Supercompensação: o que é e como influencia a mente de acordo com Alfred Adler

O termo “sobrecompensação” foi estudado extensivamente pelo médico e psicoterapeuta vienense Alfred Adler., amplamente conhecido por ser o fundador da Escola de Psicologia Individual, além de colaborador de Sigmund Freud.

A sobrecompensação em psicologia é o exagero ou amplificação de uma habilidade particular que uma pessoa possui a fim de disfarçar ou ocultar alguma outra característica ou habilidade que ela considera inferior em comparação com outras pessoas, e esta pode ser uma autopercepção real ou imaginária. Na teoria de Adler, a sobrecompensação está intimamente relacionada ao complexo de inferioridade.


Neste artigo, examinaremos mais de perto o conceito de sobrecompensação e o complexo de inferioridade.

    O que é sobrecompensação?

    Novamente o conceito de sobrecompensação já havia sido utilizado por Sigmund Freud, foi Alfred Adler, o fundador da Escola de Psicologia Individual, que introduziu este termo em sua teoria em relação aos sentimentos de inferioridade sofridos por algumas pessoas, pelo que este conceito teve maior consideração no campo da psicologia.

    E é que na teoria da psicologia individual de Adler tem como um dos alicerces a crença de que uma das principais motivações do psiquismo das pessoas é essa tendência a tentando compensar as próprias características físicas que as pessoas consideram “inferiores” às dos outros.

    Em outras palavras, a sobrecompensação é a tendência de tentar exagerar uma série de habilidades que uma pessoa possui, a fim de cobrir ou compensar outras habilidades ou características que ela considera inferiores às de outras pessoas, e estas podem ser reais ou mesmo imaginárias , o resultado de um exagero criado em sua imaginação.

    No processo de sobrecompensação, também pode acontecer que uma pessoa sofra de qualquer tipo de deficiência física ou cognitiva e tente corrigindo-o excessivamente e até exageradamente.

      Complexo de sobrecompensação e inferioridade em psicologia

      O complexo de inferioridade é composto por uma série de atitudes, representações mentais e comportamentos relacionados a um sentimento de inferioridade em relação aos outros. Você poderia dizer que o complexo de inferioridade é um sentimento pessoal de inadequação.

      Adler, em sua Teoria da Psicologia Individual, utilizou esse construto para dar significado central àquela forma de autopercepção que algumas pessoas têm, ao relatar alguma forma física ou característica física, que consideravam inferior à funcionalidade. deveria. (por exemplo, uma pessoa tem complexos nos braços porque pensa que é “muito magra” e não permite que ela agarre objetos pesados, podendo até subestimar sua própria força).

      Na época, sua teoria se referia a pessoas que tentavam compensar aquela característica física que lhes causava tez ou sentimento de inferioridade (por exemplo, sempre usando camisetas de manga comprida).

      Adller estava particularmente interessado em estudar o complexo de inferioridade e os efeitos negativos e positivos da autoestima durante o tempo em que trabalhou com crianças com alguma forma de deficiência física, na qual observaram diferenças notáveis ​​na capacidade dos pacientes de serem bem-sucedidos, e alguns alcançam grande sucesso nos esportes, vendo isso como uma grande motivação para superar suas próprias habilidades todos os dias. Ao mesmo tempo, outros pacientes se sentiam oprimidos por sua deficiência e não tinham motivação para tentar progredir. Portanto, Adeler entendeu que essas diferenças se deviam à autoestima individual.

      Na psicanálise, existem livros didáticos sobre o assunto que explicam que o complexo de inferioridade tem se caracterizado por uma luta para atingir determinados objetivos irrealistas ou inatingíveis, causando inseguranças e complexos na pessoa.

      Freud considerou o complexo de inferioridade como um sintoma a ser analisado nas sessões de psicoterapia tendo como referência a possibilidade de haver dois tipos de causas para esse complexo: real ou imaginário. Freud também se referiu ao complexo de inferioridade, seja sua causa real ou imaginária, como uma série de pensamentos sobre você que podem desencadear sentimentos de culpa ou até depressão, sendo em qualquer caso uma autoavaliação negativa.

        A psicologia individual de Alfred Adler

        Para entender melhor a sobrecompensação, ajuda a entender melhor a teoria da psicologia individual de Adler, que em sua abordagem psicológica enfatiza o estudo e a compreensão das pessoas, com todas as suas características, como um todo que está em contato com o meio em que vivem, como Adler concebe o ser humano como um ser unitário fixado em seu ambiente. que significa ele é influenciado pelo que está acontecendo na comunidade onde vive. Em contraste, Freud deu menos importância ao contexto ambiental e se concentrou mais na vida intrapsíquica das pessoas.

