Teoria do Vale Perturbador: Aversão ao que parece humano

Se você experimentar uma série de sensações desagradáveis ​​enquanto observa um robô de aparência quase humana, você pode se encontrar sob um fenômeno explicado por a perturbadora teoria do vale.

Esta teoria tenta dar uma explicação para as reações que uma pessoa experimenta na presença de uma figura ou imagem demasiado humana, mas que por outro lado não basta.


    Qual é a perturbadora teoria do vale?

    A teoria do vale perturbador, bem como o próprio termo vale perturbador, são conceitos relacionados ao mundo da robótica e animação 3D que se referem a uma mudança na reação das pessoas à presença de uma figura antropomórfica. Ou seja, na presença de uma figura ou de um objeto não vivo, mas com uma ótima aparência de pessoa. Essas figuras antropomórficas podem se referir a robôs Android ou animações 3D muito realistas.

    O termo “vale perturbador” foi criado pelo professor e especialista em robótica Masahiro Mori em 1970, e seu nome em japonês era Bukimi no Tani Genshō. Na tradução conhecida como Vale Eerie, há uma metáfora que tenta esclarecer as reações das pessoas à presença de um robô em forma humana.

    De acordo com essa teoria, a reação de uma pessoa a um robô antropomórfico é cada vez mais positiva e empática à medida que a aparência da figura se torna mais e mais humana. No entanto, há um ponto de inflexão em que essa reação muda completamente; tornar-se uma resposta de aversão devido à semelhança.

    O nome “vale” refere-se à inclinação da curva presente no gráfico de Mori, que calcula o quão favorável é a resposta humana à presença de uma figura antropomórfica: sobe à medida que aparece. O humano também cresce, até atingir um ponto onde o primeiro mergulha quando o segundo está muito alto.

    Por outro lado, o termo “perturbador” refere-se à sensação de estranheza ou aversão que causa a percepção de algo que parece humano, mas não é.

    O que causa essa aversão?

    Embora ainda não tenha sido possível chegar a uma conclusão totalmente válida sobre as causas dessa sensação, existem várias teorias que tentam explicar o porquê desse fenômeno.

    1. Hipótese de rejeição da doença

    Uma hipótese desenvolvida pela psicóloga Thalia Wheatley indica que após séculos de evolução, os humanos desenvolveram a capacidade de detectar qualquer tipo de distorção em outros humanos e identificá-lo ou associá-lo a qualquer tipo de doença física ou mental.

    Portanto, o sentimento de aversão a algo que parece humano, mas dá sinais claros de que não é, nada mais seria do que uma defesa natural do nosso cérebro contra a ideia de doença e até morte.

    Isso significa que todas aquelas distorções ou raridades que percebemos diante de uma figura antropomórfica estão diretamente associadas, por nosso cérebro, à ideia ou imagem de pessoa gravemente enferma ou mesmo morta, suscitando assim uma resposta de aversão ou repulsa.

    2. Os sorites paradoxais

    Também conhecido como Paradoxo da Bateria. Embora essa explicação não esteja diretamente relacionada à Teoria do Vale Eerie, muitos especialistas e teóricos a usaram na tentativa de encontrar a causa.

    Esse paradoxo surge quando uma pessoa tenta usar o bom senso sobre um conceito vago, impreciso ou obscuro. No caso do perturbador Vallée, as figuras humanas eles acabam minando nosso senso de identidade tentando encontrar uma explicação lógica para o que estamos observando. Gera um sentimento negativo de rejeição do que não entendemos.

    3. Hipótese de violação dos padrões humanos

    De acordo com essa hipótese, se uma figura ou robô tem uma aparência que pode ser identificada com a humana, ele gera um certo grau de empatia. No entanto, quando esta figura se assemelha apenas parcialmente a um humano, possuindo características não humanas notáveis ​​(como a falta de expressão clara de sentimentos não naturais ou movimentos corporais) gerar uma sensação de incerteza e uma reação repulsiva.

    4. Pressuposto da definição religiosa da pessoa

    Em algumas sociedades fortemente influenciado por normas religiosas e conceitos sobre seres humanos, A existência de objetos ou figuras artificiais e antropomórficos constitui uma ameaça à ideia de ser humano tal como foi concebida por diferentes religiões.

    5. Hipótese de “especialização”

    O psiquiatra americano Irvin Yalom explica que os humanos, diante do medo da morte, criaram uma série de defesas psicológicas que freiam a angústia causada pela certeza de que um dia morreremos. Uma dessas defesas é a “especialização”. É uma crença irracional e inconsciente que presumimos que a morte é algo inerente à vida, mas que é algo que só se aplica aos outros, não a nós mesmos.

    Consequentemente, o confronto com um objeto ou robô com forte semelhança humana pode se tornar tão intenso que provoca um distanciamento entre a “especialidade” e as defesas existenciais, gerando um sentimento de angústia vital.

    Críticas ao modelo de Mori

    Como acontece com a maioria das teorias não científicas, a Teoria do Vale Eerie não escapou das críticas. Alguns especialistas no mundo da robótica rejeitam a ideia de Mori, alegando que não há base para justificar a curva de reação criada por ele.

    Além disso, eles contam com o fato de que no momento só é possível criar robôs parcialmente humanosA teoria, portanto, não teria fundamentos suficientes. Em vez disso, eles afirmam que, em qualquer caso, isso poderia gerar uma espécie de dissonância cognitiva por meio da qual nossos cérebros geram expectativas de como um ser humano deveria ser, expectativas de que esse tipo de figuras humanóides não seriam abrangidas.

    Deixe um comentário