Microchimerismo: células de outras pessoas que vivem em nosso corpo

A maioria de nós sabe que durante a gravidez a mãe passa diferentes substâncias, como alimentos e oxigênio, para o feto. Eles permitem que o último se alimente e sobreviva. Nessa transmissão, o feto recebe células da mãe, que estão envolvidas em sua sobrevivência, crescimento e maturação.

Mas, desde o final da década de 1990, foi detectado que a transmissão da informação genética não é unidirecional, mas é possível verificar que as células do bebê também passam e interagem com as da mãe no corpo do bebê. Em outras palavras, algo chamado microquimerismo ocorre.


    Micoquimerismo: células em um corpo estranho

    O conceito de microquimerismo se refere à situação em que uma pessoa ou criatura ele tem células de outros indivíduos em seu corpo, Tenha em seu interior uma pequena porcentagem de DNA diferente do seu. Essas células estabelecem uma relação com a própria genética do sujeito, e um elo pode ser criado entre os dois tipos de células, resultando em consequências positivas e negativas.

    O microquimerismo ocorre tanto em humanos quanto em outras espécies animais, Como roedores ou cães. É um mecanismo que provavelmente já existe há milhões de anos, embora tenha sido descoberto no final do século passado.

    Microquimerismo natural

    Embora os primeiros sinais desse fenômeno tenham sido descobertos durante transplantes em animais, a microquímica que ocorre com mais frequência na natureza entre dois organismos multicelulares é que ocorre durante a gravidez.

    Durante a gravidez, mãe e filho estão ligados pelo cordão umbilical e pela placenta e, por meio dessa conexão, certas células trocam que passam para o corpo do outro e aí se integram. Suspeita-se que a incidência seja maior do que se pensava anteriormente e alguns especialistas consideram que ocorra em todas as gestações. Especificamente, constatou-se que já estavam a partir da quarta semana de gestação células fetais podem ser encontradas no corpo materno, E geralmente considera-se que a partir da sétima semana pode ser identificado em todas as gestações.

    Essa relação entre as células da mãe e do filho não é transitória e se perde alguns meses ou anos após o parto: a presença de células da criança no corpo da mãe foi observada até mais de vinte anos após o nascimento. Essas células crescem por todo o corpo, são encontradas no coração, fígado ou mesmo no cérebro e interagem com as próprias células do indivíduo.

    Células do outro organismo eles se encaixam em suas próprias estruturas e tecidos, Incluindo o sistema nervoso. Diferentes especialistas questionam o efeito que essas células podem ter sobre o comportamento, podendo também estar associado ao surgimento do afeto mãe-filho. Pode-se especular que parte do próprio DNA está no outro pode implicar em um maior índice de proteção no nível comportamental, gerando um maior nível de vínculo e a percepção de maior similaridade.

    É importante que a gravidez nem precise ser bem-sucedida para que essa troca celular ocorra: mesmo em mulheres que perderam seus bebês constatou-se a existência de células com um DNA diferente, que parece corresponder ao do bebê.

    Até o momento, os estudos geralmente foram realizados em mães que deram à luz filhos do sexo masculino. Não é que o microquimerismo não ocorra entre mãe e filha, mas é muito mais fácil localizar células com cromossomo sexual I em um corpo feminino em vez de tentar diferenciar duas células XX.

      Efeitos na mãe

      Pode ser lógico pensar que na interação que se dá entre mãe e filho, serão as células da mãe que proporcionarão efeitos benéficos ao bebê, pois o corpo da mãe já está formado e o da mãe. . Mas a verdade é que a transmissão de células do bebê para a mãe também pode ter grandes efeitos na sua saúde.

      Foi demonstrado que as células fetais, por exemplo, costumam ajudar a curar feridas e lesões internas, bem como reduzir os sintomas de distúrbios como a dor na osteoartrite, tanto durante a gravidez como a longo prazo. Também melhora o sistema imunológico e facilita o desenvolvimento de futuras gestações.

