Existe estabilidade nos traços de personalidade?

A ideia de que os traços de personalidade das pessoas não mudam perceptivelmente ao longo da vida é amplamente aceita. Seguindo essa premissa, presumiríamos que nossos traços de personalidade permanecerão estáveis, apesar das mudanças sociais e biológicas pelas quais passamos ao longo dos anos.

Essa ideia de que há estabilidade nos traços de personalidade, sendo um aspecto bastante universal, permite que as pessoas tenham alguma confiança em prever seus próprios comportamentos e daqueles ao nosso redor, bem como servir. ajuda-nos a fazer planos a longo prazo (por exemplo, estudar uma carreira considerando que esta será sempre a nossa vocação).


Neste artigo, vamos falar sobre quão verdadeira é a ideia de que há estabilidade nos traços de personalidade ou, inversamente, como estas evoluem ao longo da vida, de acordo com os diversos estudos realizados sobre o assunto.

    Existe realmente estabilidade nos traços de personalidade?

    No campo do estudo da personalidade, dentro da psicologia, tem havido muito debate sobre se houve mudanças ou estabilidade nos traços de personalidade ao longo dos anos.

    Enquanto os pesquisadores em psicologia da personalidade colocam mais ênfase no estudo de traços que permanecem estáveis ​​nas pessoas ao longo de suas vidas, a psicologia clínica enfatiza mudanças nas pessoas durante o processo terapêutico.

    As duas perspectivas poderiam ser consideradas igualmente válidas, pois em cada um dos campos os objetivos são diferentes e, além disso, o centro de estudos são as duas faces da mesma moeda, o que tem permitido que as pessoas se adaptem a determinadas circunstâncias. que significa mudanças ajudam um indivíduo a se adaptar ao ambiente, enquanto a estabilidade ajuda um indivíduo a se relacionar com os outros, faça previsões e reconheça a si mesmo.

      Mudanças e estabilidade de traços de personalidade ao longo do ciclo de vida

      Considerando a importância dos dois fatores, mudança e estabilidade dos traços de personalidade, entraremos em mais detalhes abaixo o que cada um é.

      1. Mudar traços de personalidade ao longo da vida

      Existem 3 fatores, entre diferentes níveis, que determinam as possíveis mudanças nos traços de personalidade ao longo do ciclo de vida.

      O nível 1 seria o de traços disposicionais, que são os traços de personalidade que mantêm uma certa estabilidade ao longo dos anos e também possuem uma consistência transitória, ou seja, em diferentes situações, esse nível de personalidade é o mais estável.

      O nível 2 seria o de interesses ou preocupações pessoais, um nível com muito mais mudança do que o nível 1, estando vinculado a desejos ou motivações individuais, portanto, pode ser um nível de personalidade que fornece mais informações sobre uma pessoa.

      O nível 3 é a história da vida; está ligada à verdadeira identidade de uma pessoa e é neste nível que ocorrem as mudanças fenomenológicas da personalidade, realmente difíceis de observar. Este nível, ligado à história de vida, integra a própria existência de uma pessoa para que possa responder quem é e para onde vai a sua vida, o que permite a cada um organizar a sua própria biografia.

      Se o nível 2 se refere ao que um indivíduo faz, o nível 3 vai além, explicando para onde essa pessoa está indo e quem ela quer se tornar, sendo uma parte fundamental de sua própria identidade. A sua história de vida, incluída no nível 3, combina elementos como ideologias, episódios importantes da sua vida que o marcaram, aspirações vitais e também o legado que poderá deixar no final da vida às gerações.

      Como podemos ver a partir desses três fatores, mudanças nos traços de personalidade geralmente estão presentes apenas em certos aspectos, são aqueles que estão associados a interesses, necessidades ou metas e objetivos que se manifestam em diferentes fases da vida das pessoas, podendo-se dizer que, nessa perspectiva, não há mudanças substanciais nos traços de personalidade ao longo do ciclo vital, com alguns os traços de personalidade têm maior probabilidade de mudar do que outros traços que permanecem mais estáveis.

