Os 5 tipos de curiosidade e suas características

Os seres humanos são seres muito curiosos. Queremos saber tudo e sobre qualquer situação, pessoa ou objeto, e é por isso que continuamos coletando todos os tipos de conhecimento que se apresentam ao nosso redor.

No entanto, assim como existem todos os tipos de pessoas, também existem diferentes tipos de curiosidade. Isso pode depender tanto do objetivo quanto do contexto em que a pessoa se encontra.


Vamos dar uma olhada em quantos tipos de curiosidade existem, Por que este é um conceito um pouco difícil de definir e algumas propostas que foram feitas.

    Como classificar as formas que assume a curiosidade?

    O ser humano é um animal curioso por natureza. Todas as pessoas, em maior ou menor grau, gostam de descobrir coisas novas. É verdade que algumas pessoas são mais propensas do que outras a descobrir coisas que saem de seu cotidiano, pois já é um traço de personalidade na dimensão da abertura à experiência. Mas não importa o quão abertos sejamos para a experiência, a verdade é que não podemos deixar de ficar curiosos em algum momento de nossas vidas.

    Se tivéssemos que fazer uma lista de tipos de curiosidade, certamente pensaríamos em muitos tipos, cada um dependente de fatores como histórico, motivação, traços de personalidade da pessoa que a exibe e uma grande lista de aspectos. Por exemplo, poderíamos falar sobre curiosidade alegre, necessidade, estresse, experiências, categorias sociais e assim por diante, muitos dos quais são baseados mais na cultura geral do que em pesquisas com base científica.

    Portanto, em um sentido muito geral, você poderia dizer que existem tantos tipos de curiosidade quantos contextos e pessoas. Contudo, muitos psicólogos queriam estabelecer uma taxonomia de curiosidade, Um sistema de classificação de tipos que se acredita existir, que veremos em detalhes em alguns parágrafos abaixo. Presentemente, concorda-se que existiriam, a rigor, 5 tipos de curiosidade e estes estariam relacionados com dois estilos ou padrões de comportamento curiosos e interessantes.

    Os 5 tipos de curiosidade: uma classificação

    Todd B. Kashdan da George Mason University e colegas conduziram um estudo em 2017 que o ajudou a criar uma taxonomia de tipos de curiosidade. Esses tipos seriam 5:

    1. Exploração alegre

    A exploração alegre coincide com a ideia clássica e limpa da cultura popular que é a curiosidade. Seria o único se manifesta quando buscamos algo relacionado a novos conhecimentos ou informações motivadas pela alegria, pelo desejo de aprender algo que não conhecíamos. Seria a curiosidade que mostramos quando queremos saber quem conhece uma nova marca de iogurte, quem construiu um edifício ou qual é o modelo de acasalamento de leões marinhos.

    2. Sensibilidade à falta

    A sensibilidade da falta é um tipo de curiosidade o estímulo emocional é negativo, como tensão ou ansiedade.

    É esse desejo que sentimos quando queremos saber como foi um acontecimento histórico que entra no exame de história, como se resolve um problema matemático pelo qual vão nos avaliar ou queremos saber o que está acontecendo. próximo capítulo de nossa novela O Favorito depois de saber que um dos personagens foi infiel ao protagonista.

    3. Tolerância ao estresse

    A tolerância ao estresse está ativada quando a dúvida ou ansiedade é aceita diante de eventos novos, complexos e misteriosos.

    Esse tipo de curiosidade, de uma forma ou de outra, ajuda a diminuir a resistência às mudanças que podem surgir ao receber novas informações. É o tipo de curiosidade que nos faz pensar no que pode estar além do medo, como quando há uma mudança no governo do nosso país ou uma mudança na política comercial.

    4. Curiosidade social

    A curiosidade social seria que envolve querer saber o que os outros estão pensando e fazendo enquanto observam, conversam ou batem papo. Essa curiosidade é sinônimo de desejo de conhecer a vida de outras pessoas através de diferentes meios, como redes sociais, programas de coral, telejornais, jornais …

    5. Procure emoções

    A busca por emoções é o que nos leva a buscar novas experiências em detrimento dos riscos físicos, sociais e financeiros. Um exemplo desse tipo de curiosidade seria como nos sentimos quando queremos explorar esportes de risco, viajar para um país exótico, experimentar drogas ou investir na bolsa de valores.

      Caçadores e fofoca

      Como acabamos de ver, Kashdan propôs uma taxonomia de cinco tipos de curiosidade, que se manifestariam em diferentes contextos. No entanto, outros estudos tentaram ver como a curiosidade se relaciona com nosso humor e que papel ela desempenha em nosso bem-estar emocional. Uma vez que a curiosidade tem uma natureza com limites tão pouco claros, tentar medir – objetivamente tem sido um verdadeiro desafio.

      Um dos métodos mais comuns de medir a curiosidade tem sido veja até que ponto os participantes se sentiram “presos” a uma série de atividades, quantas perguntas e como eles discutiram com o pesquisador o tópico ou propósito da tarefa o que eles foram solicitados a fazer.

      No entanto, esta metodologia apresenta vários problemas, em particular que servem apenas para medir a curiosidade expressada explicitamente pelo participante e não servem para fazer tipologias das mesmas. Além disso, deve-se ter em mente que a dimensão da extroversão pode levar a crer que um curioso, pelo simples fato de ser introvertido e não muito assertivo, se interessa menos pela atividade que lhe é proposta.

