Teoria do valor esperado de Eccles e Wigfield: o que é e o que oferece

Nossas crenças sobre nossas próprias habilidades podem influenciar o resultado final? A motivação e as crenças que temos sobre nossas habilidades são fatores muito importantes a serem levados em consideração na educação, pois condicionam o desempenho e influenciam o sucesso ou o fracasso subsequentes.

O modelo que suporta isso é Teoria do valor esperado de Eccles e Wigfield, Uma proposta que tem ajudado a mudar a forma como é ensinado, tendo a consciência de que o que o aluno pensa sobre sua própria capacidade pode ou não levá-lo a adquirir o domínio da matéria, tenha ou não problemas de aprendizagem.


Em seguida, tentaremos aprofundar esse modelo, quais são seus principais pressupostos, seus componentes e sua importância no campo da educação.

    O que é a teoria do valor esperado de Eccles e Wigfield?

    A teoria do valor esperado de Eccles e Wigfield, também chamada de teoria do valor esperado, é um modelo amplamente aplicado no campo da educação, o que implica que não é apenas a própria capacidade do aluno e o tempo de estudo que ele investe que influenciam sua sucesso ou fracasso acadêmico. A ideia por trás deste modelo é basicamente que existem expectativas e valores ou crenças que afetam nosso comportamento subsequenteQuer dizer, o ano letivo.

    Os antecedentes dessa teoria podem ser encontrados em John William Atkinson, que nas décadas de 1950 e 1960 delineou as ideias que seriam os precursores da própria teoria apresentada por Eccles e Wigfield.

    Atkinson sabia disso a motivação para o sucesso, ou seja, a motivação do indivíduo para atingir a meta que o ambiente ou ele mesmo estabeleceu, influenciou o próprio exercícioIndependentemente do que seja objetivamente bom ou ruim, ele executou as tarefas que o levaram a atingir esse objetivo.

    Retomando essa ideia na década de 1980, Jacquelynne Eccles aplicou essa ideia ao campo da educação, considerando como “sucesso” qualquer aspecto da vida acadêmica que o programa escolar considerou necessário aprender. Sua teoria do valor esperado, formulada em colaboração com Allan Wigfield, argumenta que o desempenho do aluno e as escolhas do exercício final são determinados por dois fatores principais: expectativas de desempenho e valores subjetivos da tasca.

    Quando falamos de “expectativas”, estamos nos referindo a a confiança que o indivíduo tem em sua própria capacidade de realizar com sucesso uma determinada tarefa e alcançar a meta depois de fazer isso. Quanto aos “valores subjetivos da tarefa”, referimo-nos ao valor pessoal que a pessoa atribui a essa tarefa, ou seja, se a considera importante, útil ou agradável ou, pelo contrário, a considera como um perda de tempo, não, não importa na sua vida universitária ou é muito enfadonho e enfadonho.

    De acordo com a pesquisa de Eccles e Wigfield, expectativas e valores interagem entre si para prever resultados importantes no comportamento de um indivíduo, especialmente em aspectos como engajamento, interesse ou persistência, desempenho contínuo e acadêmico ou “desempenho”. Dependendo de como você se vê e de sua motivação para fazer a lição de casa, a pessoa ficará mais ou menos envolvida, desenvolverá melhor ou desejará fazer a lição de casa voluntariamente.

    Também vimos que outros fatores podem influenciar a motivação e o desenvolvimento de uma pessoa no desempenho de uma tarefa acadêmica. Entre eles, podemos encontrar características demográficas (por exemplo, eu melhor) e percepções das crenças e comportamentos dos outros.

    expectativas

    Ao nos aprofundarmos nas expectativas, podemos defini-las como as crenças específicas que as pessoas têm sobre se terão sucesso em fazer e concluir certas tarefas que farão no futuro, tanto imediatamente quanto a longo prazo. Em outras palavras, isso quer dizer essas são crenças sobre boas ou más que serão uma tarefa no futuro, E essas crenças influenciam sua tomada de decisão e comportamentos associados.

    Por exemplo, imagine um aluno do ensino médio que pensa que não está se saindo bem em exames do tipo. Ele sabe que vai fazer um desses testes na próxima semana e acha que não vai correr bem para ele, embora ainda não tenha acontecido. Por achar que vai se sair mal no dia do exame, ele pratica mal, se engana mais e não lê bem todas as questões, então tem uma nota ruim. A nota negativa não é porque ele não estudou, mas simplesmente porque estava convencido de que o teste ia dar errado e aconteceu.

    As expectativas de sucesso ou fracasso no futuro estão bastante relacionadas a dois conceitos relacionados à própria visão do indivíduo: autoconceito e autoeficácia.

    Por um lado, o conceito de self ligado à teoria do valor esperado de Eccles e Wigfield implica as crenças que temos sobre nossas próprias habilidades em relação a certos objetivos, Neste caso, os educacionais. No exemplo acima, a pessoa pensa que é ruim em exames do tipo teste. Portanto, quando se trata de responder a qualquer um deles, como ela subestima suas habilidades reais, ela pontua pior.

    A autoeficácia é semelhante ao conceito de self, mas com certas nuances. Essa ideia implica crenças sobre as próprias habilidades e aptidões, mas em termos de desempenho, mais do que em termos de nossa própria maneira de ser. Ou seja, não penso em termos de “sou mau …” mas sim “as minhas capacidades … são más”, sendo mais específico para cada assunto.

