Sigmund Freud e seu vício em cocaína

A cocaína tornou-se uma droga comum na década de 1970, especialmente na vida noturna.

No entanto, muito antes de ser uma droga conhecida na vida noturna, o pai da psicanálise Sigmund Freud já a usava com frequência.


Sigmund Freud e cocaína

Toda vez que ia a uma festa, vestia suas melhores roupas e cheirava alguns gramas “para soltar a língua”, como escreveu ao noivo em uma carta enviada em 1886. Mas o que a princípio parecia um hábito inócuo. , acabou se tornando um vício que perturbou a mente e o julgamento do gênio austríaco.

Cocaína: da América do Sul a Viena

Freud escreveu sobre suas experiências com cocaína em um ensaio intitulado super coca, mas até recentemente essas histórias estavam escondidas. Essa etapa de doze anos em que o psicanalista consumia cocaína foi brilhantemente resumida no livro Uma anatomia do vício (“Anatomia do Vício”), por Howard Markelprofessor em Universidade de Michigan. Este ensaio narra a relação de Sigmund Freud com a cocaína. Freud aumentou gradualmente seu uso porque acreditava que a cocaína era algo como um elixir da vida. Embora o fio narrativo da obra de Markel seja a história das drogas, o autor remonta em profundidade às origens da cocaína, que se difundiu na Europa e nos Estados Unidos, e que foi declarada ilegal várias décadas depois.

Assim, sabemos que os exploradores de América do Sul Desde o início do século 19, foram eles que trouxeram para seus países de origem as folhas de coca que causaram tanta fúria entre as tribos e a população indígena, que as mastigava. Exploradores europeus e americanos queriam descobrir quais eram essas propriedades mágicas que davam imunidade à fadiga e fome para os nativos. Especialistas químicos de muitas partes do mundo inspecionaram e examinaram a planta até que em 1860 conseguiram detectar e isolar a planta. alcaloide de cocaínaresponsável por estimular o sistema nervoso que aparentemente conferia esses benefícios.

A cocaína pode ser terapêutica?

Nessa época, Freud decidiu dedicar seus esforços ao estudo da usos terapêuticos da cocaína, com o objetivo de aumentar seu prestígio entre a comunidade científica vienense. Experimentos anteriores mostraram incorretamente que a cocaína poderia curar o vício em morfina (amplamente usado na época para alívio da dor). Com essa base teórica, Freud passou a tratar um paciente com dor crônica com o estimulante. Mais tarde, ele decidiu experimentar a cocaína. Freud percebeu que tinha um eficácia notável na prevenção da ansiedade e aumento da libido. Logo a simpatia de Freud pela cocaína estava completa, e ele costumava prescrever para sua família e amigos como de costume, para “transformar os dias ruins em bons e os bons em melhores”.

Freud estava convencido de que seus experimentos com cocaína revolucionariam o mundo da saúde mental e o levariam à fama. “Freud, enxaqueca, dor abdominal, sinusite ou humor nostálgico, Freud usou cocaína para aliviar o desconforto”, revela Markel. Ninguém estava ciente dos perigos da poeira branca. Qualquer um poderia comprar cocaína em farmácias sem quaisquer cheques ou prescriçõese os comerciantes aproveitaram a ascensão da substância para torná-la um componente essencial de uma infinidade de pomadas, sucos, cigarros e até produtos alimentícios, como algumas margarinas.

Coca-Cola, Vinho Mariani e outros usos da cocaína

É verdade que antes do surgimento dos grandes barões e cartéis da droga, o químico franco-italiano Ângelo Mariani Ele fez sua fortuna com uma mistura de extratos de folhas de coca e vinho de Bordeaux. Ele vinho Marianicomo foi batizado, teve um impacto enorme a ponto de ser, por muitos anos, a bebida preferida de grandes personalidades como Júlio Verne, Thomas Edison, Alexandre Dumas e Papa Leão XIII.

