Por que pensar positivamente nem sempre é a solução nos momentos ruins

Há uma crença de que internalizamos tanto que muitas vezes é difícil perceber que estamos caindo na irracionalidade resultante. Essa crença consiste na ideia de que em qualquer fato ou experiência de nossa vida há sempre algo positivo e algo negativo. Temos uma concepção da realidade em que tudo pode ser uma bênção e uma maldição, se aprendermos a focar nossa atenção em todas as suas facetas e nuances.

Essa crença é muito persistente e, embora não percebamos, ela se expressa de maneiras diferentes. No entanto, às vezes isso dificilmente é um problema para nós, enquanto outros podem acabar comprometendo nossa sanidade. Por exemplo, quando nos deparamos com uma crise séria em nossa vida e pensamos a respeito a ideia de “pensar positivamente”, focando nossa atenção no componente benéfico quem deveria ter a situação.


    Enfrentar a tristeza é necessário

    Você pode imaginar como seria absurdo dizer a uma pessoa que ela deveria ficar boa? É mais ou menos o que fazemos a nós mesmos se insistirmos em pensar de forma tão positiva quando temos motivos importantes para estar muito tristes ou com raiva.

    Há experiências em que, gostemos ou não, precisamos nos posicionar diante da tristeza e da raiva. Podemos aceitar que ele está lá e esforce-se para sair desta crise emocionalPodemos fazer disso parte de nossa concepção de vida e presumir que tudo o que não diz respeito a nos sentir mal não é genuíno, ou podemos tentar ignorá-lo. Em teoria, a maioria das pessoas consegue ver que a primeira opção é apropriada e benéfica, enquanto a segunda não; no entanto, o terceiro gera mais divisão de opinião.

    Afinal, a ignorância da dor não é o lema subjacente da filosofia de vida “viva o momento, não complique sua vida”?

    Se o que sentimos aqui e agora só importa, o sofrimento parece uma perda de tempo absoluta, então o melhor parece ser não: pense positivamente, mesmo nos momentos mais tristes ou decepcionantes. Claro, essa é uma ideia muito consistente com a ideia de sempre escolher uma interpretação otimista das coisas. O único problema que tem é que muitas vezes não funciona ou, na verdade, pode piorar a situação.

      Por que pensar positivamente pode machucar constantemente

      O problema dessa abordagem baseada na filosofia do aqui e agora para a tristeza é que nossas decisões não têm poder absoluto sobre nossas emoções. Quando percebemos que há algo que nos deixa muito tristes, é impossível nos afastarmos disso e decidir o que fazer com isso como um cientista faria com uma placa de Petri olhando através de um microscópio. Temos que decidir o que fazer com essa emoção, Não com ele e, portanto, ignorar não é uma opção.

      E se preferirmos mostrar que temos esse poder de manipular nosso estado emocional à vontade? Veja um exemplo: um homem de meia-idade vê atropelar o cachorro que o acompanha há doze anos. Diante de tal situação, ele decide focar no positivo, que no caso é ter boas lembranças com o animal e poder refletir sobre o que essa experiência lhe ensinou.

      O primeiro problema com isso é que o primeiro passo para pensar positivamente é que você parece estar pensando positivamente, ou seja, sem chorar. Ter que controlar o choro isso torna a experiência ainda mais dolorosa, porque, entre outras coisas, obriga o homem a não pensar em certas coisas que sabe de antemão que o fariam chorar. Isso significa que, na prática, é impossível para ele realizar aquelas ações que deveriam ser o lado positivo de ter um cachorro morto.

      Mas há ainda outro elemento que torna o pensamento positivo ruim a todo custo: ele nos impede de normalizar a experiência. Se tentarmos ignorar a tristeza que algo está nos causando, nunca chegaremos a um acordo com isso, o que significa que ficamos presos no processo de luto; simplesmente não sabemos como seguir em frente. Deve ser assumido que não é possível mostrar que o impacto emocional de uma experiência ruim não existe para que possamos administrar a relação que teremos com esse sentimento.

        Remover a tristeza ou a raiva não funciona

        Freqüentemente, caímos na armadilha de pensar sobre emoções, sentimentos e sensações de uma forma abertamente essencialista. Rotulamos tristeza, raiva e outros estados mentais semelhantes como “emoções negativas”. e tentamos fazer com que eles não façam mais parte de nossa vida diária. Em alguns contextos, é eficaz desdramatizar certas situações, mas quando o desconforto é muito intenso, a resiliência não pode ser baseada na supressão de emoções.

        Ao lidar com as emoções que nos fazem sentir mal, devemos sempre considerar o fator mais importante nesses casos: o clima. Já que pelas nossas decisões e pela nossa racionalidade, não nos é possível controlar esse lado emocional que nos caracteriza como os animais que somos, devemos deixar o tempo nos ajudar.

        Se aceitarmos a tristeza, pouco a pouco o tempo nos levará a acumular oportunidades de distrair nossa mente com outras coisas que não pensamentos sobre o que nos entristece. Assim chegaremos a um ponto em que poderemos pensar em tudo, mesmo no que nos fez sentir mal, sem sentir a mesma dor que experimentamos alguns dias atrás, Quando fizemos o mesmo.

        Bem-estar mental, em resumo, é ser capaz de olhar para trás e relembrar experiências sem se sentir limitado por nossas emoções. Pensar positivamente a todo custo, o que na prática nos obriga a ignorar certas memórias e ideias, nada mais é do que uma forma de nomear essa limitação e ignorar o fato de que ela não irá embora – mesmo que nossa luta contra os problemas queira fortalecer seu poder sobre nós.

        Deixe um comentário