Os 14 tipos de vício e suas características

Os vícios geralmente estão associados aos vícios, tanto a substâncias como tabaco ou álcool quanto a comportamentos específicos, como sexo ou videogames.

O vício geralmente tem um componente emocional, psicológico e cognitivo e geralmente envolve um impacto social, de saúde, de relacionamento, profissional e até econômico.


Desnecessário dizer que existem tipos muito diferentes de vícios, alguns dos quais não se enquadram no que podem ser considerados vícios prejudiciais. Então vamos descobrir sobre os tipos de defeitos mais famosos.

    O que queremos dizer com vícios?

    São muitos os tipos de vícios, porque, para começar, tudo depende do que entendemos por defeito. Um vício é geralmente algum tipo de falha, falta ou mau hábito que normalmente esfrega a linha entre o moral e o imoral ou o bom e o mau. Uma vez que moralidade e correção são aspectos fortemente dependentes do contexto sócio-culturalÉ compreensível que o que é visto como defeito em uma cultura não o seja em outra.

    Geralmente, os vícios envolvem uma transgressão das normas sociais e muitas vezes estão associados ao crime e ao perigo. Esses comportamentos podem resultar em danos para a pessoa que os executa e também podem prejudicar seu ambiente imediato. Por exemplo, o consumo de substâncias como a maconha ou o álcool leva a danos no nível individual, principalmente no nível orgânico, mas também pode causar um comportamento agressivo perto de você.

    Em inglês, existe um termo mais ou menos semelhante à palavra espanhola “vice”: vice. Esta palavra é usada na jurisprudência anglo-saxônica para se referir a atos criminosos menores, como prostituição, jogo, libertinagem e obscenidade. Essa ideia de vício tem muito a ver com uma perspectiva cristã cujos comportamentos são morais e quais não são, em particular aqueles que envolvem a realização de certos pecados capitais.

    Terminar, na linguagem popular, falamos sobre os vícios nessas atividades que fazemos com muita frequência e com grande entusiasmo, Embora isso não deva necessariamente levar a danos diretos à nossa pessoa ou ao nosso redor Por exemplo, podemos dizer que temos o hábito de dançar, tomar sorvete, jogar xadrez, jardinagem …

    Os tipos de defeitos mais comuns

    A seguir veremos os diferentes tipos de vícios existentes e quais são os mais representativos de cada grupo.

    Vícios e vícios

    Em muitos casos, a palavra “vício” se refere a vícios, tanto em substância quanto em comportamento. Esses defeitos causam danos à saúde de gravidade variável e, sendo vícios, são considerados problemas psicológicosPortanto, não importa o quão moralmente transgressores sejam, eles devem ser tratados com o propósito claro de curar a pessoa.

    1. Dependência de pílulas e outras drogas

    Um dos vícios mais sérios é o vício em pílulas e outras drogas, sejam legais ou não. Entre essas drogas, podemos encontrar substâncias como sais de banho, cocaína, crack, ecstasy e cetamina, mas também pílulas legais como a vasta gama de drogas que podem ser encontradas no mercado.

    Sendo um tipo de vício no qual drogas de uma ampla variedade de legalidades estão incluídas, seu consumo pode ser percebido como moral ou amoral dependendo da natureza da pílula. Por exemplo, o vício em analgésicos não é considerado tão transgressivo quanto o uso de heroína.

    2. Alcoolismo

    O alcoolismo é a dependência do álcool que envolve uma série de mudanças comportamentais e orgânicas, prejudicando gravemente a saúde física e psicológica do indivíduo. Os alcoólatras não podem deixar de consumir suas bebidas alcoólicas favoritas e, com cada bebida, o efeito prejudicial em seu corpo aumenta.

    Essa dependência é progressiva, pois a pessoa vai precisar cada vez mais da substância para poder sentir os efeitos agradáveis ​​que o álcool lhe oferece no curto prazo. Você sentirá que está no controle do que consome e só precisa de um pouco de álcool para “entrar em sintonia”, mas já começará a apresentar problemas cognitivos.

    3. Ludopatia

    Vício em jogos de azar é o nome dado ao vício em jogos de azar, Como a roleta, o blackjack, as máquinas caça-níqueis e, embora possa parecer surpreendente, a loteria. Na maioria dos casos, trata-se de jogos que podem ser encontrados em casinos, locais onde se apostam grandes somas de dinheiro.