      Também foi proposto que a presença dessas células pode ajudar a explicar porque as mulheres têm maior capacidade de resistência e maior expectativa de vida, observando que muitas mulheres que deram à luz e possuíam essas células microquímicas geralmente têm uma expectativa de vida melhor (possivelmente devido a uma melhora no sistema autoimune, embora isso seja atualmente apenas especulação). Também foi descoberto que reduz a probabilidade de câncer e que eles tendem a participar na regeneração de tecidos, Observando sua implicação na cura de doenças cardíacas ou hepáticas.

      No entanto, o microquimerismo também pode ser afetado negativamente. Observou-se que o sistema imunológico de algumas mulheres reage a essas células como se fossem invasoras, associando-as ao aparecimento de certas doenças autoimunes. Estes são mais comuns na mãe do que no feto. Eles também podem estar ligados a certos tipos de câncer, Embora sua própria existência seja fator de proteção contra esse tipo de doença.

        Efeitos no bebê

        A transmissão das células-tronco torna o corpo do feto muito importante para ele. Curiosamente, é a microquímica que tem recebido menos atenção, concentrando-se mais nos efeitos dessa transmissão na mãe. Uma explicação provável para isso é a dificuldade de estabelecer diferenças entre o que o próprio organismo e as células do sujeito fazem per se e a influência específica das células-tronco.

        Foi detectado que a presença de células-tronco no corpo do filho ou filha, por exemplo, ajuda crianças com diabetes para lutar contra sua condição. Por outro lado, essa transmissão também tem sido associada ao aparecimento de doenças como imunodeficiência grave, síndrome do lúpus neonatal, dermatomiosite e atresia biliar.

        microquimerismo adquirido

        Como indicamos, o microquimerismo ocorre naturalmente durante a gravidez, é a principal forma de microquímica que existe, mas além disso durante este processo é possível encontrar este fenômeno em outros tipos de situações, ser capaz de falar de um microquimerismo adquirido.

        Estamos falando de transplantes de órgãos e tecidos ou transfusões de sangue, nos quais uma parte ou produto de um organismo é inserido em outro. O sangue ou órgão doado contém o DNA do doador, que entra e interage com o corpo do sujeito que este órgão recebe. Nesse caso, a relação não é simbiótica entre os indivíduos, pois é o destinatário da doação quem recebe as vantagens e desvantagens desse fenômeno.

        Porém, esse tipo de microquímica tem seus riscos, assim como o corpo ele pode reconhecer o DNA de outras pessoas como algo externo que o invade e reagem atacando, resultando na rejeição do órgão, tecido ou sangue. Por isso, é importante levar em consideração a compatibilidade grupo sanguíneo e doador-receptor, bem como o uso de medicamentos para evitar que ocorra essa rejeição.

        Para tal, deve ser utilizada a administração de fármacos que reduzem o papel dos linfócitos T alorreactivos (i.e. linfócitos que reagem à presença de outro DNA que não o mesmo), de modo a facilitar a tolerância de emergência do enxerto. Uma maneira comum de fazer isso é inibir a replicação desses linfócitos.

        Referências bibliográficas:

        • Carter, A. e Fuggle, S. (1999). Detecção de microquimerismo após transfusão de sangue e transplante de órgãos sólidos: um equilíbrio delicado entre sensibilidade e especificidade. Transplant Reviews, 13, 98-108.
        • Khosrotehrani, K.; Johnson, KL; Cha, DH; Salomon, RN e Whites, DW (2004). Transferência de células fetais com potencial multilinear para o tecido materno. Journal of the American Medical Association 292 (1): 75-80.
        • Quirós, JL e Arce, IC (2010). Microquímica natural Os humanos existem com genomas múltiplos? revisão bibliográfica. Medicina Legal da Costa Rica, 27 (1). Heredia, Costa Rica.
        • Rodriguez-Barbosa, JI; Domínguez-Perles, R.; do rio, ML; Peñuelas, G.; Valdor, R.; Polícia, C.; Muñoz, A.; Ramírez, P.: Pons, JA e Parrilla, P. (2004). Indução de tolerância durante o transplante de órgãos sólidos. Gastroenterology and Hepatology, 27 (Suppl. 4): 66-72. Elsevier.
        • Rowland, K. (2018). Somos multidões. Eó.

        Deixe um comentário