Metemoglobinemia (pessoas azuis): sintomas, causas e tratamento

Nossa pele é um órgão que muitas vezes é subestimado e reconhecido, Que protege nosso corpo contra muitos elementos nocivos, como bactérias, fungos e radiação solar.

Essa parte importante do nosso corpo, no entanto, além de nos proteger às vezes também nos alerta para a presença de alterações em outras áreas do nosso corpo que podem ter graves implicações para a saúde. É o caso, por exemplo, da icterícia, em que a pele adquire tons amarelados.


Outro dos distúrbios em que aparece uma coloração anormal da pele é metemoglobinemia, uma alteração da origem do sangue em que a pele fica azulada e dependendo do tipo pode ter consequências fatais.

    Metemoglobinemia: o que é e sintomas

    Chamamos de metahemoglobinemia um estranho distúrbio sangüíneo caracterizado pela presença de um nível excessivo de um subtipo de hemoglobina denominado metahemoglobina. Este tipo particular de hemoglobina não tem a capacidade de transportar oxigênio, E ao mesmo tempo interfere na hemoglobina, que é capaz de fazer isso de tal forma que esta não consegue liberá-la normalmente em diferentes órgãos e tecidos. Isso reduz a oxigenação do corpo.

    Um dos sintomas mais óbvios e facilmente visíveis desse distúrbio é a cianose, ou descoloração azulada da pele (embora os tons possam variar, geralmente é uma cor azulada intensa). Isso provavelmente se deve à já mencionada diminuição da oxigenação do corpo.. E não só a pele: o sangue também muda de cor, perdendo o vermelho característico à medida que fica marrom.

    No entanto, a descoloração da pele não é o único problema que pode surgir: se o excesso de metemoglobina for muito, a falta de oxigênio no resto do corpo pode levar a problemas de órgãos e até à morte. Não é incomum o aparecimento de problemas respiratórios, o que costuma ser uma das principais causas de hospitalização.

    Além do acima, dependendo do tipo de metemoglobinemia podemos sentir dores de cabeça, fadiga, convulsões e problemas respiratórios com potencial fatal (no caso de causas adquiridas) ou aparecimento de deficiência intelectual e atrasos na maturação no caso de metemoglobinemia congênita tipo 2 que discutiremos mais tarde.

      Tipologias de acordo com suas causas

      As causas do aparecimento desse transtorno podem ser múltiplas e podem aparecer tanto congênitas quanto adquiridas.

      Metahemoglobinemia adquirida é a mais comum e geralmente ocorre derivado do consumo ou exposição a drogas oxidantes ou produtos químicos como nitrato de bismuto, bem como itens usados ​​para tratar certas doenças como nitroglicerina ou certos antibióticos.

      Já a metemoglobinemia congênita, geralmente se deve à transmissão gênica ou ao aparecimento de certas mutações. Podemos encontrar dois tipos básicos.

      O primeiro deles é gerado pela herança genética de ambos os pais, sendo ambos portadores (embora a maioria não expresse a doença) uma mutação em certos genes que causa um problema com a enzima citrocromo b5 redutase. Esta enzima não funciona corretamente no corpo, causando oxidação da hemoglobina.

      Neste tipo de metemoglobinemia congênita podemos encontrar dois tipos principais: metemoglobinemia congênita tipo 1 é que a enzima citada não aparece nas hemácias do corpo e tipo 1 em que a enzima não aparece diretamente no lugar do corpo.

      A outra opção nas metahemoglobinemias congênitas é a chamada doença da hemoglobina M, em que essa alteração aparece porque a hemoglobina está estruturalmente alterada na base. Nestes casos, somos confrontados um distúrbio autossômico dominante em que apenas um dos pais é portador do gene e passá-lo para gerar a mudança (algo semelhante ao que acontece com a Coreia de Huntington).

      Tratamento desta condição

      Embora pareça difícil de acreditar, a metemoglobinemia é uma condição médica que tem tratamento curativo em alguns casos.

      Na maioria dos casos, o prognóstico é positivo e o paciente pode se recuperar totalmente. O tratamento consiste principalmente em gerar uma redução nos níveis de metemoglobina e um aumento na hemoglobina com capacidade de transporte de oxigênio, injeção de azul de metileno (Exceto em pacientes com risco de deficiência de G6PD, nos quais pode ser perigoso) ou outras substâncias com efeito semelhante.

      Se isso não funcionar, você pode usar o tratamento da câmara hiperbárica. A ingestão de vitamina C também pode ser útil, embora seu efeito seja menor.

      No caso de metemoglobinemia adquirida, também é necessária a remoção da substância que causou a alteração. Os casos leves podem não exigir mais do que isso, mas em pessoas com problemas respiratórios ou cardíacos, se o tratamento descrito acima for necessário.

      As mudanças com esses tratamentos podem ser dramáticas, Mudança de alta velocidade na cor da pele.

      Porém, no caso da metemoglobinemia congênita tipo 2 a doença é muito mais complicada e seu prognóstico muito mais grave, sendo comum na morte do menor nos primeiros anos.

      Referências bibliográficas:

      • Hoffman R, Benz EJ Jr, Silberstein LE, Heslop HE, Weitz JI, Anastasi J, eds. Hematologia: princípios básicos e prática. 6ª ed. Filadélfia, PA: Elsevier Saunders; 2013: Capítulo 41. Disponível em: https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/000562.htm
      • Goldfrank, R. L, (2006). Emergências toxicológicas Goldfrank. 8º. Editando. Nova york. ESTADOS UNIDOS.
      • Roman, L. (2011). Mulher de 18 anos com metahemoglobinemia após uso de creme anestésico tópico. Journal of the Clinical Laboratory, 4 (1): 45-49.

      Deixe um comentário