Personalidade imatura: quais indicadores a definem?

Maturidade psicológica ou personalidade madura parecem, a priori, um objetivo principal no desenvolvimento individual do ser humano. Isso é definido como o fenômeno que ajuda a direcionar a vida pessoal de uma forma que promove a realização de objetivos e resultados psicológicos.

No entanto, de acordo com Rojas (2001), a personalidade madura deve ser entendida como um processo dinâmico e sujeito a mudanças, no qual as experiências de uma pessoa moldam continuamente seu próprio caráter e traços de personalidade.


A maturidade psicológica é composta por características muito diversas e complexas, nas quais a combinação de aspectos afetivos e intelectuais ou cognitivos passa a ser o ponto principal.

Assim, a personalidade madura pode ser definida como o conjunto de habilidades que denotam o fornecimento de conhecimento adequado sobre afetividade, bem como a capacidade de formar uma opinião e ter um critério razoável e sensato baseado em argumentos sólidos e válidos. Tudo isso permite um desenvolvimento satisfatório nos diversos campos pessoais: relações familiares, laços sociais ou o campo acadêmico-profissional.

    O que é afetividade e por que é importante saber gerenciá-la?

    O conhecimento da afetividade e sua expressão adequada é um componente muito relevante de uma personalidade madura. Mas o que é afetividade? Este conceito é definido como a capacidade do indivíduo de reagem psíquica e subjetivamente, por meio de emoções e sentimentos, a estímulos internos e externos.

    Essas reações afetivas produzem mudanças internas à pessoa que são descritas de acordo com as seguintes dimensões: prazer-desprazer (se o estímulo é agradável ou desagradável), excitação-tranquilidade (se o estímulo aumenta ou atenua a resposta nervosa do indivíduo), tensão -relaxamento (se o estímulo cria um alerta ou resposta distendida no sujeito), abordagem-rejeição (se o estímulo gera uma atração ao apego ou distância da pessoa) e bloqueio de ativação (se o estímulo empurra ou impede o indivíduo de agir )

    Compreender e gerenciar efetivamente a eficácia é definido por uma habilidade essencial que é compreender o papel das emoções e sentimentos, bem como a crença de que são fenômenos transitórios que podem ser regulados e controlados por recursos e estratégias psicológicas.

    Esse fato é crucial, pois é considerado fator fundamental para o estabelecimento de relações interpessoais saudáveis ​​e satisfatórias.

      Consequências da imaturidade emocional

      A ignorância ou gestão ineficaz da afetividade nas pessoas pode levar a uma série de déficits ou problemas que dificultam sua relação com o meio ambiente.

      Por exemplo, em relacionamentos românticos ou íntimos, as pessoas emocionalmente imaturas tendem a construir relacionamentos românticos em bases fracas e inconsistentes, de modo que uma ideia do relacionamento (ou amor) é idílica e irracional demais.

      Em tais casos, a probabilidade de desenvolver uma dependência emocional do parceiro pode ser maior, uma vez que a outra parte da relação é concebida como “o todo”, e nenhum espaço é gerado para intrigas vitais individuais fora deste reino sentimental.

      Assim, a forma de oferecer e receber afeto (ou amor) torna-se disfuncional seja pelo excesso, como ocorre quando se estabelece a dependência emocional ou idealização do casal, seja pela inadimplência, quando ocorre, há o desconhecimento e a incapacidade de compreensão e expressar adequadamente a afetividade. .

      Outra consequência, talvez mais a médio e longo prazo, ligada à imaturidade emocional, está ligada à significativa dificuldade em montar um projeto de parceria com um nível de compromisso que permite forjar um vínculo onde experiências, afinidades e objetivos comuns são compartilhados.

      Estabelecer esse compromisso duradouro exige a disposição das partes em cultivar esse vínculo e mantê-lo ao longo do tempo. Assim, pode ser possível que depois de se apaixonar (mais emocional e subjetivamente) a pessoa fique emocionalmente imatura. pode não ser capaz de perpetuar uma união sentimental em termos apropriados ao mesmo tempo.

        Indicadores de imaturidade emocional

        De acordo com Rojas (2001), há uma série de indicadores específicos que podem ser úteis na identificação de um padrão de imaturidade emocional:

        • A existência de uma lacuna entre a idade cronológica e a idade mental da pessoa.
        • Falta de conhecimento do próprio ser, que envolve ignorar como as situações influenciam as cognições, emoções e comportamento final de um indivíduo.
        • Um nível significativo de instabilidade emocional, de forma que a flutuação de diferentes estados emocionais é excessivamente desproporcional e desregulada.
        • Falta de capacidade para assumir responsabilidades pessoais, baixa autonomia e tendência a depender dos outros.
        • Uma perspectiva distorcida, irracional ou tendenciosa da realidade, onde pode haver abordagens egocêntricas e não empáticas.
        • Falta de um projeto vital de longo prazo, o que implica falta de capacidade de analisar, refletir ou tomar decisões equilibradas.
        • Baixo nível de conhecimento das emoções, bem como um grau insuficiente de inteligência emocional que fundamenta um critério saudável e justo.
        • Sob o poder do sacrifício ou da vontade de estabelecer metas e objetivos próprios, de curto, médio e longo prazo.
        • Um nível baixo ou incongruente de internalização de valores morais e éticos.

        Referências bibliográficas

        • Rojas, E. (2001). Quem é Você? Da Personalidade à Autoestima (4ª ed.). Temas do dia: Madrid.

        Deixe um comentário