Tipos de hipóteses em pesquisa científica (e exemplos)

Existem diferentes tipos de hipóteses na pesquisa científica. Da hipótese nula, geral ou teórica, às hipóteses complementares, alternativas ou de trabalho.

    O que é uma hipótese?

    Mas, O que exatamente é uma hipótese e para que serve? As hipóteses especificam as características e possíveis resultados que podem existir entre certas variáveis ​​que serão estudadas.


    Usando o método científico, um pesquisador deve tentar verificar a validade de sua hipótese inicial (ou principal). Isso geralmente é chamado de hipótese de trabalho. Outras vezes, o pesquisador tem várias hipóteses complementares ou alternativas em mente.

    Se examinarmos essas hipóteses de trabalho e alternativas, encontramos três subtipos: hipóteses atributiva, causal e associativa. Os pressupostos gerais ou teóricos são usados ​​para estabelecer uma relação (negativa ou positiva) entre as variáveis, enquanto os pressupostos de trabalho e alternativos são aqueles que quantificam efetivamente esta relação.

    Por outro lado, a hipótese nula é aquela que reflete a ausência de vínculo apreciável entre as variáveis ​​estudadas. Caso não seja possível verificar que as hipóteses de trabalho e as alternativas são válidas, a hipótese nula é aceita como correta.

    Embora os itens acima sejam considerados os tipos mais comuns de premissas, também existem premissas relativas e condicionais. Neste artigo, aprenderemos sobre todos os tipos de hipóteses e como são usadas na pesquisa científica.

    Para que servem os pressupostos?

    Qualquer estudo científico deve ser iniciado levando em consideração uma ou mais hipóteses que se destina a confirmar a refutação.

    Uma hipótese nada mais é do que uma conjectura que pode ou não ser confirmada por estudos científicos. Em outras palavras, as hipóteses são a forma como os cientistas abordam o problema, possibilitando relações entre variáveis.

    Tipos de premissas usadas em um estudo científico

    Vários critérios podem ser seguidos para classificar os tipos de hipóteses usadas na ciência. Iremos conhecê-los abaixo.

    1. Hipótese nula

    A hipótese nula refere-se ao fato de não haver relação entre as variáveis ​​estudadas.. É também chamada de “hipótese de não relação”, mas não deve ser confundida com uma relação negativa ou inversa. Simplificando, as variáveis ​​estudadas não parecem seguir nenhum padrão particular.

    A hipótese nula é aceita se o estudo científico levar a um trabalho não observado e a hipóteses alternativas.

    Exemplo

    “Não há relação entre a orientação sexual das pessoas e seu poder de compra.”

    2. Suposições gerais ou teóricas

    Hipóteses gerais ou teóricas são aquelas que os cientistas estabelecem antes do estudo e conceitualmente, Sem quantificar as variáveis. Normalmente, a hipótese teórica surge do processo de generalização por meio de algumas observações preliminares sobre o fenômeno que se deseja estudar.

    Exemplo

    “Quanto mais alto o nível de educação, mais alto você é.” Existem vários subtipos de hipóteses teóricas. As suposições de diferença, por exemplo, afirmam que há uma diferença entre duas variáveis, mas não medem sua intensidade ou magnitude. Exemplo: “Na Faculdade de Psicologia há mais alunos do que alunos.

    3. Hipótese de trabalho

    A hipótese de trabalho é aquela usada para tentar demonstrar uma relação concreta entre as variáveis por um estudo científico. Essas hipóteses são verificadas ou refutadas por um método científico, por isso às vezes também são chamadas de “hipóteses operacionais”. Geralmente, as hipóteses de trabalho decorrem da dedução: a partir de certos princípios gerais, o pesquisador assume certas características de um caso particular. As hipóteses de trabalho têm vários subtipos: associativo, atributivo e causal.

    3.1. associativo

    A hipótese associativa especifica uma relação entre duas variáveis. Nesse caso, se sabemos o valor da primeira variável, podemos prever o valor da segunda.

    Exemplo

    “Há duas vezes mais alunos matriculados no primeiro ano do ensino médio do que no segundo ano do ensino médio.

