Alvéolos pulmonares: características, funções e anatomia

No ponto mais distal da árvore brônquica encontram-se pequenas estruturas agrupadas em forma de cachos de uvas essenciais à nossa vida: os alvéolos dos pulmões.

Eles provocam as trocas gasosas da respiração, permitindo a entrada de oxigênio em nosso corpo e a expulsão do dióxido de carbono tóxico, além de desempenhar outras funções.


Abaixo, veremos em profundidade o que são os alvéolos pulmonarescomo é sua anatomia, quais células as compõem e como realizam as trocas gasosas.

    Quais são os alvéolos dos pulmões?

    Os alvéolos dos pulmões são estruturas microscópicas na forma de sacos de ar encontrados em nossos pulmões, nas extremidades de outras estruturas, os bronquíolos. Eles são frequentemente representados na forma de uma framboesa ou um cacho de uvas. Cada alvéolo mede aproximadamente 0,2 a 0,5 mm de diâmetro e é delimitado por uma parede de células muito finas chamadas pneumócitos. Em média, um adulto tem mais de 500 milhões de alvéolos que, se esticados, ocupariam uma área de 80 metros quadrados, o equivalente a uma quadra de tênis.

    O sistema respiratório humano é composto por várias estruturas, cada uma com funções específicas. Por exemplo, o sistema de condução é aquele que permite a passagem do ar de fora para dentro do corpo e vice-versa, sendo formado pela cavidade e as narinas, os seios paranasais, a faringe, a laringe, a traqueia, os brônquios e bronquíolos. Os alvéolos eles estão localizados na extremidade mais distal do sistema de conduçãomais precisamente no final dos bronquíolos respiratórios, agrupados em sacos alveolares ou ácinos.

    As funções respiratórias dos pulmões são amplamente determinadas pelos alvéolos, microestruturas que representam mais de 90% do seu volume total e que constituem o parênquima pulmonar. Através da parede dos alvéolos, ocorrem as trocas gasosas entre o ar inspirado e o sangue que circula nos capilares sanguíneos que se encontram nas paredes finas que formam os bronquíolos.

    Algumas doenças respiratórias atingem gravemente os alvéolos, como a asma ou a tuberculose, condições que dificultam muito a qualidade de vida da pessoa afetada se não receber tratamento adequado.

      Anatomia alveolar

      Os alvéolos dos pulmões são encontrados em sacos alveolares ou sacos alveolares, cachos ou cachos semelhantes a framboesas., um cacho de uvas ou um favo de mel. Eles são definidos como as unidades finais cegas localizadas após um bronquíolo de transição, ou seja, onde termina um bronquíolo terminal e começa um bronquíolo respiratório. Dentro de cada ácino, todos os dutos ou canais de ar têm alvéolos presos às suas paredes, participando tanto da condução quanto das trocas gasosas. Aproximadamente um pulmão humano adulto contém 30.000 ácinos.

      Podemos descrever os alvéolos como sacos estruturais poliédricos que, como mencionado, possuem diâmetro entre 0,2 e 0,5 mm. As células são separadas umas das outras por um septo. O ar que entra nos alvéolos de um ácino pode ser transferido para outros alvéolos do mesmo saco por meio de pequenos poros, pois os alvéolos que compõem um saco alveolar estão fortemente conectados uns aos outros.

      Os capilares pulmonares passam pelos septos. Esses ductos são ramos finos das artérias pulmonares, nas quais circula sangue rico em dióxido de carbono (CO2) e pobre em oxigênio (O2). O destino desse sangue é a troca gasosa. Esses septos ou paredes alveolares são muito finos, com apenas 0,5 mm de espessura, formados por uma fina camada de tecido conjuntivo que contém componentes da matriz extracelular e diferentes tipos celulares.

      As paredes alveolares, mais conhecidas como membranas respiratórias, servem como barreira entre o ar contido nos alvéolos e o sangue.. Consiste em células alveolares escamosas, células endoteliais capilares escamosas e uma membrana basal.

        Tipos de células alveolares

        Existem três tipos de células que podem ser demonstradas nos alvéolos dos pulmões.

        Pneumócitos tipo I

        Pneumócitos tipo I ou células escamosas alveolares são as células mais abundantes na superfície dos alvéolos, cobrindo cerca de 95% de sua superfície. São células finas e largas, cujas paredes finas permitem uma rápida difusão entre o ar e o sangue, facilitando a troca de gases nos alvéolos.

          Pneumócitos tipo II

          Pneumócitos tipo II ou pneumócitos granulares são células cúbicas, com microvilosidades apicais e abundante retículo endoplasmático rugoso e aparelho de Golgi. Ocupam cerca de 5% da superfície da célula. Eles não interferem nas trocas gasosas em si, mas ajudam a tornar a respiração possível, facilitando a distensão e a recuperação do tamanho dos alvéolos.

          Os pneumócitos tipo II têm duas funções:

          • Repara o epitélio alveolar quando as células escamosas são danificadas.
          • Secretam surfactante pulmonar.

