Cronopatia: características da obsessão em aproveitar o tempo

Vivemos em uma sociedade em que podemos afirmar que somos governados pela tirania do relógio. Do acordar ao adormecer, pensamos em como aproveitar ao máximo o tempo, preenchendo todas as lacunas possíveis para vivenciar aquele sentimento subjetivo tão desejado que somos produtivos, que não perdemos tempo.

O problema é que, se o ideal é tirar o máximo proveito disso ao mesmo tempo, se ficarmos obcecados, não apenas sentiremos que o estamos perdendo, mas no final os minutos vão acabar escorregando por entre os nossos dedos. como os adultos fazem nas paredes de uma ampulheta.


A obsessão com o tempo e seu uso é chamada de cronopatia.. Não é um transtorno mental, mas é um problema potencialmente fatal que resulta em vários problemas de saúde mental. Descobrimos abaixo o que é.

    Cronopatia: a obsessão com o tempo

    Cronopatia (Chron, “deus do tempo; tempo” e pathos “sofrimento”) é o nome dado a a obsessão de algumas pessoas em aproveitar ao máximo seu tempo.

    Dizemos “verdade”, mas dependendo de como você olha para a verdade é que todo mundo tem esse problema em maior medida porque em nossa sociedade ocidental existe uma máxima muito consagrada, quase tirânica, que deve ser abandonada no passado. Somos ensinados desde cedo que devemos fazer de tudo para aproveitar ao máximo as 24 horas que constituem o nosso dia.

    Embora algumas pessoas usem seu tempo melhor do que outras, muitos acabam desenvolvendo uma preocupação doentia com o pensamento de que o tempo está escapando por entre seus dedos. Essa preocupação lhes causa estresse, ansiedade e tensão emocional, além de um sentimento de inutilidade e se consideram menos responsáveis ​​do que os outros.

    Embora a cronopatia seja uma fonte de desconforto, ela não é considerada um transtorno mental. Se procurarmos em um manual de diagnóstico de transtorno mental, como o DSM ou o CIE, não o encontraremos.

    Contudo, Só porque ele não aparece nesses livros não significa que não precisamos nos preocupar ou merecer tratamento.. A conseqüência irônica da cronopatia de algumas pessoas é que elas realmente perdem tempo obcecadas em se divertir.

    Dentro deste problema não está apenas a necessidade de satisfazer a demanda social de ser constantemente produtivo, mas inclui também o problema, a enorme dificuldade de parar e descansar. As pessoas que sofrem de cronopatia não conseguem parar apesar do cansaço e também têm dificuldade em aproveitar o momento, a família e os pequenos prazeres da vida.

    O conceito de cronopatia se popularizou nos últimos anos graças ao livro da psiquiatra Marian Rojas Estapé, “Como fazer coisas boas acontecerem com você” (2018). A tendência de tentar aproveitar o dia-a-dia pode acabar sendo prejudicial, fazendo com que o indivíduo sacrifique sua sanidade em busca de tentar passar mais horas do dia do que já possui. Rojas Estapé fala sobre o equívoco, prevalente em nossa sociedade ocidental, de que “precipitação e aceleração produzem resultados cada vez maiores”.

    Em nossa sociedade, acreditamos que o que é certo, o que é certo, é estar ocupado. Se por acaso reconhecermos que a nossa agenda é um pouco livre, que tem um pouco de vazio, dá-nos a impressão de que seremos julgados, que seremos considerados como uma pessoa que não aproveita o tempo ou que é um pouco hedonista e desorganizado. Podemos até nos surpreender e julgar quem lhe diz que tem tempo livre e não sabe o que fazer com ele.

      Consequências da obsessão com o tempo

      Se é normal querer aproveitar ao máximo o seu tempo, Ficar obcecado em fazer o melhor pode ter consequências graves para o nosso bem-estar e saúde mental.. Isso pode ser demonstrado de muitas maneiras em nosso dia a dia, o que ironicamente pode desperdiçar nosso tempo, nos sentimos oprimidos por não podermos aproveitá-lo ao máximo e perdemos a oportunidade de passar um tempo significativo e agradável com áreas importantes da vida, como família e amigos.

      Por pensar constantemente em como aproveitar ao máximo o tempo e por acreditar que, se pararmos, perderemos muito tempo, o estado de constante aceleração e hiperatividade nos impede de pensar com clareza. Como não paramos ou pensamos com calma, não podemos pensar com frieza e, portanto, não podemos refletir conscientemente sobre o que estamos fazendo ou prestar atenção em como o fazemos. Para pensar com clareza, temos que levar nosso tempo, e correr é exatamente o oposto.

