Pré-castinação: o que é, causas, exemplos e como esse problema nos afeta

A palavra “procrastinar” se tornou viral nos últimos anos. Refere-se ao ato de deixar algo importante para depois, seja por preguiça ou ansiedade. Esta não é uma boa estratégia porque, acumulando coisas para nós, a única coisa que vamos conseguir é ter que fazê-las no último momento cheio de estresse.

Você pensaria que fazer as coisas o mais rápido possível é saudável. É verdade que para muitas coisas é melhor tê-las prontas o mais rápido possível, mas e se a pressa significasse tanto estresse, perda de tempo e energia quanto procrastinação?


É hora de deixar ir e seguir em frente. precastinação.

    O que é precrastinação?

    Todo mundo conhece a procrastinação, o mau hábito de adiar a lição de casa que você sabe que tem que fazer o mais rápido possível, a tentação de adiar algo que você sabe que adiar mais vai colocar mais estresse e trabalho em nós. A procrastinação envolve sofrimento e perda de produtividade com o que se pensaria, ou seja, fazer a lição de casa o quanto antes, seria saudável e positivo. Realmente, pode ser tão ou mais pernicioso do que a própria procrastinação. Estamos falando de pré-crastinação.

    A precastinação ocorre quando nos esforçamos e nos apressamos para fazer nossas tarefas o mais rápido possível, antes do que é realmente necessário. Isso se traduz, por exemplo, em responder a todos os e-mails, mesmo os menos importantes, logo ao acordar; retire a massa da panela antes de cozinhar ou retire o saquinho de chá antes que absorva o sabor na água. Antecipar-se é fazer as coisas com antecedência pelo simples desejo de ter feito as coisas antes.

    Este termo é relativamente novo, embora o fenômeno por trás dele sempre tenha existido e com certeza todo mundo já o pré-gravou em algum momento de suas vidas. “Pré-castinação” é uma palavra cunhada pelo grupo de pesquisa do professor de psicologia David Rosenbaum em um estudo publicado em 2014. Segundo ele, a pré-castinação pode ser definida como a tendência de fazer a lição de casa o mais rápido possível. mesmo que isso signifique ter que fazer mais trabalho, perder mais tempo ou incorrer em custos adicionais que, se tivesse esperado um pouco, não teria desistido.

    Rosenbaum, junto com seus colegas Lanyun Gong e Cory Adam Potts, foram capazes de estudar esse fenômeno em uma série de experimentos. Em seu estudo, os alunos foram solicitados a caminhar por um corredor ao longo do qual encontrariam dois baldes cheios de água, a diferentes distâncias do final. A tarefa era andar pelo corredor sem parar, pegando um dos dois baldes e deixando-o no final da caminhada. Eles tinham total liberdade para escolher o balde de água que quisessem.

    Apesar de terem a opção de pegar qualquer um dos dois cubos, a tendência observada foi que a maioria dos alunos preferiu pegar o primeiro balde que encontrou, mesmo que isso significasse ter que percorrer uma distância maior, carregado e, portanto, com maior esforço. Quando perguntados por que escolheram o primeiro cubo, a maioria dos alunos respondeu: “Porque eu queria terminar meu dever de casa o mais rápido possível.

    A conclusão alcançada por Rosenbaum e companhia foi que, ao pegar o primeiro balde, seus sujeitos experimentais ficaram aliviados ao riscar mentalmente a tarefa de pegar o balde. Ao decidir qual balde levar, a sobrecarga mental de questões não resolvidas era um obstáculo Ao escolher a opção mais eficiente, tratava-se de levar a caçamba mais próxima da linha de chegada para não ficar tanto tempo carregado. Eles escolheram trabalhar mais em vez de mais inteligente.

      Exemplos cotidianos de precrastinação

      A pré-castinação é um problema mais comum do que muitas pessoas imaginam. Isso é algo que a humanidade tem feito ao longo de sua história. Todos nós já fomos pré-gravados, o que acontece é que esse fenômeno ainda não tendo nome, passou despercebido por muito tempo. Aqui estão alguns exemplos de precastinação cotidiana:

      Comprar no supermercado de forma ineficiente

      Muitas pessoas vão ao supermercado com uma lista de compras, o que é sempre recomendado. Uma das coisas mais comuns é carregar o carrinho conforme você passa pelos corredores, ao invés de fazer várias viagens e pegar tudo. A princípio isso faria sentido e poderia até ser considerado lógico, no entanto, torna-se um problema dependendo do tipo de produto.

      Por exemplo, se a seção de água for a primeira a entrar no supermercado e precisarmos carregar quatro garrafas de 5L, levá-las primeiro é uma amostra pré-coerção. Nós os levamos para excluí-los da lista o mais rápido possível, mas sem perceber que seria melhor levá-los no final porque eles pesam muito e agora os carregaremos o tempo todo.

      Outro exemplo seriam os congelados. Se temos que comprar alimentos congelados e acontece que a seção deles fica perto da entrada, levá-los apenas entrando no supermercado não nos custa nada. Como eles são congelados, quanto mais tempo você os usar, maior o risco de eles quebrarem a cadeia de frio e estragarem, então o ideal é pegá-los antes de passar pelo caixa.

        Listas de tarefas incompletas

        Outro exemplo de pré-esforço é ter uma lista de tarefas e começar a fazer as mais simples assim que nos levantamos. Nós nos comportamos assim porque é bom riscar tarefas fáceis de fazer, porque nos faz sentir que somos produtivos.