          O surfactante é composto de fosfolipídios e proteínas que “abrigam” tanto os alvéolos quanto os pequenos bronquíolos. para evitar acúmulo de pressão e colapso alveolar durante a expiração. Sem o surfactante, as paredes dos sacos de ar desinflados podem desmoronar como se fossem folhas de papel molhadas, tornando muito difícil reabastecê-los na próxima inalação.

            Macrófagos alveolares

            As células pulmonares mais numerosas são os macrófagos alveolares, também chamados de células de poeira.. Essas células deslizam entre o lúmen alveolar e o tecido conjuntivo, limpando a superfície de qualquer agente estranho por fagocitose. Sua função é comer partículas de poeira, pólen ou outros agentes estranhos que possam ter passado pelas partes superiores do trato respiratório. Se os pulmões estão infectados ou sangrando, os macrófagos são responsáveis ​​pela fagocitose de bactérias e células sanguíneas.

            Todos os dias, 100 milhões de macrófagos alveolares morrem nos ductos alveolares e através da escada mucociliar, para serem engolidos pelo esôfago e digeridos como parte do processo de remoção da sujeira dos pulmões.

              Suas principais funções

              Os alvéolos são as estruturas mais distais do sistema respiratório, o que os faz realizar funções de vital importância para a respiração externa. Entre eles destacamos:

              • Aumentam a superfície de troca gasosa.
              • Facilitam as trocas gasosas entre o ar e o sangue.
              • Eles se expandem após a inalação para se encherem de ar rico em O2.
              • Eles se contraem durante a expiração para esvaziar o ar rico em CO2.
              • Seus macrófagos nos protegem de substâncias nocivas, partículas e microorganismos.

              A seguir, vamos nos aprofundar em sua principal função no processo de trocas gasosas.

                troca gasosa

                A respiração é um processo essencial para a maioria dos seres vivos e para as células que os compõem. Respirar não é apenas introduzir oxigênio suficiente em nosso corpo para mantê-lo vivo e permitir que ele continue desempenhando várias funções vitais, mas também envolve também a eliminação de produtos residuais produzidos pelo metabolismo. Se não forem eliminados, podem se acumular e causar sérios danos ao organismo.

                O que chamamos de respiração, na verdade, compreende três processos diferentes, mas funcionalmente relacionados: ventilação, utilização de oxigênio no nível celular e trocas gasosas.

                A ventilação é o processo mecânico que permite o movimento do ar externo rico em oxigênio para os pulmões; e o movimento do ar interno, rico em dióxido de carbono, para fora, empurrando-o para fora dos pulmões.

                Com o uso de oxigênio nos referimos a todas as reações químicas, típicas do metabolismo celular, que ocorrem graças à presença desse gás e através das quais é obtida a energia necessária para manter os processos celulares e corporais. .

                Como apresentamos em nas seções anteriores, a troca gasosa é a troca de oxigênio e dióxido de carbono entre sangue e ar nos pulmões e entre sangue, órgãos e tecidos.

                Especificamente, os alvéolos dos pulmões participam das trocas gasosas da respiração. O ar que entra nos pulmões durante a inspiração é rico em oxigênio, com níveis de concentração desse gás superiores aos do sangue que circula nos capilares sanguíneos das paredes alveolares. É graças às diferenças na concentração de oxigênio entre o ar inalado e o sangue que permitem que o O2 se espalhe pela corrente sanguínea.

                Quando as células do nosso corpo recebem oxigénio do sangue (por difusão), utilizam-no para obter energia que pode ser utilizada para desempenhar diferentes funções, das quais depende a nossa vida. Essa energia vem em muitas formas, como ATP e moléculas relacionadas.

                O problema com o metabolismo celular, no qual o oxigênio é usado, é que sempre há produtos residuais. Não é um processo completamente limpo, pois produz um gás residual: CO2. O acúmulo de dióxido de carbono nas células e tecidos é muito tóxico para o nosso corpo, por isso deve ser eliminado. As células se livram do CO2 jogando-o no sangue, de onde será expelido do corpo durante a expiração.

                Desta forma, as células trocam O2 por CO2 com o sangue. Quando isso acontece, a concentração de gás tóxico no sangue aumenta, ultrapassando o nível de concentração de CO2 no ar. Assim, quando o sangue chega aos alvéolos, ele troca seu CO2 por O2 externo, fazendo com que as concentrações também mudem.

                Referências bibliográficas

                • Anne M Gilroy, Brian R MacPherson, Lawrence M Ross e Michael Schuenke, Atlas of Anatomy, 2ª Edição, Thieme.
                • Kenneth Saladin, Anatomia e Fisiologia: A Unidade de Forma e Função, 6ª Edição, McGraw-Hill Science/Engineering/Math.
                • Knudsen, L; Ochs, M (dezembro de 2018). “A micromecânica dos alvéolos pulmonares: estrutura e função do surfactante e componentes do tecido”. Histoquímica e Biologia Celular. 150 (6): 661-676. doi:10.1007/s00418-018-1747-9
                • Ochs M, Nyengaard JR, Jung A, Knudsen L, Voigt M, Wahlers T, Richter J, Gundersen HJ: O número de alvéolos no pulmão humano. Am J Respir Crit Care Med. 1º de janeiro de 2004; 169 (1): 120-4.

                Deixe um comentário