo erótico.

      Quando a situação sexual é nova, é mais provável que venham à mente pensamentos que nos pregam peças. Por exemplo, podemos sentir que não temos experiência para atuar sexualmente em um determinado ambiente ou que gostaríamos de saber mais sobre a outra pessoa ou sobre nós mesmos para nos dar mais prazer. É precisamente nestas situações que o nível de auto-estima sexual é mais demonstrado. Quanto mais baixo, maior o medo e o medo da nova sexualidade.

      Outro problema muito importante que pode mostrar uma auto-estima sexual muito baixa que temos na insegurança relacionada à aparência física. Preferir a luz apagada durante o sexo, não se despir ou não mudar de postura podem ser indicadores de que a pessoa não está muito à vontade com seu corpo e não quer mostrá-lo, temendo que, se o parceiro sexual o vir, ela se afaste para fazer você quer continuar fazendo sexo.

        Como sabemos se temos baixa auto-estima sexual?

        Todo mundo tem, em maior ou menor grau, alguma auto-estima sexual. Está presente em todos os seres humanos, mas se manifesta em diferentes níveis. Alguns têm mais auto-estima sexual e alguns têm menos.

        Pessoas com baixa autoestima sexual podem ser vítimas de qualquer coisa um sistema de crenças negativo sobre seu desempenho sexual, que se manifesta na forma de múltiplos pensamentos ruins que os sabotam quando tentam desfrutar do plano sexual-afetivo.

        Entre os pensamentos de pessoas com baixa autoestima sexual, existem frases como as seguintes, que podem indicar exatamente esse problema.

        • “Eu não sou bom o suficiente na cama.”
        • “Ela definitivamente não quer ser deixada para trás.”
        • “Ele vai perceber que eu não aprecio isso.”
        • “Ele vai pensar que é culpa dele e vai me deixar.”
        • “Eu não sou atraente o suficiente para ser desejada.”

        É possível saber mais ou menos exatamente como está nossa autoestima sexual. Existem ferramentas que nos ajudam a avaliar esse construto, como a proposta por um estudo do “The Canadian Journal of Human Sexuality”. Consiste em um teste de 15 questões pontuadas de 1 a 5, variando de 1 equivalente a “discordo totalmente” e 5 “concordo totalmente”.

          1. Eu me considero bom no meu sexo.
          1. Acho que minhas habilidades sexuais são muito boas.
          1. Eu me expresso livremente em minhas relações sexuais.
          1. Eu confio no meu parceiro.
          1. Eu me sinto confortável falando sexualmente.
          1. Neste momento, sinto-me bem sexualmente.
          1. Não me considero uma pessoa muito boa para sexo.
          1. Minha vida sexual está no chão.
          1. Estou decepcionado com minha vida sexual.
          1. Não estou satisfeito com minha vida sexual.
          1. Não consigo parar de pensar em sexo.
          1. Eu me preocupo com sexo na maioria das vezes.
          1. Atualmente penso mais em sexo do que em outros tópicos.
          1. Eu penso muito em sexo.
          1. Agora, questões sexuais estão inundando minha mente o tempo todo.

        Uma vez que avaliamos cada item, podemos ver como está nossa autoestima sexual e outros aspectos relacionados. Especificamente, estas são as seis principais perguntas que avaliam nossa autoestima sexual e, se os avaliarmos com notas altas, significa que temos uma boa autoestima. Se, por outro lado, os classificamos com notas baixas, significa que há uma baixa autoestima sexual e devemos nos esforçar para tentar melhorá-la.

        Os itens de sete a dez referem-se à depressão sexual. Pontuações baixas nessas perguntas significam que não há depressão sexual, enquanto pontuações altas significam que sim e precisamos ter cuidado com o que sentimos. As perguntas de onze a quinze são sobre obsessão sexual, e quanto maior a pontuação, mais obsessão teremos.

          Como melhorar nossa auto-estima sexual?

          Felizmente, seja baixa auto-estima, depressão ou obsessão por tudo que é sexo, há uma solução para esses problemas. Uma série de orientações podem ser seguidas para melhorar nossa autoestima afetivo-sexual e, portanto, nosso prazer sexual.

          1. A realidade é diferente

          A base da autoestima elevada é se valorizar mais. Certamente há muitas coisas positivas que você tem que não percebe. Não estamos falando apenas de sexualidade, estamos falando de todos. A cada pequeno passo que você dá para se valorizar, um pequeno passo para uma maior auto-estima que também terá impacto na sexualidade.

            2. Aprenda e experimente com seu corpo

            Uma melhor auto-estima sexual é alcançada alimentando-a com conhecimento. Leia, aprenda e aprenda o máximo que puder sobre sexualidade. Use o que você aprendeu experimentando com seu corpo. Conhecer uns aos outros nos ajuda a explorar e entender melhor o que gostamos e o sexo.

            3. Não se compare com os outros

            As comparações podem ser odiosas, especialmente no domínio sexual. Como tudo na vida, cada pessoa é um mundo de sexualidade. Comparar-nos com os outros só nos irritará, nos frustrará e nos fará pensar que nunca seremos bons na cama. Isso não é uma competição, mas uma questão de prazer. Cada um tem seus gostos e seu jeito de curtir o sexo, sabendo o que é importante, não se é melhor ou pior que os outros.

            4. Atreva-se a praticar coisas novas

            A vergonha não é uma aliada nos problemas de cama. Tente deixar isso de lado e não tenha medo do que as outras pessoas vão pensar. Se você quer realizar um desejo ou praticar uma nova técnica de estimulação sexual, faça! Se você quiser fazer isso com seu parceiro, lembre-se de que primeiro você terá que comentar para ver se ele concorda e não aceita surpresa ruim.

              5. Aprenda a dizer “não” ao que você não gosta

              Se fizermos mais coisas que nos façam sentir bem, também devemos aprender a parar de fazer coisas que não gostamos. Se há uma proposta do nosso parceiro que não gostamos ou que nos deixa desconfortáveis ​​na cama, precisamos dizer “não” com confiança.. Isso se aplica não apenas ao domínio sexual, mas também a todos os aspectos da vida.

              6. Procure ajuda profissional

              A baixa autoestima sexual está ligada à baixa autoestima em geral, o que pode indicar uma questão mais profunda que permeia todos os aspectos de nossas vidas, não apenas o íntimo. Por isso é essencial procurar ajuda profissional, principalmente um psicólogo ou terapeuta sexual ajuda-nos a superar nossas inseguranças e medos.

              Referências bibliográficas

              • Arcos-Romero, AI, Moyano, N. & Sierra, JC (2018). Propriedades psicométricas da escala de avaliação do orgasmo no contexto da relação sexual em uma amostra espanhola, J Sex Med, 15(5): 741-749.
              • Arcos-Romero, AI, Granados, R., & Sierra, JC (2018). Relação entre a experiência do orgasmo e a excitação sexual: Validação do modelo da experiência subjetiva do orgasmo. Revista Internacional de Pesquisa de Impotência.
              • Calvillo, C., Sánchez-Fuentes, MM e Sierra, JC (2018). Revisão sistemática da satisfação sexual em casais do mesmo sexo. Revista Ibero-Americana de Psicologia e Saúde, 9, 115-136.
              • Safran, A. et ai. (2016). Orgasmo: perspectivas neurofisiológicas, psicológicas e evolutivas. Neurociências socioafetivas e psicologia.

              Deixe um comentário