Os 5 tipos de vírus e como eles funcionam

No que diz respeito aos seres vivos, não gera qualquer discussão indicando que um animal ou uma planta o é. O mesmo vale para fungos, algas e bactérias. Mas quando se trata de vírus, as coisas mudam. E é que esses agentes infecciosos estão quebrando as regras.

Primeiro, eles não são células, mas estruturas simples de proteínas, mas por dentro contêm material genético. Em segundo lugar, a única maneira de se reproduzir é por meio da infecção celular, usando suas ferramentas para esse fim. E terceiro, eles não precisam de energia porque não precisam de manutenção.


Para além da discussão em considerá-los como seres vivos ou não, existe uma variedade tanto no seu conteúdo como nas suas estruturas, o que permitiu identificar diferentes tipos de vírus. A importância de conhecê-los melhor está ligada ao seu papel como causador de doenças nos seres vivos, algumas mais graves que outras. Um melhor conhecimento permite preveni-los e tratá-los.

    Estrutura básica de um vírus

    Os vírus se distinguem acima de tudo por sua composição muito simples. É uma estrutura proteica, mais ou menos complexa dependendo da classe, que visa proteger o material genético que carrega, Enquanto atua como um veículo para ele.

    Cápsula

    A estrutura principal de todos os vírus é o capsídeo. Formado por um conjunto de unidades de proteína chamadas capsômerosQuando dentro, ele armazena as alterações do conteúdo genético em, digamos, nucleocapsídeo. O formato dessa moeda é um dos critérios para identificar os tipos de vírus.

    O nucleocapsídeo pode exibir simetria icosaédrica, Que é observado como uma forma esférica; simetria helicoidal, que é em forma de haste ou tubular; e de complexa simetria, além do nucleocapsídeo, possui uma estrutura protéica que é referida como um todo como uma cauda, ​​que atua como um suporte para facilitar a inserção do conteúdo no hospedeiro.

    para embrulhar

    No entanto, alguns vírus podem ter uma segunda camada, chamada de envelope, composta de lipídios. Sua presença ou ausência é outro critério utilizado para classificá-los.

    Tipos de vírus de acordo com seu material genético

    Ao contrário das células, o conteúdo genético desses agentes infecciosos é muito variado em classes e configurações, por isso é um bom ponto para uso em taxonomia. Largamente, existem dois tipos principais de vírus: Aqueles que contêm DNA como material genético e aqueles que armazenam suas informações como RNA.

    Vírus de DNA

    Tipos de vírus de DNA eles têm uma pequena cadeia de ácidos nucléicos que pode ser de cadeia simples ou dupla, ou seja, em cadeia ou em duas. Além disso, pode ser circular ou linear, tudo depende do vírus de que estamos falando. Esses são os vírus mais comuns. Por exemplo, a causa do herpes (Herpesviridae) tem conteúdo genético que vem na forma de DNA de fita dupla linear.

    Vírus de RNA

    Como você pode imaginar, a única diferença entre os vírus de RNA e outros está nos ácidos nucléicos. Acontece a mesma coisa: pode ser feito de uma ou duas cadeias e ser linear ou circular. Um exemplo bem conhecido é a família de retrovírus (Retroviridae), entre as doenças que podem causar essa AIDS. Nesse caso, apresenta seu material genético como RNA linear de fita simples.

      Dependendo do que eles infectam

      Nem todos os tipos de vírus têm afinidade pelos mesmos organismos ou células. Em outras palavras, alguns vírus afetam apenas animais e não plantas. Graças a isso, pode ser usado como critério para sua classificação. Nesse caso, ele se concentra em quem é seu convidado, existem três grupos:

      • Vírus animais.
      • Vírus de plantas.
      • vírus bacteriófagos (Eles atacam bactérias).

      O caso dos coronavírus

      recentemente o termo “coronavírus” tornou-se conhecido mundialmente como resultado da pandemia global causada por uma das espécies virais pertencentes a esta categoria. É a síndrome respiratória aguda grave coronavírus-2 (SARS-CoV-2), que produz a doença denominada COVID-19, pneumonia com uma taxa de mortalidade relativamente alta em humanos. Esta variante do patógeno foi descoberta na cidade chinesa de Wuhan, mas deste ponto de origem sofreu várias mutações.

      Mas, além desse caso, os coronavírus são tipos de vírus há muito conhecidos e, na taxonomia usada para classificar essas entidades biológicas, estão na família Coronaviridae, portanto, são considerados uma subfamília.

      Uma das características dessas espécies é que são vírus de RNA com um genoma mais longo, E pelas protuberâncias de sua superfície arredondada, que fazem com que seja vista ao microscópio, parecem levar uma coroa nas pontas. Por outro lado, a maioria das espécies de coronavírus não representam um perigo significativo para a maioria das pessoas.

      Como eles funcionam?

      Eu não poderia terminar este artigo sem explicar como os vírus funcionam genericamente. Viron (forma madura de vírus), localiza uma célula hospedeira, introduzindo com sucesso seu conteúdo genético em seu interior. Este material é inserido no DNA do núcleo, para que a célula pode transcrever suas informações e traduzi-las em proteínas que formam o capsídeo e outros. Também é possível replicar os genes do vírus, introduzindo-o em novos capsídeos e formando novos vírus que saem da célula infectada.

      Esta é uma forma genérica de falar sobre o ciclo de vida dos vírus; há uma infinidade de variáveis. Os exemplos citados como retrovírus devem primeiro transcrever seu conteúdo de RNA em DNA e fazer a fita complementar antes de serem inseridos, porque as células contêm seu material genético na forma de DNA de fita dupla.

      A causa dos vírus patogênicos se deve a essa inserção no DNA da célula, que pode translocar genes além de permitir que eles assumam o controle da célula por sua proliferação, o que o impede de funcionar adequadamente.

      Referências bibliográficas:

      • Breitbart, M. (2005). Existe um vírus aqui, existe um vírus, o mesmo vírus em todo lugar? Tendências em microbiologia. 13 (6): 278-284.
      • Dimmock, N..J.; Easton, AJ; Leppard, K. (2007). Sexta edição de Introdução à Virologia Moderna. Hoboken: Blackwell Publishing.
      • Rei, AM; Lefkowitz, E., Adams, MJ; Carstens, EB, (2011). Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus, União Internacional de Sociedades Microbiológicas. Virology Division (ed.). Nono relatório do Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus. Oxford: Elsevier.
      • Pennisi, E. (2011). Virando viral: explorando o papel dos vírus em nossos corpos. Science, 331 (6024): 1513.
      • Madigan, M.; Martinko, J. (2005). Brock Biology of Microorganisms New York: Prentice Hall.
      • Neuman, BW; Kiss, G.; Kunding, AH; Bhella, D.; Baksh, MF; Connelly, S.; et al. (2011). Análise estrutural da proteína M como um todo e da morfologia do coronavírus. Journal of Structural Biology. 174 (1): páginas 11 a 22.

      Deixe um comentário