    As pessoas viciadas em jogos de azar pensam que estão no controle do que apostam ou que, mais cedo ou mais tarde, a Deusa Fortuna lhes dará alegria. O problema é que a sorte é mimada e as chances de ganhar estão sempre contra você.Assim, acabam perdendo muito dinheiro e sofrem sérios problemas financeiros.

    4. Fumaça

    Fumar vicia o tabaco e é um dos mais aceitos socialmente, então não é de se estranhar que também seja o vício mais comum. Embora os anúncios de tabaco sejam virtualmente proibidos e os jovens não sejam mais bombardeados com mensagens para usá-los, a verdade é que até hoje não são poucos os jovens que fumam.

    Embora tenham sido feitas tentativas de aumentar a conscientização sobre os riscos do tabagismo e os danos que causa, principalmente ao coração e ao sistema respiratório, aumentando o risco de câncer, a verdade é que os jovens continuam a ser atraídos por este vícioSe eles vierem, o formato de cigarro eletrônico está ganhando popularidade.

    Seja porque vêem isso como um ato de rebelião ou porque querem ser um dos fumantes, muitas vezes visto como o mais legal, o tabaco é o vício mais comum.

    5. Vice para novas tecnologias

    O desenvolvimento de novas tecnologias permitiu que as pessoas estivessem mais conectadas do que nunca. Esses dispositivos permitem uma comunicação rápida e fácil, aproximando pessoas que podem estar fisicamente muito distantes.

    Mas nem tudo é uma vantagem, pois a Internet, os videogames e os telefones celulares se tornaram vícios perigosos entre os jovens do século XXI.

    Quer se trate de jogos online, mensagens de texto, navegação nas redes sociais ou ficar na Internet o dia todo assistindo a vídeos de gatinhos, o vício em novas tecnologias é um fato real que causa grande preocupação.

    As pessoas podem priorizar manter-se atualizadas e não perder nada antes de cumprir suas obrigações acadêmicas, profissionais e familiares.

    Além disso, a Internet não é trivial. É por meio dessa telecomunicação que tem sido incentivada a transmissão de “notícias falsas” e comentários críticos com a aparência ou hobbies de pessoas sob perfis anônimos, diminuindo a autoestima e a desinformação.

    6. Vício no trabalho

    É preciso trabalho para sobreviver, não há dúvida disso. No entanto, existem muitas pessoas que acabam desenvolvendo o vício do trabalho, priorize o cumprimento de todas as metas de trabalho antes de prestar atenção à sua família ou ao seu próprio bem-estar.

    O vício no trabalho tem sido chamado de “workaholism” e “karachi” (em japonês para “morte por excesso de trabalho”) e pode prejudicar seriamente a saúde de uma pessoa porque ela não dá valor ao que está acontecendo enquanto trabalha. : sua própria vida.

    7. Dependência sexual

    O vício em sexo, também conhecido como vício em sexo, hipersexualidade ou ninfomania é o comportamento busca sexual causada por um desejo insaciável de fazer sexo.

    Esse grande desejo sexual, dependendo de sua gravidade, pode ser considerado um simples vício, pouco prejudicial a um grave distúrbio psicológico que deve ser tratado. A ninfomaníaca pode arriscar sua saúde se não tomar as medidas profiláticas apropriadas.

    8. Vício para o esporte

    Praticar esportes é saudável, contanto que seja feito dentro dos limites do que se considera desejável e nós não somos. não obcecado. O esporte é considerado um vício quando você se exercita tanto durante o dia que deixa de lado as obrigações.

    As pessoas praticam tanta atividade física que, longe de ganhar massa muscular ou de ter melhor saúde, passam a desgastar as articulações e a sofrer danos nos ossos, como joelhos ou pés.

    Essa obsessão pode chegar a forçar a pessoa a seguir uma dieta extremamente rígida, impedindo-a de sair com os amigos para tomar cerveja ou jantar porque você não quer comer outra coisa senão o que você foi forçado a comer. comer.

      Vícios da vontade

      Em linguagem legal, falaríamos de vícios de vontade a um ato involuntário realizado em um contexto criminal. São certas condições que impedem o autor de um crime de ser julgado como se tivesse plena consciência ou liberdade para fazer o que fez, não sem receber algum tipo de punição.