      Por outro lado, existem perspectivas sobre isso que determinam que as mudanças seriam determinadas por disposições estáveis ​​de personalidade. Eles também indicam que o contexto em que a vida de um indivíduo se desenvolve e certas circunstâncias que foram desencadeadas no ambiente daquele ambiente em que vive, que determinaram essas mudanças, poderiam ser determinados de antemão pelas tendências de sua própria personalidade para se mover. nesses ambientes.

        2. Estabilidade dos traços de personalidade ao longo do ciclo de vida

        A estabilidade dos traços de personalidade ao longo do ciclo de vida recebeu suporte empírico notável por meio de vários estudos.

        De acordo com Jacques, os traços de personalidade de uma pessoa atingem uma estabilidade bastante consolidada por volta dos 30 anos, enquanto para outros autores que se dedicaram ao estudo da personalidade, os traços continuam um processo de estabilização por um período mais longo e não atingem o pico de estabilidade até os 50 anos.

        De qualquer forma, a maioria concorda que há um alto grau de instabilidade nos traços de personalidade ao longo do ciclo de vida.

        De acordo com estudos realizados seguindo o modelo dos “cinco grandes”, verificou-se que há alguma diminuição nos traços de extroversão, neuroticismo e abertura para a experiência ao longo dos anos, enquanto os outros traços principais de personalidade, responsabilidade e gentileza, aumentam com a idade, embora nenhuma mudança muito significativa ocorra após os 30 anos, o que reforçaria a teoria original de James.

        Em suma, vários estudos mostraram que cerca de 75% da variância dos 5 principais fatores de personalidade mantém a estabilidade ao longo da vida, então apenas 25% ou o que é o mesmo, um quarto, está aberto a mudanças, o que é bastante. Significativo, embora há uma proporção maior em termos do grau de estabilidade dos traços de personalidade.

        Por outro lado, esses estudos mostraram que a estabilidade dos traços de personalidade geralmente está ligada a fatores genéticos ou hereditários, seja qual for a experiência de vida da pessoa, ou seja, o contexto ou o ambiente, então essa ideia parece um pouco limitada, e isso é que as mudanças nos traços podem mudar dependendo do contexto de cada um, porque cada fator é composto por um grande número de caracteres que podem variar com o tempo, embora o valor geral do fator permaneça estável.

          3. Modelo que incorpora aspectos de mudança e estabilidade de traços de personalidade

          Em 1994, McAdams desenvolveu um modelo que incorporava mudança e estabilidade nos traços da personalidade humana., tendo em conta os 3 níveis de organização mencionados na secção sobre mudanças (traços de disposição, interesses pessoais e história de vida), que actuam em paralelo ao nível das funções e estrutura da personalidade, havendo espaço para cada um dos níveis para mudança e estabilidade dos traços de personalidade .

          A estes 3 fatores ou níveis iniciais, para este novo modelo integrador, foram acrescentados dois outros fatores que influenciam as mudanças e a estabilidade da personalidade: o papel da evolução e os aspectos culturais.

          O papel da evolução refere-se ao fato de que as variações na personalidade de cada pessoa são influenciadas por um desígnio evolucionário, de modo que todos os humanos, não importa quão únicos, sigam padrões de mudança comuns a todos os outros. .

          O papel diferencial da cultura refere-se a influência nas experiências de vida de cada um de acordo com o contexto cultural em que sua vida se desenvolve, tendo um impacto maior no seu processo de adaptação ao meio do que diretamente nos traços de personalidade, pode-se dizer que a cultura exerce sua influência sobre histórias de vida das pessoas, portanto, afeta a parte psicossocial da identidade das pessoas, tendo aspectos em comum com outras pessoas pertencentes à mesma cultura.

          Referências bibliográficas

          • APIR (2019). Manual de psicologia da personalidade. Madrid: APIR.
          • Benavente, MH e Quevedo-Aguado, deputado (2014). Sobre a personalidade madura. Madrid: Editorial CCS.
          • Bermúdez, J., Pérez, AM, Ruiz, JA, Sanjuán, P. e Rueda, B. (2011). Psicologia da personalidade. Madrid: Universidade Nacional de Educação a Distância.
          • Bermudez, J. (2017). Personalidade e curso de vida. A J. Bermúdez, AM Pérez e P. Sanjuán. Psicologia da personalidade: teoria e pesquisa. Volume II (pp. 168-200). Madrid: Universidade Nacional de Educação a Distância.

          Deixe um comentário