        O problema é que gastamos tempo e energia em tarefas sem importância, quando deveríamos investi-las nas mais complexas, principalmente pela manhã, quando costumamos ter mais energia. Deixar o mais difícil para a tarde pode ser um problema porque, talvez, não tenhamos mais energia e façamos essas tarefas muito menos bem.

          O que causa a pré-castinação?

          Ironicamente, a causa raiz da procrastinação é a mesma que a procrastinação: livrar-se de uma emoção desagradável.

          Vamos nos deter por um momento na procrastinação, com o “O”. Se prestarmos atenção, o que nos faz procrastinar muitas vezes vem acompanhado de uma emoção forte e desconfortável. Pode ser ansiedade, tédio, constrangimento – qualquer coisa, é algo que não gostamos de sentir. E, justamente, adiar a lição de casa é uma boa maneira de se livrar temporariamente das emoções negativas. Em outras palavras, quando procrastinamos, tomamos uma decisão com base no que nos faz sentir bem naquele momentoem vez de pensar no que é do nosso melhor interesse a longo prazo.

          Na pré-crastinação, com “E”, ocorre um processo muito semelhante, quase idêntico. A diferença é que neste caso, ansiedade, tédio ou vergonha, entre outras emoções, surgem da sensação de não ter feito as tarefas e que devem ser feitas o mais rápido possível, mesmo que isso signifique mais esforço ou custo. O objetivo é parar de sentir ansiedade ou outra emoção negativa. Assim, como a procrastinação, a pré-procrastinação é sobre tomar uma decisão com base no que nos faria sentir melhor no momento, em vez de pensar no que nos interessaria ou nos beneficiaria a longo prazo.

          Mas, além da causa raiz da pré-castinite, podemos ver outras causas comuns que explicam por que as pessoas costumam fazer uma tarefa antes do ideal.

          1. Satisfação barata

          A ciência viu que Tendemos a sentir um prazer mais intenso quando realizamos tarefas pequenas e fáceis de fazer com prazos fixos., do que o mais importante, mas de maior dificuldade e duração incerta. É mais viciante fazer coisas simples e rápidas do que complicadas e lentas porque as primeiras geram prazer quase imediato.

            2. Instinto de sobrevivência

            Ao longo de nossa história evolutiva como espécie, encontrar coisas fáceis e ao alcance significou mais benefícios do que adiá-los para recompensas de longo prazo. O ser humano primitivo vivia em um mundo hostil, no qual corria o menor perigo, com o qual renunciar ao benefício imediato pode significar escolher morrer.

            Por exemplo, explorar uma caverna escura para ver se há comida não soa tão bem se você pensar na possibilidade de um urso ser encontrado matando-o. Também não faria muito sentido embarcar em uma grande jornada para encontrar um lugar com mais comida se você não tiver certeza de que vai encontrá-la.

            Porque nossos cérebros foram submetidos a tais circunstâncias por milhares de anos de evolução, e só estivemos em um mundo relativamente seguro por algumas centenas de anos, adiando as pequenas coisas fáceis e a recompensa imediata vai para o nosso instinto de sobrevivência.

              3. Gestão do tempo e gestão da energia

              Muitas pessoas são educadas para pensar adequadamente no trabalho e na produtividade em termos de gerenciamento de tempo.. Por exemplo, se um aluno tiver apenas uma hora para fazer um exame, fará sentido para ele começar com as perguntas mais fáceis e depois passar para as mais complexas. No entanto, a estratégia mais inteligente é como gerenciar melhor a energia, não o tempo.

              Por exemplo, e relacionado a um dos exemplos que discutimos anteriormente, se somos pessoas com mais energia pela manhã do que à tarde, estamos mais conscientes de fazer as tarefas mais complexas assim que nos levantamos. Se, por outro lado, somos mais produtivos à tarde, é melhor deixar as tarefas simples para os momentos em que não temos tanta energia ou tempo.

              4. Meticulosidade

              Pessoas que tendem a ser mais diligentes, atentas e trabalhadoras tendem a procrastinar em vez de procrastinar. Como regra geral, é mais fácil fazer as coisas o mais rápido possível, e é mais fácil começar a fazer as coisas rapidamente sem parar para pensar se o esforço e o tempo valem tanto quanto outras tarefas.

              Ser consciente e fazer o trabalho o mais rápido possível geralmente é uma característica positiva. No entanto, pode se tornar problemático se não for verificado ou se as tarefas forem executadas antes do esperado e, portanto, você não for inteligente sobre gerenciamento de energia ou tempo.

              Referências bibliográficas

              • Rosenbaum, DA, Gong, L. e Potts, CA (2014). Pré-crastinação: aceleração do alcance de sub-objetivos à custa de esforço físico adicional. Psychological Science, 25(7), 1487-1496.
              • Rosenbaum, D., A. e Wasserman, EA (2015) Pré-crastinação: o oposto da procrastinação. América Científica.
              • OnlineSánchez, J. (2015). Precastination, ou eficácia falsa. Tudo sobre produtividade.
              • Schwob, N., Epping, AJ, Taglialatela, JP e Weiss, DJ (2022). O bonobo adiantado pega o suco? As raízes evolutivas da pré-crastinação em bonobos (Pan paniscus). Comportamento Animal e Cognição, 9 (1), 3-13.

              Deixe um comentário