      Ironicamente, a obsessão em aproveitar o tempo acelera a percepção do tempo. Como temos a impressão de que o tempo está passando por nossos dedos, ele acaba chegando. Ou seja, quanto mais obcecados estamos em aproveitar ao máximo o tempo, maior é a sensação de que o estamos desperdiçando, de que está acontecendo mais rápido do que deveria e de que os dias são mais curtos. Dá a impressão de que não está se espalhando para nós.

      A preocupação em ser produtivos pode chegar a tal ponto que nos desconectamos de nossas próprias emoções, o que pode ser considerado um dos principais aspectos patológicos da cronopatia, ainda que, como mencionamos antes, não. Não é um transtorno mental. . A cronopatia nos afasta de nossas próprias emoções e nos faz prestar mais atenção em como aproveitar o tempo, em vez de prestar atenção ao que está acontecendo com nossa psique e nosso corpo.

      Não temos tempo ou pausa para ouvir o que nosso corpo está nos dizendo, nossas próprias emoções e para identificar eventos emocionais relevantes. Porém, mais cedo ou mais tarde iremos notá-los, não porque paramos, mas porque esses estados emocionais se tornaram tão intensos que dificilmente podemos continuar ignorando-os. Tensão excessiva, ansiedade e estresse são emoções comuns em pessoas afetadas pela cronopatia e, embora possam passar despercebidos na consciência, nosso corpo e nossa saúde mental acabarão sofrendo por eles.

        Como se livrar da cronopatia?

        Embora reiteremos que a cronopatia não é um transtorno mental, está claro que seu efeito é psicológico e deve ser superado a fim de desfrutar de uma vida plena e bem-estar emocional. Se você sofre de uma grande obsessão em aproveitar o tempo e sofrer com isso, você deve vá ver um psicólogo para ver o que podemos fazer lá. A psicoterapia pode ajudar as pessoas com cronopatia a parar e aproveitar o momento, sair do horário e entender que não aproveitar ao máximo o dia não significa incompetência.

        Para combater a obsessão por produtividade e tempo, aqui vão algumas dicas.

        1. Não sature sua agenda

        É fundamental que, para não cair na obsessão de aproveitar o tempo, a agenda não fique saturada.. Sempre que possível, as tarefas devem ser removidas do calendário para que as tarefas restantes possam ser concluídas sem problemas. Dessa forma, a pessoa ficará mais ciente do que está fazendo e não se sentirá tão saturada com a sensação de estar sem tempo.

          2. Procure títulos com os quais você possa lucrar

          É imprescindível buscar uma obrigação que gostemos, uma tarefa da qual não podemos nos livrar, mas tem algo que pode ser apreciado, como se fosse um hobby.

          Pode ser complicado às vezes, mas se você for bem-sucedido, o nível de alegria e a sensação de aproveitar o tempo aumentarão dramaticamente.

            3. Deixe os espaços não planejados

            Pode parecer contra-intuitivo, mas a verdade é que deixar lacunas não planejadas ajudará a combater a sensação de perda de tempo.

            É altamente recomendável deixar um espaço vazio em nosso calendário ou agenda, uma porção não planejada de tempo dedicada exclusivamente ao nosso descanso, um descanso anárquico, descontraído e no qual o melhor que podemos fazer é absolutamente nada. Parando por uma hora, encontraremos uma maneira de aproveitar ao máximo o resto do dia de forma saudável e produtiva.

              4. Aproveite o processo

              Tentar aproveitar o processo em vez do resultado é uma boa maneira de transformar esse desejo de aproveitar o tempo em um sentimento subjetivo de que esse desejo já foi realizado. Se pensarmos no que queremos terminar, o que fazemos é começar imediatamente com a próxima tarefa, quando terminarmos. vai nos fazer sentir como se estivéssemos com pressa e, como resultado, não fomos capazes de aproveitar ao máximo o nosso tempo..

              É melhor fazer uma coisa boa do que duas coisas ruins e é esse o sentimento que isso nos dá. Aproveite o processo, esteja ciente dele e aprenda com quaisquer erros que possam surgir durante ele. É através disso um aprendizado que nos dará a impressão de estarmos aproveitando ao máximo e, além disso, iremos valorizá-lo.

              Referências bibliográficas

              • Castanedo, CC (ed.). (2000). Como fechar um negócio inacabado. Gestaltnet.
              • Rojas, M. (2019). Como fazer coisas boas acontecerem com você (1ª ed.). Diane.
              • Velarde-Jurado, E., & Avila-Figueroa, C. (2002). Avaliação da qualidade de vida. Mexican Public Health, 44 (4), 349-361.script = sci_arttext & pid = S0036-36342002000400009 & lng = es & tlng = ca.
              • SA (3 de junho de 2019). Aprenda a não fazer nada Você é obcecado por “perder” tempo? O que é cronopatia. Cornetim.

              Deixe um comentário