Comportamento passivo-agressivo: suas 10 características

A agressão é uma característica básica em muitos animais que habitam a Terra. O mais comum é que se trate de uma gama de atos motivados pelo medo e / ou raiva, mas outras realidades também podem estar envolvidas, sendo o fim ligado à própria sobrevivência (como dominação sexual, territorialidade, etc.).

É, portanto, um fenômeno que geralmente se projeta para fora e que se torna muito evidente no momento em que é expresso. Causa dano físico objetivo a outrem ou tem intenção dissuasiva em relação a situações interpretadas de maneira hostil ou perigosa (gestos, intenções, ameaças, etc.).


Em humanos, entretanto, a agressão pode assumir formas muito mais sutis, que passam despercebidas com a mesma rapidez e o objetivo é causar danos menos óbvios (mas igualmente graves) do que os observados até o momento.

Nestes casos, estamos falando sobre o comportamento passivo-agressivo, um fenômeno que usa nossas habilidades e habilidades cognitivas para proteger atos sociais hostis as consequências afetam dolorosamente a vida emocional. Neste artigo, discutiremos essa questão interessante em detalhes.

    O que é comportamento passivo-agressivo?

    O comportamento passivo-agressivo foi visto há alguns anos como parte de um transtorno de personalidade estruturado com sua própria entidade clínica. Apesar disso, nas edições posteriores ao terceiro DSM, foi excluído para evitar o possível sobrediagnóstico que parecia precipitar. Daquele momento até hoje foi considerado um traço que acompanha as psicopatologias de personalidade do grupo B (Principalmente o narcisista, o borderline e o anti-social), embora nem sempre apareçam juntos.

    São comportamentos de natureza não verbal, ainda que às vezes também possam suportar o peso de palavras explícitas, ou portadoras de uma raiva sórdida e escondidas por trás da máscara de sua frágil ficção.

    Portanto, até mesmo os silêncios podem expressar um corte afiado ou se tornar a arma para cavar feridas emocionais. A raiva surge como o estado interno mais comum, embora se opte por não revelá-la a outras pessoas, resultando em uma forma de abuso psicológico que prejudica gravemente os entes queridos e corrói a qualidade do vínculo.

    O comportamento passivo-agressivo não visa a resolução de conflitos, mas visa a expressão ambígua de emoções e a produção de uma queixa silenciosa. Porém, só poderia ser considerado verdadeiramente patológico uma vez que se consolidou como a dinâmica social mais comum nas relações interpessoais. Vamos ver, com mais detalhes, o que é.

    Características mais importantes do comportamento passivo-agressivo

    Aqui estão algumas das características básicas de personalidades passivo-agressivas. Nem todos os indivíduos que demonstram isso cumprem totalmente, mas geralmente é apresentado um modelo que os combina de uma maneira particular para cada caso.

    1. Resistência passiva e ambigüidade

    É comum que a atitude passivo-agressiva trabalhe com o que se chama de resistência passiva.. Nesse caso, a pessoa demonstraria total concordância com o que está sugerindo e poderia até aceitar de bom grado tais pedidos de ajuda, mas mais tarde agiria como se realmente tivesse objeções. Ele pode dispensar a responsabilidade correspondente ou proceder de maneira deliberadamente incômoda, de modo que o resultado final se torne insuficiente ou contraproducente. Dessa forma, ele demonstraria seu desacordo com o pedido inicial que lhe era feito, mas sem comunicá-lo abertamente.

    Essa ambigüidade tem um caráter intencional e busca arrastar o outro para um terreno onde há imprevisibilidade ou descontrole absoluto, estendendo um véu opaco sobre as verdadeiras intenções. É por isso que as reclamações sobre essa situação tendem a uma réplica distorcida, já que o sujeito passivo-agressivo recorre a se livrar da responsabilidade com desculpas como: “Tentei com todas as minhas forças, mas não foi. Não poderia.

    2. Sensação de incompreensão e falta de estima

    Pessoas que freqüentemente exibem comportamento passivo-agressivo freqüentemente fazem declarações constantes sobre se sentirem incompreendidas pelos outros, ou usam todos os tipos de chantagem emocional para obter o benefício que procuram. Entre eles, é comum acusar os outros de falta de afeto, ou fazer comparações caras nas quais os outros estão envolvidos, como “você trata bem a todos menos a mim” ou “por que não me ama”. . Com essa atitude, tóxica e intencional, procuram manipular o afeto do interlocutor.

    Quem é sujeito dessas práticas pode acabar se sentindo culpado por coisas pelas quais não tem qualquer responsabilidade, o que padece de sua própria autoestima (até que compreenda os verdadeiros motivos do outro e relativize seu efeito).

      3. grosseria

      A grosseria é uma característica central das pessoas passivo-agressivas. Isso aparece como uma atitude áspera, rude e cruel que se desdobra para perceber a agitação em suas interações com os outros. O comum é que eles atiram em um crítico, e seu objetivo é criar uma atmosfera incômoda em que uma “reviravolta” é causada que os beneficia ou reverte o fardo das “acusações”. Em outras palavras, ele procura reconhecer que outros reagiram exageradamente ao expressar seu descontentamento.

      À medida que você se dá bem com essas pessoas, e principalmente se a proximidade começou na infância, é muito provável que a capacidade de interagir de forma assertiva seja reduzida (trocas pelas quais os próprios direitos são defendidos no respeito aos seus direitos).

      4. Desprezo pela autoridade

      Sujeitos passivo-agressivos eles têm enorme dificuldade em reconhecer a autoridade dos outrosPorque acham muito difícil tolerar a imposição de regras diferentes àqueles que escolhem para si e para os outros. Essa característica se agrava na adolescência, estágio evolutivo em que muitas vezes há uma resposta oposta (reatância) às hierarquias e ao poder, embora neste caso permaneça com a mesma intensidade na idade adulta. Assim, eles não distinguem claramente entre o respeito pelas regras pelas quais a vida é governada em comum e a homenagem à opressão.