      1. Ignorância ou erro

      A ignorância ou o erro é entendido como defeito de vontade significa que uma pessoa cometeu uma ação, mas não sabia quais as consequências que isso acarretaria.. Sim, ela será julgada, mas não estar totalmente ciente do que estava fazendo será diferente.

      2. Dolo

      Luto refere-se à falsificação, dissimulação ou engano por uma das partes envolvidas na prática de um crime. A pessoa não executou uma ação voluntariamente, mas foi enganada.

      3. Violência ou intimidação

      As ações realizadas sob ameaça de violência ou intimidação envolvem o medo de que a pessoa seja submetida a algum tipo de punição ou desonra, não sendo considerada voluntária a ação sobre a vítima decorrente da ação intimidatória de seu agressor.

      Vício e virtude

      Os vícios de virtude são comportamentos considerados socialmente negativos ou imorais, quer envolvam ou não danos reais à pessoa que os pratica ou ao seu ambiente.

      Eles podem ou não ser crimes dependendo do código legal de cada paísMas o que está fora de dúvida é que eles implicam uma certa transgressão das normas sociais desta cultura.

      Uma virtude, por exemplo, é um traço de personalidade considerado desejável no contexto da sociedade, como ser altruísta ou gentil. Também incluídos nesta definição seriam considerados pecados, entendidos como aqueles traços ou comportamentos pessoais que nos afastam dos desejos da religião, ou que nos impedem de ter a salvação garantida.

      No caso do Cristianismo, as virtudes teológicas são três: esperança, fé e caridade. Os pecados são orgulho, ganância, luxúria, raiva, garganta, inveja e preguiça. Outras virtudes seriam a responsabilidade, a generosidade, a honestidade e a pontualidade, que embora não necessariamente peca, a sua transgressão pode, no contexto de cada cultura, ser considerada um comportamento vicioso.

      Os vícios da linguagem

      Por mais estranho que possa parecer, a palavra vício também é usada para se referir a fenômenos linguísticos que contradizem os padrões gramaticais ou dificultam a compreensão entre os falantes., Escrito e oral. Alguns desses defeitos linguísticos são os seguintes.

      1. Pleonasmo

      Um pleonasmo é uso de palavras redundantes na mesma frase, Como seria o seguinte: “Hoje vou à casa de John entregar a scooter de John para John porque John a deu para mim ontem e não a devolveu para John ainda.”

      Esta mesma informação poderia ser veiculada por uma frase menos redundante: “hoje vou ter com o Joan para lhe entregar a scooter que ele me deu ontem e eu ainda não tinha devolvido”.

      2. Apocope

      O apócope é a elisão de algumas letras de uma palavra para ganhar velocidade ou som. Pode ser apresentado dialeticamente, embora isso, em tese, não seja um defeito da linguagem em si, mas sim uma amostra da diversidade intralinguística.

      Falaríamos de um caso gramaticalmente incorreto de apótopo dizendo, por exemplo, “primeiro” em vez de “primeiro” quando o substantivo é feminino. Por exemplo: “esta é a primeira vez que faço isso” em vez de dizer “esta é a primeira vez que faço isso”

      3.Queísmo e Dequismo

      Queísmo e dequeísmo são duas falhas comuns de linguagem. Os dois fenômenos consistem a subtração (queísmo) ou adição desnecessária (dequeísmo) da partícula gramatical “de” em certos tipos de frases.

      Por exemplo, um caso de engano seria “Estou feliz que este atleta se aposentou” em vez de “Estou feliz que este atleta se aposentou”. Por outro lado, falaríamos de dequismo na seguinte frase “Ele me disse para ir à sua casa”. em vez de dizer “ele me disse para ir à casa dele”.

      Referências bibliográficas:

      • Little, Philippa (2003). Virtudes e vícios: e outros ensaios sobre filosofia moral. Estados Unidos: Oxford University Press.
      • Lewis, CS (2005). Virtude e vício: um dicionário da boa vida. Estados Unidos: Harper One.
      • Hess, Kären M.; Orthmann, Christine Hess (2008). Introdução à aplicação da lei e justiça criminal. Belmont, Califórnia: Wadsworth. ISBN 978-0-495-39090-9.

      Deixe um comentário