    3.2. Atributivo

    A hipótese atributiva é aquela usada para descrever os fatos que ocorrem entre as variáveis. É usado para explicar e descrever fenômenos reais e mensuráveis. Este tipo de hipótese contém apenas uma variável.

    Exemplo

    “A maioria dos sem-teto tem entre 50 e 64 anos.

    3,3. Causal

    A hipótese causal estabelece uma relação entre duas variáveis. Quando uma das duas variáveis ​​aumenta ou diminui, a outra aumenta ou diminui. Portanto, a hipótese causal estabelece uma relação de causa e efeito entre as variáveis ​​estudadas. Para identificar uma hipótese causal, uma relação de causa e efeito ou uma relação estatística (ou probabilística) deve ser estabelecida. Também é possível verificar essa relação refutando explicações alternativas. Essas suposições seguem a premissa: “Se X, então I.

    Exemplo

    “Se um jogador praticar 1 hora adicional por dia, sua porcentagem de arremessos bem-sucedidos aumenta em 10%.”

    4. Hipóteses alternativas

    As hipóteses alternativas tentam oferecer uma resposta à mesma questão que as hipóteses de trabalho.. No entanto, e como pode ser deduzido de seu nome, a hipótese alternativa explora diferentes relações e explicações. Dessa forma, é possível estudar diferentes hipóteses durante o mesmo estudo científico. Esse tipo de hipótese também pode ser subdividido em atributiva, associativa e causal.

    Mais tipos de hipóteses usadas na ciência

    Existem outros tipos de hipóteses que são menos comuns, mas também são utilizadas em diferentes tipos de pesquisa. Eles são os seguintes.

    5. Suposições relativas

    Hipóteses relativas fornecem evidências para a influência de duas ou mais variáveis em outra variável.

    Exemplo

    “O efeito do declínio do PIB per capita sobre o número de pessoas que se beneficiam de pensões privadas é menor do que o efeito do declínio dos gastos públicos sobre a taxa de desnutrição infantil.”

    • Variável 1: diminuição do PIB
    • Variável 2: diminuição do gasto público
    • Variável dependente: quantidade de pessoas que possuem plano de previdência privada

    6. Suposições condicionais

    Hipóteses condicionais servem para enfatizar que uma variável depende do valor de duas outras. Este é um tipo de hipótese muito próxima das hipóteses causais, mas neste caso existem duas variáveis ​​de “causa” e apenas uma variável de “efeito”.

    Exemplo

    “Se o jogador receber um cartão amarelo e também for advertido pelo quarto árbitro, deve ser excluído do jogo por 5 minutos.”

    • Causa 1: receba um cartão amarelo
    • Causa 2: esteja avisado
    • Efeito: ser excluído do jogo por 5 minutos. Como pode ser visto, para que a variável “efeito” ocorra, não apenas uma das duas variáveis ​​”causa” deve ser encontrada, mas duas.

    Outras classes de hipóteses

    Os tipos de suposições que explicamos são os mais comumente usados ​​na pesquisa científica e acadêmica. No entanto, eles também podem ser classificados de acordo com outros parâmetros.

    7. Suposições probabilísticas

    Tais hipóteses indicam que existe uma relação provável entre duas variáveis. Ou seja, a relação é cumprida na maioria dos casos estudados.

    Exemplo

    “Se o aluno não passar 10 horas por dia lendo, ele (provavelmente) não será aprovado no curso.”

    8. Suposições determinísticas

    Suposições determinísticas indicam relações entre variáveis ​​que estão sempre satisfeitas, Sem exceção.

    Exemplo

    “Se um jogador não usar botas com cravos, não poderá jogar.”

    Referências bibliográfico:

    • Hernández, R., Fernández, C. e Baptista, MP (2010) Metodologia de Pesquisa (5ª edição). México: McGraw Hill Education
    • Salkind, NJ (1999). Métodos de pesquisa. México: Prentice Hall.
    • Santisteban, C. e Alvarado, JM (2001). Modelos psicométricos. Madrid: UNED

    Deixe um comentário