      É muito comum nessa forma de sentir e de agir relatar problemas de naturezas muito diversas, que vão desde a desadaptação ao contexto da vida profissional ou universitária até o risco de sanções por desobediência a figuras legítimas de autoridade.

      5. Inveja

      A inveja também é um traço comum para a hipótese em questão e interage muito intimamente com outras das descritas nesta lista. Embora possam felicitar os outros por seus sucessos e serem numerosos para conhecê-los, nutrem neles uma emoção negativa por causa disso (e em particular por não serem capazes de compreendê-los ou considerá-los). As vezes, eles vêm para minimizar a relevância desses méritos extraterrestres e enfatizar as falhas anteriores, Ou mesmo riscos que podem ser diluídos ou sem sucesso no futuro.

      Eles também podem acusar outros de que o sucesso se deve a fatores externos, não relacionados a seus esforços e habilidades. Por exemplo, muitas vezes enfatizam a contribuição do acaso, da sorte ou da própria exigência da tarefa (“foi muito fácil”).

      6. Reclamações de azar

      A tendência queixosa / pessimista é comum em pessoas com uma atitude passivo-agressiva. Uma atitude caracterizada pela autocondescendência e pelo desejo de que os outros tenham pena deles, pelo que não hesitam em proclamar todos os infortúnios que lhes aconteceram como a raiz do que podemos culpá-los. Freqüentemente, levam os outros a acreditar que seus fracassos foram causados ​​por fatores externos, como destino ou fortuna, e até mesmo acusam outros de boicotar seus esforços para conseguir aquilo a que resistiram.

      Curtiu isso, eles raramente admitem seus erros, Embora se preocupem em mostrar as dos outros. É por isso que eles costumam dizer de si mesmos que são pessoas sinceras, mesmo que negligenciem (ou degradem) todo o bem que seus semelhantes têm ou fazem.

        7. Oscilação entre atitude provocativa e arrependimento

        Embora a atitude que temos diante de nós seja geralmente caracterizada por uma expressão de violência velada, às vezes aqueles que a demonstram estão conectados de forma racional e beligerante (como se gostassem de navegar em um ambiente nublado pelo conflito).

        Freqüentemente, lutam para empurrar seus entes queridos para guerras infrutíferas, que sem dúvida animam por meio de comentários prejudiciais e do vazamento de segredos a eles confiados (“Vou lhe contar uma coisa, mas não diga que sim. Já falei”). Com o tempo, eles geralmente são vistos como “nada pode ser explicado”..

        No momento em que a fúria do conflito é resolvida e os envolvidos analisam o motivo, podem acabar se aliando contra a pessoa passivo-agressiva que motivou tal situação hostil. Quando solicitados por explicações, é mais comum que respondam negando todos os fatos e gerando versões alternativas (que incluem a mentira). Finalmente, quando colocado em um cenário do qual não tem como escapar, ele opta por orar por perdão e despertar sentimentos de piedade.

        8. auto-sabotagem de trabalho que você não quer fazer

        Uma coisa muito comum, intimamente associada ao traço passivo-agressivo, é a sabotagem de todas as atividades que atendem à demanda externa. Em tais casos, quando pedimos algo que não é realmente desejado, surge uma atitude de obstrução que desespera o reclamante. Esquecimento, lentidão, má colaboração e até PROCRASTINAÇÃO; são respostas deliberadas que procuram motivar uma forma sucinta de agressão: obstáculos ao trabalho / responsabilidades acadêmicas, atrasos em projetos compartilhados, etc.

        Outras vezes, o que o sujeito ouve está gerando um preconceito que o libera de qualquer responsabilidade pelo futuro, pois não confiaria mais nele e poderia se dedicar às atividades que lhe interessam.

        9. Proteste que outras pessoas fazem exigências excessivas e tendem a discutir demais

        Para fugir de suas responsabilidades, às vezes chegam a acusar outros de pedirem muito trabalho, a ponto de irem além de seus meios de sobrevivência. por isso eles podem relatar que se sentem “estressados” pelas atividades que foram atribuídas a eles, Embora não haja nenhuma evidência razoável para esta reclamação. Ao se aprofundar nas razões dessas negativas, aludem a uma série de argumentos desvendados, depois dos quais a realidade se esconde: exercendo uma forma de agressão velada (privando-os da ajuda de que precisam ou estimulando o vício).

        10. Obstrução dos esforços de outros

        Além de não participar de esforços articulados para atingir um objetivo comum, as pessoas passivo-agressivas podem se envolver em violência, tornando difícil para outras pessoas terem sucesso em suas próprias tarefas.

        Tudo isso poderia ser realizado por meio de “ações” diretas (mas sutis) ou por meio de ataques à linha de água emocional. (Desestimular, semear insegurança, aumentar as exigências de uma tarefa, promover eventos que dificultem a dedicação de esforço ou tempo necessário, etc.).

        O objetivo de tudo isso seria evitar o sucesso dos outros, gerar preconceitos velados e até mesmo estimular uma situação infeliz na qual se encontra o objeto de sua agressão latente.

        Referências bibliográficas:

        • Hopwood, C. e Wright, A. (2012). Uma comparação de transtornos de personalidade passivo-agressivos e negativos. Journal of Personality Assessment, 94 (3), 296-303.
        • Kaplan, R. e Norton, D. (2005). Organização passivo-agressiva. Harvard Business Review, 83 (10), 82-92.

        Deixe um comentário