Os 3 tipos de memória sensorial: icônica, ecóica e tátil

Existem muitas suposições diferentes sobre como a memória humana funciona que muitas vezes se sobrepõem. Nos últimos anos, a pesquisa esclareceu aspectos-chave da memória sensorial, um dos conceitos mais antigos da psicologia científica aplicada a esse processo básico.

Neste artigo, vamos definir as características de os três principais tipos de memória sensorial que foram descritos até o momento: memória icônica, ecóica e háptica, que trabalham com estímulos visuais, sonoros e táteis, respectivamente.


    O que é memória sensorial?

    A memória sensorial nos permite reter as informações obtidas pelos sentidos por um curto período de tempo; posteriormente, esses sinais serão rejeitados ou transmitidos para outros depósitos de memória de longo prazo, memória de trabalho e memória de longo prazo, através dos quais estímulos imediatos podem ser operados.

    O conceito de “memória sensorial” foi inventado por Ulric Gustav Neisser em 1967. Seu modelo foi baseado na pesquisa básica e definiu a memória sensorial como uma gravação encurta a duração, Capacidade ilimitada e pré-categórica, ou seja, anterior ao processamento cognitivo da informação e conseqüentemente de outras para o controle consciente.

    Anteriormente, em 1958, Donald Eric Broadbent havia proposto a existência de um sistema perceptivo pelo qual todos os estímulos sensoriais passariam antes de atingir a memória de curto prazo e serem filtrados para o processamento consciente dos elementos mais relevantes.

    Em sua formulação original Neisser considera que existem dois tipos de memória sensorial: O icônico, que processa as informações visuais, e o ecológico, a partir de estímulos auditivos e verbais. Posteriormente, foram encontradas fortes evidências para apoiar a existência de memória háptica, relacionada ao toque e à propriocepção.

    Tipos de memória sensorial

    Embora se considere que provavelmente existam memórias mnemônicas de curta duração para todos os sentidos, aquelas que foram estudadas com mais profundidade são memória emblemática, ecológica e tátil.

    1. Memória emblemática

    O tipo de memória sensorial mais procurado é a icônica, que registra informações visuais. As contribuições mais relevantes para esse fenômeno foram feitas por George Sperling nas décadas de 1950 e 1960, mas autores posteriores como Neisser, Sakkit e Breitmeyer atualizaram a concepção de memória icônica.

    Por meio de seus estudos pioneiros com o taquistoscópio, Sperling concluiu que as pessoas temos a possibilidade de manter 4 ou 5 elementos simultaneamente depois de olhar por um tempo um grande conjunto de estímulos. Outros pesquisadores descobriram que a memória icônica persiste por cerca de 250 milissegundos.

    Nesse caso é chamado de “ícone” na impressão visual que guardamos na memória de curto prazo. Atualmente, há um debate se esta ICNE está localizada no sistema nervoso central ou periférico; em qualquer caso, a visão predominante é que a memória icônica é fundamentalmente um artefato de laboratório sem validade ecológica.

    Muito provavelmente, esse fenômeno está relacionado à persistência de estimulação neuronal ao nível do fotorreceptor localizados na retina, ou seja, cones e bastonetes. Esse sistema poderia ter a função de permitir o processamento de estímulos visuais pelo sistema perceptivo.

      2. Memória ecológica

      Semelhante ao Iconic, Ecoic Memory foi definido como uma gravação pré-categórica, de curta duração e de capacidade muito alta. Ele difere do icônico por tratar de informações sonoras em vez de visuais.

      Eco-memória retém estímulos auditivos por pelo menos 100 milissegundos, Permitindo-nos discriminar e reconhecer sons de todos os tipos, inclusive os que compõem a fala, que podem ser segurados por até 2 segundos; portanto, a memória ecóica é fundamental para a compreensão da linguagem.

      Entende-se que esse tipo de memória registra as informações auditivas em forma de sequência, enfocando suas propriedades temporais. Em parte, o período de tempo que a pegada ecológica é retida depende das propriedades do estímulo, como complexidade, intensidade e tom.

      Um fenômeno notável em relação à memória ecóica é o efeito recência, específico desse tipo de memória. Consiste no fato de que nos lembramos do último estímulo (ou documento) que processamos melhor do que outros que foram apresentados imediatamente antes.

      A memória ecológica foi associada ao hipocampo e a diferentes áreas do córtex cerebral: o pré-motor, o pré-frontal ventrolateral posterior esquerdo e o parietal posterior esquerdo. Lesões nessas áreas resultam em déficits na percepção dos estímulos visuais e na velocidade de reação a eles.

      3. Memória háptica

      Este conceito é utilizado para designar uma memória mnemônica que trabalha com informações táteis e, portanto, sensações como dor, calor, coceira, formigamento, Pressão ou vibração.

      A memória háptica tem capacidade para 4 ou 5 elementos, como a icónica, embora a impressão seja mais longa, cerca de 8 segundos neste caso. Este tipo de memória sensorial nos permite examinar objetos pelo toque e interagir com eles, por exemplo, para agarrá-los ou movê-los corretamente.

      Acredita-se que existam dois subsistemas que compõem a memória háptica. Por um lado encontramos o sistema cutâneo, que detecta a estimulação da pele, e por outro lado proprioceptivo ou cinestésico, Relacionado a músculos, tendões e articulações. A propriocepção deve ser diferenciada da interocepção, que envolve os órgãos internos.

      A memória háptica foi definida mais recentemente do que a icônica e a ecóica, de modo que as evidências científicas disponíveis em torno desse tipo de memória sensorial são mais limitadas do que as outras duas que descrevemos.

      Memória háptica depende do córtex somatossensorial, Principalmente regiões localizadas no lobo parietal superior, que armazenam informações táteis. Da mesma forma, o córtex pré-frontal, fundamental para o planejamento do movimento, também parece estar envolvido nessa função.

      Deixe um comentário