    Por exemplo, podemos ser alunos do ensino médio convencidos de que nossas habilidades matemáticas são muito ruins, mas muito boas em ciências naturais. Portanto, em matemática, esperamos ter um desempenho muito ruim, não temos muita esperança de ser bem-sucedidos e não estamos nem um pouco motivados para ter que fazer a lição de casa ou estudar para o próximo exame. Em vez disso, o assunto da biologia se acreditamos que vamos seguir em frente e nos motiva a estudar. Nosso conceito de autoeficácia em matemática é ruim e em biologia é bom.

      Valores subjetivos da tarefa

      De acordo com Eccles e Wigfield, o valor subjetivo da tarefa pode ser entendido como a motivação de um indivíduo para uma determinada tarefa, independentemente de ele ter expectativas altas ou baixas de fazer bem. Não é segredo que na educação os alunos têm disciplinas privilegiadas, o que lhes permite estudar mais ou melhor compreender os conceitos de uns e ter mais dificuldade em compreender outros. Um assunto que nos fascina, parece fundamental em nossas vidas e que consideramos fácil vai nos motivar muito mais do que aquilo que pensamos ser real.

      Os valores subjetivos da tarefa, como o nome sugere, eles são arbitrários, diferentes dependendo da pessoa. Claro, existem tarefas na educação que podem gerar diferentes interesses e envolvimento entre os alunos (por exemplo, resolver problemas de matemática ou brincar de prisioneiro na educação física), mas como vimos no parágrafo anterior, cada uma atribui um aspecto subjetivo diferente valor. Esses valores responderiam à pergunta “Eu quero fazer esta atividade e por quê?”

      Podemos identificar os seguintes tipos de valores subjetivos de tarefas.

      1. Valor de realização

      A importância pessoal da nossa identidade para poder atingir este objetivo. Ou seja, se a consideramos fundamental para o nosso jeito de ser ou é apenas outra coisa que temos que realizar porque está no currículo escolar

      Por exemplo, se nos vemos como pessoas com uma cultura musical, não importa o que queiramos fazer como idosos, estaremos muito interessados ​​no que nos é dito sobre música como os grandes compositores, as tendências musicais, notação musical, leitura de folhas música …

      2. Valor intrínseco

      Quão interessante é a tarefa para nós, seja qual for importância para nossas vidas. Queremos fazer essa tarefa é algo que amamos ou vemos como algum tipo de punição.

      Por exemplo, brincar de prisioneiro é uma atividade de maior valor intrínseco do que resolver problemas matemáticos.

      3. Valor em uso

      Sim, consideramos que fazer esta tarefa, quer queiramos ou que é importante para o nosso autoconceito fazê-la bemIsso é importante para a nossa vida universitária e para o nosso futuro profissional.

      Por exemplo, se quisermos estudar ciências como adultos, teremos de aprender matemática, biologia, física e química no ensino médio. Gostemos ou não dessas disciplinas, teremos que aprender muito bem seus conteúdos para que seja garantido o acesso à carreira científica preferida.

      4. Custo

      É uma perda de tempo, uma grande demanda de esforço, a perda de alternativas mais interessantes e agradáveis ​​ou de experiências psicológicas negativas.Exatamente como o estresse associado a essa tarefa.

      Por exemplo, quando estamos fazendo nossa lição de casa, não podemos fazer outras coisas como jogar videogame, sair com amigos, assistir TV …

      Aplicações e descobertas ligadas a esta teoria

      Este modelo e a pesquisa associada a ele nos permitiu ver como as expectativas variam ao longo do ano letivo e as próprias matérias dentro do mesmo ano. De facto, desde o início do ensino básico, existem diferenças de motivação consoante a disciplina considerada. A partir dos 11 anos, coincidindo mais ou menos com o quinto ano, os tipos de valores também variam, no sentido de que se pode motivar porque as disciplinas são interessantes para que os alunos se motivem por considerarem-nas muito importantes no seu profissional futuro.

      O que não há dúvida é que a motivação, seja qual for o tipo de valor e bem considerado no exercício dos sujeitos, diminui com o tempo, Especialmente na adolescência. Os adolescentes têm expectativas piores em relação ao seu próprio desempenho acadêmico, embora não precise ser fatal, mas certamente lhes dá notas piores. As causas são muito variadas, desde uma perda geral de interesse em estudar até não ver o que isso tem a ver com o que querem fazer.

      As ideias da teoria do valor esperado de Eccles e Wigfield têm sido usadas em programas de intervenção que buscam mudar as crenças motivacionais dos alunos. As crenças dos alunos influenciam seu desempenho acadêmico, conforme discutimos ao longo do artigo. Se forem mais pessimistas, independentemente de suas habilidades reais, obterão notas mais baixas. Portanto, a partir desse modelo, procuramos mudar essas expectativas e crenças para que tenham mais motivação para o estudo e uma melhor visão de suas habilidades.

      Referências bibliográficas:

      • Eccles, J. e Wigfield, A. (2000). Expectativa – Teoria do valor da motivação a ser alcançada. Contemporary Educational Psychology 25, 68-81.

      Deixe um comentário