        Por sua vez, Adler vê o ser humano como uma entidade que se preocupa com o seu futuro, e não tanto com o seu passado, como fez Freud, que o guia pelo seu próprio instinto de superação, que mantém as pessoas motivadas a lançar uma série de tarefas. que permitem o cumprimento dos objetivos propostos anteriormente.

        Portanto, existem duas ideias fundamentais na teoria de Adler: o desejo de superioridade e o senso de comunidade das pessoas.

        Esse senso de comunidade é dado pelo fato de que as pessoas são seres sociais que precisam de relacionamentos e união com outras pessoas para sobreviver. Por outro lado, o desejo de superioridade é aquela motivação que as pessoas precisam melhorar ao longo da vida e também está relacionado ao senso de perfeccionismo. Então, esse desejo de superioridade e perfeccionismo ocorre no contexto social, uma vez que por natureza o ser humano tende a ser competitivo e a se comparar aos outros.

        Ao mesmo tempo, esse desejo de superioridade e perfeccionismo é frequentemente desencadeado pelas tentativas das pessoas de compensar um sentimento de inferioridade, percebendo algum tipo de fraqueza ou fraqueza em relação às outras pessoas ao nosso redor, e isso pode ser considerado um meio de sobrecompensação. De acordo com Adler, todas as pessoas sofrem desse sentimento de inferioridade em algum momento de suas vidas e até certo ponto, então, de alguma forma, tentam compensar..

        Adler acredita que esse sentimento de inferioridade pode ser muito pronunciado e causar grande desconforto em quem sofre ao longo da infância com problemas complicados que os deixam inseguros ou em quem sofre de limitação física de qualquer tipo. A importância que Alfred também atribuiu o impacto das experiências da infância na idade adulta é devido à influência que Freud exerceu sobre ele, e é que Adler também considerou que certos acontecimentos complicados da infância poderiam condicionar o resto da vida.

          A relação com o modo de vida das pessoas

          De acordo com a teoria da psicologia individual de Adler, todos os seres humanos vivem sob o impulso de superar., o que ele denomina de modo de vida, que pode ser entendido como o conjunto de escolhas e ações que uma pessoa realiza ao longo de sua vida para que haja uma supercompensação dos sentimentos de inferioridade que vivencia.

          Em segundo lugar, de acordo com Adler, as pessoas tendem a levar um estilo de vida que dá sentido às suas crenças e, ao mesmo tempo, permite que progridam em direção a seus objetivos.

          Aqui, vemos novamente a premissa de Adler de que as pessoas funcionam como um todo. ele está tentando alcançar um futuro brilhante que vai além da situação atual que vivam, para que haja uma constante constante em diferentes áreas que todos consideram importantes e que servem também para compensar um certo sentimento de inferioridade.

          A teoria do estilo de vida de Adler é baseada em três conceitos central:

          • Finalismo fictício: as pessoas são finalistas porque estão sempre se esforçando para atingir seus objetivos.

          • Eu ideal: é feito de todas as metas para o futuro que cada pessoa se propôs.

          • Sou criativo: uma parte da personalidade que dá sentido ao passado, corrige erros e os usa para buscar um futuro melhor.

          • Artigo relacionado: “Transtorno dismórfico corporal: causas, sintomas e tratamento”

          Exemplo de sobrecompensação

          A comparação com outras pessoas é muito comum na infância e adolescênciaAo mesmo tempo, as pessoas tendem a ser mais inseguras nessas fases da vida devido à imaturidade, entre outros fatores, enquanto seu autoconceito e personalidade ainda não estão totalmente desenvolvidos.

          Quando uma criança se sente inferior, por ter a percepção de que está cercada por outras crianças mais inteligentes e fortes, essa inferioridade a motiva a fazer certas coisas para se superar e atingir objetivos específicos, o que poderia supor uma forma de supercompensação.

          Deve-se notar que se essa criança tem equilíbrio psicológico, o sucesso pode ser benéfico e aumentar a autoconfiança, enquanto se ela não tiver equilíbrio mental, o sucesso não alivia seu sentimento de inferioridade, ela pode, portanto, desenvolver um complexo de inferioridade.

          Referências bibliográficas

          • Collin, C. et al. (2012). O livro de psicologia. Madrid: Ediciones Akal.
          • Doron, R. (2008). Dicionário Akal de Psicologia. Madrid: Ediciones Akal.
          • Lopez, S. (2019). Dicionário de Psicologia e Psiquiatria. Madrid: Editorial Médica Panamericana.
          • Oberst, U., Ibarz, V. e Leon, R. (2004). A psicologia individual de Alfred Adler e a psicossíntese de Oliver Brachfeld. Journal of Neuro-Psychiatry, 67, pp. 31-44.
          • Rodriguez, A. (2019). Manual de psicoterapias. Barcelona: Herder.

          Deixe um comentário