Memória de reconhecimento: o que é, suas características e como funciona

A memória declarativa, também conhecida como memória explícita, é uma das duas classes fundamentais de memória de longo prazo nas pessoas (a outra é a memória procedural/implícita). Essa memória possibilita evocar memórias de forma consciente, sejam esses eventos ou fatos concretos. Dentro da memória declarativa, encontramos, entre outras, a memória do reconhecimento.

Neste artigo, explicaremos o que é um fenômeno de memória de memória de reconhecimento. e qual a sua utilidade no quotidiano das pessoas, sendo um elemento fundamental ao nível cognitivo.


    O que é memória de reconhecimento?

    A memória de reconhecimento é aquele tipo de memória que permite que as pessoas estejam cientes de que um certo estímulo à sua frente foi encontrado há muito tempo. Em outras palavras, esse tipo de memória é a capacidade das pessoas de identificar um determinado estímulo, pessoa, objeto ou situação como algo que foi experimentado, visto ou conhecido antes; sendo a memória de reconhecimento um subtipo dentro do conjunto geral que compõe a memória declarativa das pessoas.

    A memória declarativa, como já mencionamos anteriormente, é aquele tipo de memória que possibilita evocar conscientemente as memórias, que podem ser esses eventos ou fatos concretos. Portanto memória declarativa é o que nos permite acessar o conhecimento de qualquer coisa que possa ser declarada como dados, conceitos, fatos, eventos; em outras palavras, permite-nos acessar todas as informações que podem ser lembradas e faladas conscientemente.

    A memória de reconhecimento pode ser processada de duas maneiras, seja por memória/identificação (conheci essa pessoa na semana passada em um evento) ou por familiaridade (por exemplo, seu rosto me é familiar) de um determinado estímulo ou situação. No primeiro caso, a identificação dessa pessoa exigia um processo consciente de elaboração para poder reconhecê-lo por meio de um caminho indireto de identificação, enquanto no segundo caso de identificação direta em que não ocorreu nenhum processamento consciente foi necessário.

    Em ambos os casos (reconhecimento da memória por familiaridade ou por familiaridade), deve estar presente um estímulo associado que promova a ativação da memória. Uma vez que um estímulo desencadeou a memória através da memória de reconhecimento, essa memória pode estar localizada em qualquer ponto ao longo de um continuum na memória, de modo que outras memórias relacionadas possam surgir.a partir de uma sensação incerta de lembrar corretamente como é esse estímulo ou situação para poder lembrar com todo o luxo dos detalhes de uma experiência passada.

    Alguns dos aspectos que fazem da memória de reconhecimento uma ferramenta no nível cognitivo fundamental, que em muitos aspectos facilita a vida cotidiana das pessoas, é porque permite a recuperação e uso à vontade de certas memórias que foram armazenadas a longo prazo. memória de termo, de modo que, por meio de estímulo, a memória de reconhecimento permite que as pessoas recuperem memórias que foram “enterradas” em sua memória e, ao mesmo tempo, examinem partes dessa informação recuperada.

    O que diferencia principalmente a informação recuperável através da memória de reconhecimento de outros tipos de memória de longo prazo é que capacidade de recuperar e rever memórias e informações relacionadas, conforme necessário; enquanto outras memórias de memória de longo prazo, como saber andar de bicicleta, não são recuperadas da mesma maneira, e é que mesmo que não andemos de bicicleta há anos, se andarmos agora, não teríamos problemas pedalar sem pensar na mecânica de como fazê-lo.

      Exemplos da vida quotidiana onde intervém a memória da gratidão

      A memória do reconhecimento ocorre em muitas situações do nosso cotidiano, como quando encontramos alguém na rua e temos a estranha experiência de ter quase certeza de que conhecemos essa pessoa; no entanto, somos incapazes de lembrar quem ele é, quando nos conhecemos, muito menos qual é o seu nome.

      Ocasionalmente pode levar alguns segundos ou também pode levar mais tempo para nos lembrarmos da situação que encontramos no passado. ou mesmo recordamos o seu nome graças a um estímulo ou a uma memória relacionada que nos faz lembrar o momento em que conhecemos essa pessoa, sendo nestes casos em que a memória de reconhecimento cumpriu correctamente o seu papel ao favorecer a evocação de uma memória.

      Outra experiência muito semelhante em que a memória de reconhecimento entra em jogo é quando fazemos um exame tipo teste, onde você tem que escolher a resposta correta entre várias alternativas para cada questão, e optamos por uma opção específica porque temos certeza disso seu conteúdo é o que mais concorda com o exigido, embora não nos lembremos em que parte do programa que estudamos foi afirmado; no entanto, nesta situação não precisamos de uma memória que inclua elementos de experiências passadas relacionadas.