      Com tudo isso em mente e sabendo como é complicado definir claramente os tipos de curiosidade, o grupo de David M. Lydon-Staley mergulhou no reino da filosofia para estudar dois estilos de comportamento curioso e ver como eles se manifestavam de maneiras diferentes. e “pessoa ocupada”.

      Seu método de ver esses dois estilos de comportamento curioso é bastante inovador. Sua experiência consistiu em usar a WikipediaOs maiores atalhos de toda a Internet que entre as suas inúmeras vantagens é aquela que não tem publicidade e as suas páginas permitem saltar para outras clicando nas palavras destacadas a azul. Além disso, a página possui seu próprio navegador clássico de páginas organizadas em artigos, o que torna a busca por um tópico muito fácil.

      O estudo foi conduzido com uma amostra de 149 participantes que foram solicitados a navegar livremente na Wikipedia durante os 15 minutos que cada sessão diária durou por um período de 21 dias, ou um total de 5 horas durante as quais cada um dos tópicos passou para navegar. esta enciclopédia online. Para estudar seu comportamento, os pesquisadores usaram um ramo da matemática chamado teoria dos grafos.

      A teoria dos grafos é um método usado por pesquisadores para ver por onde seus participantes estavam navegando. Sem entrar nos detalhes dessa complexa teoria, o que podemos destacar é que por meio dela os pesquisadores puderam ver se os participantes buscavam artigos da Wikipedia que tivessem uma relação temática ou se estavam pulando de assunto em assunto., Mostrando assim curiosidade, interesse pelas coisas que lêem, mas de maneiras diferentes.

      Foi por meio desse estudo que eles puderam conceituar uma nova dimensão de comportamento curioso, em que um extremo corresponde aos caçadores e o outro à fofoca. O estilo hunter é caracterizado por encontrar rapidamente informações relacionadas a um tópico, aprofundando-se no mesmo tópico e sem aprofundar muito no tópico.. Por outro lado, o estilo da fofoca é aquele em que se salta de um assunto para outro, coletando uma grande variedade de informações e sem nos deter nelas.

      Ao usar a Wikipedia e deixar os participantes livres para satisfazer sua curiosidade, os pesquisadores conseguiram superar a limitação da extroversão porque, por meio desse método, introvertidos e extrovertidos tinham o mesmo oportunidades para conversar. Independentemente da sua confiança, os participantes clicaram nos links e usaram o navegador livremente, sem hesitar em fazê-lo.

      Estilos de curiosidade

      Os estilos de curiosidade que acabamos de ver e os 5 tipos de curiosidade acima estão relacionados. Deve-se notar que os Estilos de Curiosidade, mostrados como padrões de navegação na Wikipedia, não são estilos fixos, ou seja, uma pessoa não é apenas um caçador ou apenas um caçador. Fofoca, mas pode mudar o estilo de comportamento curioso dependendo de como ela está se sentindo e o tipo de curiosidade que ela está demonstrando. Isso quer dizer que a dimensão do caçador-coletor é um continuum muito variável, que depende mais do contexto do que da própria personalidade.

      Nesse mesmo estudo, os pesquisadores aplicaram um questionário antes de conduzir cada sessão de navegação na enciclopédia com a intenção de entender quais fatores influenciam o surgimento de um ou outro estilo de curiosidade. Entre esses indicadores estavam a curiosidade do tipo curiosidade e a busca por emoções. Como mencionamos, o primeiro seria a curiosidade em preencher lacunas de conhecimento que parecem estressantes, enquanto o segundo estaria relacionado a sentir novas sensações, a sentir experiências emocionantes.

      Esses mesmos pesquisadores perceberam, ao medir a busca por sensações antes de fazer a sessão de navegação na Wikipedia, que as pessoas tendiam a dar passos mais longos, ou seja, pular de um assunto para outro, quando esse tipo de dimensão era alto. O mesmo acontecia se os participantes indicassem menos sensibilidade à falta, não sentindo a necessidade de se aprofundar no que estavam lendo, características típicas de um estilo de fofoca.

      Vendo isso, eles levantaram a hipótese de que o tipo de curiosidade do momento influencia o estilo de comportamento curioso que se manifesta. Se você precisa estudar para um exame ou se aprofundar em um determinado tópico que seremos avaliados, a sensibilidade à ausência é apresentada e um estilo de caçador é aplicado. Por outro lado, se você está lendo ou pesquisando para se divertir, querendo descobrir algo novo, um estilo do tipo fofoca é aplicado, mostrando que podemos ser uma coisa e outra dependendo do nosso propósito.

      Referências bibliográficas:

      • David M. Lydon-Staley et al. (2020). Caçadores, ocupados e construindo redes de conhecimento associadas a uma curiosidade pela privação, Nature Human Behavior DOI: 10.1038 / s41562-020-00985-7
      • Kashdan, Todd e Stiksma, Mel e Disabato, David e Mcknight, Patrick e Bekier, John e Kaji, Joel e Lazarus, Rachel. (2017). A escala de curiosidade de cinco dimensões: capturando a largura de banda da curiosidade e identificando quatro subgrupos exclusivos de pessoas curiosas. Personality Research Journal. 73. 10.1016 / j.jrp.2017.11.011.

      Deixe um comentário