A sua capacidade de “revigorar o corpo e o espírito”, como a proclamavam os anúncios de imprensa da época, foi capaz de despertar a curiosidade de John Syth Pemberton, um veterano de guerra americano viciado em morfina. Pemberton, que residia em Atlantapatenteou um tônico semelhante ao de Mariani que ele nomeou vinho de coca Francês. Este produto passou de uma bebida alcoólica para uma bebida não alcoólica após a lei seca No Estado de Geórgiaserá chamado Coca Cola.

Conscientização dos perigos das drogas

Levará muitos anos até que a ciência os entenda consequências catastróficas do abuso no uso de cocaína. Freud parou de tomá-lo em 1896, aos 40 anos. Ele começou a sentir taquicardias e notou que seu desempenho intelectual estava severamente prejudicado. O próprio alcalóide da cocaína foi a causa da morte prematura de seu amigo e possivelmente matou muitos de seus pacientes. Freud, por alguns anos, tornou-se um usuário tão regular que seu nariz ficou vermelho e úmido. Para acabar com o mau hábito do consumo, procura ocupar-se o máximo possível: levanta-se às seis da manhã, consulta doze doentes, lê e escreve até bem depois da meia-noite.

Freud conseguiu se reabilitar e abandonou completamente seu vício. No entanto, William Halstedque foi um dos pioneiros da cirurgia moderna, ele nunca foi capaz de se libertar do uso de cocaína. Depois de estudar os textos de Freud sobre a substância, partiu para descobrir se poderia usá-la como anestésico local, substituindo o éter e o clorofórmio. Para este fim, ele se fez uma cobaia, mas em poucas semanas os primeiros efeitos começaram a florescer. Incapaz de se concentrar durante as consultas, ele parou de frequentar o Johns Hopkins Hospital, onde acabara de ser nomeado chefe de cirurgia. Certa vez, Halsted teve que sair da sala de cirurgia no meio da cirurgia porque os efeitos da cocaína impossibilitavam que ele segurasse os instrumentos cirúrgicos. Ele acabou concordando em ser admitido em uma frenopatia, mas nunca se recuperou das consequências psicológicas da droga e também desenvolveu um vício em morfina.

No início do século 20, os viciados em cocaína eram numerosos, e a maioria conseguiu ficar nas sombras graças às suas supostas propriedades tônicas. “Não era fácil levar uma vida dupla, ser um médico conhecido na esfera pública e, ao mesmo tempo, um viciado em cocaína, um viciado em drogas”, explica Markel. escritor escocês Arthur Conan Doyle Ele foi um desses proeminentes viciados em drogas e, embora nunca tenha revelado sua relação com a cocaína, deixou marca em seu hábito em muitas de suas obras. sherlock holmes, o personagem mais icônico de Doyle e considerado seu alter ego, costumava se injetar com uma preparação de cocaína quando não tinha casos intrigantes para investigar. Seu amigo intrépido, ele Dr. Watsonestava preocupado com a bebida de Sherlock e tentou convencê-lo a parar de injetar cocaína.

Cocaína: estigma social e cessação do tabagismo

Com o tempo, a droga foi estigmatizada e os governos aumentaram o controle sobre sua distribuição e uso. Décadas após o surgimento da obra de Freud, o psicanalista teve de enfrentar inúmeras críticas pelo hábito que adquirira ao dar seus primeiros passos como pesquisador e terapeuta. A controvérsia sobre o grau de influência do pó branco na obra de Freud nunca pode ser resolvida, mas a maioria dos estudiosos concorda que sua O período mais brilhante é veio depois de seu abandono.

O próprio Freud admitiu nos últimos anos de sua vida, talvez para desculpar seu passado, “minha pesquisa sobre a cocaína foi uma distração que me deixou impaciente para concluir”.

Mais curiosidades sobre a vida de Sigmund Freud

O psicanalista austríaco teve uma vida intensa e curiosa. Você pode verificar isso lendo o seguinte artigo:

  • “10 curiosidades sobre Sigmund Freud”

Deixe um comentário