Por que não podemos bloquear os pensamentos: urso polar de Tolstói

Há uma anedota muito curiosa sobre o lendário escritor russo Leo Tolstoy. Quando criança, seu irmão mais velho ordenou que ele se sentasse em um canto e não se levantasse até que parasse de pensar em um urso polar.

Como você pode imaginar, o inocente jovem Tolstoi passava horas e horas sentado no canto, e ele falhou em tirar o maldito urso polar da cabeça. Simplificando, quanto mais eu tentava bloquear a imagem mental desse animal, mais intensa ela se tornava. Quão opressor, certo?


    O paradoxo do bloqueio de pensamento

    Muitas pessoas são confrontadas com este paradoxo diariamente, com todos os tipos de pensamentos e ideias dolorosas que não podem sair da sua cabeçaNão importa o quanto eles tentem.

    Este parece ser o problema: quanto mais tentamos “suprimir” uma ideia, paradoxalmente, mais atenção prestamos a ela, E assim mais tempo vai ficar aqui conosco.

    Experiência psicológica de Daniel Wegner

    Na década de 1980, um psicólogo social da Universidade de Harvard, Daniel Wegner, coordenou um experimento sobre a supressão do pensamento, com base na anedota de Leo Tolstoy.

    Você já pode imaginar os resultados do experimento: quando tentamos suprimir ou bloquear um pensamento, ocorre um “efeito rebote” o que nos faz pensar ainda mais sobre essa ideia. Em outras palavras, aspirar a “controlar” seus pensamentos é contraproducente.

    É por isso que muitos psicólogos criticam a fala de algumas pessoas sem nenhum treinamento real em psicologia, que prometem às pessoas que com seu livro ou curso serão capazes de “controlar seus pensamentos” e deixar de ter pensamentos perturbadores.

    E é paradoxal, mesmo que consigamos nos distrair o suficiente para parar de prestar atenção a um determinado pensamento, no momento em que alcançamos nosso sucesso, trazeríamos o pensamento de volta à nossa consciência. É como o silêncio que, se você escolher, se rompe.

    E é isso este “efeito urso polar” está na origem de tantos problemas psicológicos, Como depressão, transtornos de ansiedade, transtornos alimentares, crenças irracionais, transtorno obsessivo-compulsivo, problemas de dependência, ideação suicida …

    O fenômeno é freqüentemente chamado de “ruminação”., Quando entramos em voltas com certos pensamentos e não nos vemos capazes de quebrar o padrão e pensar em outra coisa.

      Por que é contraproducente tentar bloquear pensamentos?

      Wegner deu a esse fenômeno outro nome variado: mecanismo de controle irônico bimodal.

      Por um lado, a parte consciente de nossa mente cuida de certas coisas, enquanto a parte inconsciente realiza muitas outras tarefas em segundo plano. Ou seja, por um lado, tentamos não pensar em mais nada, no entanto outra parte de nossa mente está empenhada em verificar se estamos fazendo tudo certo.

      O paradoxo surge quando nosso subconsciente tenta verificar se não estamos pensando no urso polar ou em qualquer outra coisa relacionada a ele. É essencialmente impossível. Enquanto nossa mente verifica se não estamos pensando sobre “o que não deve ser nomeado”, a ideia proibida surge quando ele levanta a cabeça em direção à parte consciente.

      Então você se sente ainda mais ansioso, perdido, desamparado e pensa que está fazendo algo errado, então não consegue “controlar sua mente”. Daí a importância de trabalhar na aceitação de certos pensamentos e sentimentos no dia a dia, tolerando-os mesmo que sejam certamente desagradáveis, pois lutar contra nós mesmos muitas vezes aumenta os sentimentos de ansiedade e frustração.

      Implicações para psicoterapia

      Muitas vezes, quando as pessoas vão para a primeira sessão de terapia e relatam o motivo da consulta, muitas pessoas dizem que o que gostariam de fazer é “parar de ter pensamentos negativos” ou “parar de ter pensamentos negativos”. seus pensamentos ‘.

      O trabalho do psicólogo aqui será ajudar a pessoa a se adaptar às suas expectativas.. Não podemos bloquear nossos pensamentos, evitar pensar em coisas desagradáveis ​​ou evitar que memórias dolorosas voltem à tona. Sim, podemos trabalhar estratégias que permitam que a pessoa seja funcional em sua vida, com esses pensamentos incluídos. Nesse caso, a metáfora pode ser fazer amizade com o urso polar.

      Anunciantes e profissionais de marketing também estão cientes desse fenômeno

      Uma popular campanha publicitária há alguns anos foi inspirada nesta anedota do urso polar. Um anúncio muito original que, habilmente, tira proveito desse fenômeno do pensamento ruminante e termina brilhantemente com um “Então é melhor você não olhar para o carro vermelho que vem a seguir”. Aqui está o breve anúncio da conhecida marca de automóveis, e não há desperdício.

      Psicólogo em Valence (e online)

      Se você estiver tendo problemas com o pensamento obsessivo e não tiver certeza de como lidar com a situação, consulte um profissional o mais rápido possível. Um psicólogo pode ajudá-lo a tomar as melhores medidas para o seu caso específico.

      Se você gostaria de trabalhar comigo em um tópico de terapia, pode entrar em contato comigo por meio desta página.

      Deixe um comentário