      Quando você responde a um exame do tipo teste, os alunos puderam responder às perguntas corretamente com base em sua familiaridade com o que leram. É por isso que o relatório de reconhecimento é uma ferramenta muito importante para os alunos que têm de prestar um exame de tipo teste, como acontece muitas vezes em muitos exames que se realizam na fase universitária, quando passam na teoria do exame para obter o cartão de condução ou mesmo durante vários exames (por exemplo, exames de admissão para formação de especialistas em saúde como PIR, MIR, FIR, etc.).

        Modelos teóricos de processo duplo na memória de reconhecimento

        Existem vários modelos teóricos de processo duplo que foram usados ​​para estudar como a memória de reconhecimento funciona, por isso é importante explicarmos os mais importantes abaixo.

        1. O modelo neuroanatômico

        Modelo neuroanatômico de memória de reconhecimento de Aggleton e Brown postula que a região do hipocampo do cérebro é essencial para a memória, assim como as estruturas próximas ao hipocampo para a familiaridade.. Isso explicaria por que os pacientes que sofrem de lesões específicas do hipocampo apresentam déficit seletivo de memória; além disso, pacientes com danos mais extensos, sendo acometidos pela rotação parahipocampal, apresentam dificuldades tanto de memória quanto de familiaridade.

        Por outro lado, muitos modelos neuroanatômicos associam a memória de reconhecimento ao circuito que conecta o hipocampo ao tálamo anterior através do fórnice, para que o processo de memória seja facilitado; enquanto o circuito que conecta o tálamo medial ao córtex peririnal (uma área adjacente ao hipocampo) facilita o processo de familiaridade. Além disso, essas projeções cerebrais que vão do tálamo ao lobo frontal envolvem essa parte do cérebro nos dois processos de memória de reconhecimento. (memória e familiaridade).

          2. Modelo de Atkinson

          O modelo de Atkinson e seus colaboradores é outro dos modelos teóricos que permitem explicar os processos que intervêm na memória de reconhecimento dos seres humanos. Esses pesquisadores propuseram na década de 1970 um modelo de busca condicional no qual os avaliados tiveram que responder rapidamente ao item, com base em sua familiaridadedesde que esse processo não produza uma resposta ambígua, o que exigiria uma estratégia de busca mais ampla.

          Este modelo concebe o processo de familiaridade na memória como uma ativação de nódulos em um armazenamento lexical, de modo que cada um dos nódulos representaria um objeto ou palavra específica.

          Então, quando a pessoa acessa um nódulo, ela ativa uma ativação, diminuindo com o passar do tempo. Portanto, ao realizar um teste de memória de reconhecimento, os nódulos que correspondem aos itens estudados anteriormente são geralmente, em média, mais ativados do que os correspondentes a itens que não foram estudados e é por isso que a ativação de Nodes permite distinguir entre dois tipos diferentes de elementos.

          De acordo com este modelo teórico de memória de reconhecimento, o processo de memória suporta informações semânticas, enquanto o processo de familiaridade fornece memória para informações perceptivas.

            3. Modelo de Mandler

            O modelo de Mandler e seus colaboradores guarda apenas na memória o reconhecimento uma decisão média pode ser baseada tanto no processo de recuperação da memória quanto na classificação de familiaridade do item.

            Assim, quando um evento é estudado, há um aumento na familiaridade ou ativação, ou seja, a integração intra-item dos fatores perceptivos do item estudado. A memória também suporta o processo de busca que suporta os processos de reconhecimento e recuperação, graças ao qual a informação pode ser recuperada dentro dos itens (informação que permite que um evento seja vinculado ao seu contexto ou também a outros eventos); em vez disso, a familiaridade apoia as decisões tomadas por meio da memória de reconhecimento.

            Para esses autores, familiaridade e memória são dois processos independentes que operam em paralelo., sendo a familiaridade um processo mais rápido que a memória. Além disso, é um modelo que postula que existe uma associação entre o baixo desempenho em tarefas de memória e o sofrimento de lesões do lobo temporal medial.

            Referências bibliográficas

            • Online Cecilio, D. (2005). Uma revisão de modelos de memória de reconhecimento e seus resultados empíricos. PSIC – Revista de Psicologia da Vetor Editora, 6 (2), pp. 23-32.
            • Fernández-Rey, J. & Redondo, J. (20 de novembro de 2007). Memória de reconhecimento de estímulos pictóricos: vieses induzidos pela emotividade do estímulo. infocop.
            • Gordillo, F. et ai. (2010). Reconhecimento de emoções e memória: discriminando informações negativas como um processo adaptativo. Psicotema, 22 (4), pp. 765-771.
            • Martinez, T. (2012). Treinar a memória e intervir nas reminiscências: dois guias de dois ângulos. Madrid: Editorial Médica Panamericana.
            • Triglia, A., Regader, B., & García-Allen, J. (2016). Psicologicamente falando. Barcelona: Paidos.

            Deixe um comentário