4 maneiras de mentirmos um para o outro

Por mais que sejamos animais racionais, isso não significa que tenhamos uma imagem razoável e realista do que mais temos à mão: nós mesmos. Pode parecer contra-intuitivo, mas ter acesso a quase todas as informações sobre quem somos e como nos sentimos não significa que seja confiável.

Na verdade, há muitas situações em que quem nos entende melhor são os outros, Pelo simples fato de ser outra pessoa. A visão preconceituosa de si mesmo é um fardo que cada um carrega, enquanto nossos amigos, familiares e colegas já têm a vantagem de nos observar de um ponto de vista mais distante e muitas vezes analítico.


Resumidamente, existem muitas maneiras de mentirmos para nós mesmos, a fim de não comprometer certos aspectos de nosso próprio estado de espírito.

    A importância da dissonância cognitiva

    Por que tentamos permanecer cegos para os aspectos da realidade dos quais não gostamos, se conhecer a nós mesmos pode ser útil para resolvê-los? A resposta está em um conceito bem conhecido no mundo da psicologia: dissonância cognitiva.

    Você reconhece aquela sensação de desconforto que experimenta quando percebe que duas crenças com as quais você se preocupa ou pelo menos parecem razoáveis ​​para você? Aqui está a chave. Para resumir um pouco, dissonância cognitiva é o estado de tensão que surge quando duas ou mais crenças entram em conflito, Como eles são incompatíveis.

    Existem várias maneiras de evitar a dissonância cognitiva ou de cessar sua existência, e muitas delas não nos levam a compreender melhor a realidade a partir do reflexo do que pensávamos saber até agora. Nesse caso, o que acontece é que estamos errados. Isso acontece de maneiras diferentes, como veremos agora.

    Dessas maneiras, mentimos para nós mesmos

    Embora não pareça ser o caso, a maioria das pessoas fica mais do que feliz em recorrer ao autoengano para manter intacta a imagem mental de quem somos. E é que a imagem de si mesmo é muito delicada e, às vezes, os mecanismos que utilizamos para não confrontá-la com a realidade são automáticos.

    No entanto, pelo mesmo motivo que tentamos preservar automaticamente essa autoimagem, é difícil perceber aqueles momentos em que erramos.

    Para tornar mais fácil para você identificar os sinais de aviso de autoengano, abaixo você pode ver as 4 maneiras pelas quais tendemos a dar errado.

    1. Para confundir necessidade e vontade

    Em muitas ocasiões, situações em que uma parte domina a outra eles estão camuflados sob uma falsa imagem de liberdade. Por exemplo, existem relacionamentos em que a cola que temos em ambos os lados é simplesmente o medo da solidão de um lado. Esse medo faz com que o relacionamento continue seu curso, embora seja claramente prejudicial e assimétrico.

    Nesses casos, a pessoa que fica por causa da dinâmica viciante acredita que todos os momentos desconfortáveis ​​que está vivenciando se devem aos sacrifícios que devemos fazer pelo amor romântico. Qualquer indicação de que o que realmente está acontecendo é que seu parceiro, o vampiro, será ignorado por todos os meios.

    Aliás, algo semelhante acontece várias vezes na relação que os recém-viciados têm com a substância que consomem.

    2. Brinque com o significado das palavras

    Quando se trata de aliviar o desconforto causado pela dissonância cognitiva, uma das estratégias mais comuns é mudar nosso sistema de crenças para dar um novo significado a qualquer um daqueles que entraram em contradição e, assim, fazê-lo “caber” bem no mesmo estado de espírito.

    Se isso resultar em uma reflexão profunda sobre nossas crenças e chegarmos a aceitar que a realidade não é tão simples quanto pensamos inicialmente, talvez seja uma experiência construtiva e informativa. Mas se o único objetivo perseguido com isso é apaziguar o mais rápido possível essa ansiedade nascida da incerteza de não saber em que acreditar, cairemos no autoengano.

    Mais precisamente, o que costumamos fazer nesses casos é “mexer” um pouco com os conceitos que usamos para entender certas partes da realidade. para que seu significado se torne mais ambíguo e a ilusão acredita que a ideia que antes estava em confronto com eles, agora se encaixa.

    Por exemplo, alguém que pode acreditar que a homossexualidade não é natural porque não promove a reprodução, mas quando confrontado com a ideia de que muitos heterossexuais decidem não ter filhos, defende a ideia de que a homossexualidade não é natural porque é uma anomalia estatística, etc. . . para dar ao conceito de “não natural” tantas definições quantas forem necessárias.

    3. Evite o contato com ideias perigosas

    Outra maneira de estar errado é ignore completamente qualquer uma dessas “idéias perigosas”, Não dê atenção a ele, esvazie-o. Desse modo, é comum que se alguém trouxer esse tópico de conversa, o outro responda com um “bom, não estamos discutindo” ou, sarcasticamente, com um “bom, tudo bem, só você. Tem a verdade absoluta” . Essas são maneiras de vencer uma discussão ao não vencê-la, um recurso preguiçoso para não ficar em uma situação difícil.

    4. Acreditar que só nós somos únicos

    É um pensamento muito recorrente que serve de escudo para a nossa autoimagem, quando tudo ao nosso redor nos chama a atenção para o fato de que temos um problema. Basicamente, é acreditar que não importa o quanto o mundo exterior seja governado por verdades objetivas, nosso caso é único e especial, E ninguém pode nos dizer o que está acontecendo conosco ou o que vai acontecer conosco.

    Por exemplo, é bem assim com o vício do tabaco: vemos que quem fuma mais de três charutos por dia tem sérios problemas para parar, mas achamos que nós, que fazemos o mesmo, não desenvolvemos vício e temos problemas se queríamos abandonar esse hábito.

    Deixe um comentário