Os 4 tipos de células sexuais

Os humanos, como a maioria dos outros animais, são organismos multicelulares que perpetuam nossa espécie por meio do tipo de reprodução que chamamos de sexual. Esse tipo de reprodução, que resulta no surgimento de indivíduos com características genéticas a partir de dois indivíduos, o que confere à espécie uma variabilidade muito maior do que a oferecida pela reprodução assexuada.

Para que a reprodução sexuada produza um novo ser, um certo tipo de célula terá que se fundir: células sexuais ou gametas. Esses são os que falaremos neste artigo.


    Gâmetas ou células sexuais

    Eles são chamados de gametas ou células sexuais de um certo tipo de célula que sua principal função é gerar um novo ser, Perpetuar espécies e genes progenitores.

    As células sexuais têm formas diferentes, sendo especificamente de dois tipos, a união será aquela que irá gerar o zigoto a partir do qual um novo indivíduo acabará por se desenvolver. O nome específico dessas células depende do tipo de coisa viva de que estamos falando, há um homem e uma mulher.

    Este tipo de célula tem metade dos cromossomos da espécie em questãoAlgo que, ao surgir, o novo ser antes da união ou fusão de duas células de dois indivíduos diferentes permite ao organismo organismo acabar tendo o mesmo número de cromossomos que seus progenitores, embora com algumas informações genéticas diferentes das anteriores. uns. Após sua união, ocorre a recombinação genética das informações genéticas das duas células, gerando um código genético único por meio dessa recombinação.

    No caso dos humanos, temos um total de 46 cromossomos divididos em 23 pares. Destes, 22 dos pares correspondem a cromossomos somáticos e são iguais independentemente do sexo. Contudo o par 23 difere entre homens e mulheresSão os cromossomos sexuais que marcam nosso sexo genético. Especificamente, o homem tem um cromossomo X e um cromossomo I, enquanto a mulher tem dois cromossomos X.

      Células sexuais em animais

      Quando falamos sobre sexo ou células sexuais, a primeira coisa em que pensamos é o tipo de reprodução e as células que temos, que também têm o resto da espécie animal: espermatozóides e óvulos.

      sêmen

      Espermatozóide nomeado em células sexuais masculinas, e que tem metade da informação genética necessário para formar um novo ser vivo. É um tipo de célula de tamanho muito pequeno, menor que o dos gametas femininos, e que se forma em grande número nos testículos dos machos de cada espécie.

      Para que a fertilização ocorra, é necessário que o espermatozoide se mova para o óvulo, dos quais apenas um (geralmente, embora haja exceções) conseguiu entrar no óvulo e combinar seu material genético com ele. É por isso que o espermatozóide apresenta adaptações morfológicas que permitem esse deslocamento.

      Sua morfologia básica é a seguinte:

      Podemos primeiro observar a existência de uma grande cabeça (a maior parte do esperma) em que podemos encontrar o núcleo, Em que pode ser encontrada a informação genética em questão, e o acrossomo ou a camada formada por várias enzimas que permitem que os espermatozoides entrem nos gametas femininos. Além disso, podemos encontrar diferentes substâncias que ajudam a nutrir e permitir a movimentação dos espermatozoides.

      A outra parte principal é a cauda ou flagelo, através do qual os espermatozoides podem se mover dentro do corpo da mulher até chegar ao óvulo. No interior, encontramos primeiro um pequeno pescoço através do qual se junta à cabeça, depois uma peça intermediária na qual podemos encontrar mitocôndrias diferentes, Que possibilitam a produção de energia suficiente (por meio das substâncias presentes tanto no próprio esperma como no restante do esperma) e, por fim, o flagelo ou parte final, que se move para permitir o deslocamento.

        ovos

        Os ovos são células sexuais femininas, que carregam metade da informação genética necessária para a gênese de um novo ser. É um tipo de grande célula, que tem a forma de uma esfera e que eles são produzidos pelos ovários de fêmeas de diferentes espécies.

        Os óvulos têm a característica de nem sempre estarem disponíveis para fecundação, existe todo um ciclo durante o qual um óvulo é produzido, amadurece, fica disponível para possível reprodução e se desprende em caso de não fecundação, ou seja, é o período menstrual ciclo. Ele é gerado cerca de uma vez por mês (na verdade, geralmente são 28 dias).

        Além disso, ao contrário dos espermatozoides, que estão presentes em grandes quantidades ao longo da vida, há apenas um certo número em cada mulher. Durante a própria reprodução, o óvulo permanece imóvel, até que os espermatozoides o alcancem e finalmente se unam para conseguir penetrar (caso isso seja conseguido).

        A estrutura desta célula é a seguinte, de dentro para fora:

        Em primeiro lugar, destaca o núcleo no qual está a informação genética que permitiria a formação de um novo ser para se ligar a um espermatozóide. Também encontramos o Vitelio dentro, Uma série de substâncias como reservatório de energia que permite ao zigoto sobreviver até que a placenta seja formada. Tudo isso seria envolto por uma membrana plasmática que limita a célula e pela qual podem entrar e sair elementos químicos que permitem que seu interior seja quimicamente equilibrado.

        Em torno da membrana uma camada protetora gelatinosa pode ser encontrada, chamada de camada pelúcida, Que atua como uma proteção ao permitir a entrada de um primeiro sêmen e eventualmente endurece para impedir a entrada de mais de um. Uma última camada mais externa é a coroa radiata. Isso será particularmente relevante para regular os hormônios sexuais e gerar a placenta em caso de fertilização.

        Células sexuais em plantas

        Espermatozóides e óvulos não são os únicos tipos de células sexuais que existem, sendo apenas de animais. Plantas e outras plantas também se reproduzem sexualmente em muitos casos, Sendo suas células sexuais, a oosfera e o pólen.

        a oosfera

        É chamada de oosfera no tipo de célula sexual feminina que tem a capacidade de se reproduzir sexualmente. Este tipo de célula pode ser encontrado dentro dos chamados rudimentos seminais localizado nos sacos embrionários das plantas, localizado nas flores.

        Como os ovos de animais, ele tem metade dos cromossomos do resto das células dos indivíduos pais. O pólen ou gameta masculino ao nível da planta entra em contato com ela através do estigma das flores.

        O cara polonês

        O pólen é o equivalente vegetal do esperma: a célula sexual masculina das plantas. São pequenas partículas na forma de grãos que se formam nos estames das plantas. Ele se liga à oosfera no processo conhecido como polinização (Para isso, eles precisam de vento ou da ajuda de animais.

        Esses grãos, cujo conteúdo é metade da informação genética necessária para produzir um novo ser, são estigmatizados e se ligam à oosfera. Para isso, uma vez no estigma, o pólen gera uma pequena extensão chamada tubo polínico para transportar seu material genético até a oosfera.

        Deixe um comentário