Como saber se você tem tendência à introversão ou extroversão

Pessoas amigáveis, atrevidas, tímidas, sociáveis ​​… esses são adjetivos que costumamos usar quando falamos dimensão social das pessoas. No entanto, muitos desses conceitos não são encontrados apenas no conhecimento popular: a ciência também se preocupou em estudá-los.

Um dos tópicos mais interessantes é a relação entre introversão e extroversão, Bem como o estudo de suas bases biológicas.


O anterior: analise introversão e extroversão

Carl Jung foi o primeiro autor a trabalhar com os conceitos de introversão e extroversão de forma sistemática. Em seu livro Psychologische Typen (Tipos psicológicos), Jung fala sobre dois tipos de atitudes que definem uma pessoa: que os interesses sejam focados fora e a esfera social, e aqueles orientados para esfera privada. Esses são, respectivamente, os tipos psicológicos de extroversão e introversão. Além disso, Jung traça um paralelo entre a introversão e o arquétipo apolíneo (introspecção, racionalidade, medida), enquanto o tipo psicológico de extroversão corresponde ao dionisíaco (desordem, busca de novidades e interesse pelo mundo das sensações.).

Parece claro que Jung tentou enfatizar a relação de incompatibilidade e exclusão mútua entre essas duas categorias. Essas são atitudes expressamente antagônicas que não apenas afetam a maneira como nos relacionamos com os outros, mas vão além e falam sobre a maneira como nos relacionamos. relacionar-se com o mundo, Nossa maneira de habitar a realidade.

Teoria de Eysenck

Psicóloga alemã Hans Eysenck ele foi outro dos estudiosos a abordar o assunto, embora se apegasse ao método científico, enquanto trabalhava a partir de categorias muito semelhantes às de Jung. Eysenck falou sobre a personalidade, prestando especial atenção ao bases biológicas e a genética humana, que não pode ser aprendida com a experiência, mas que se expressa na nossa forma de adaptação ao meio ambiente. Portanto, ele eleva a relação introversão-extroversão como uma dimensão de temperamento presente em todas as pessoas e é definido a partir da fisiologia por níveis de excitação e inibição (A negação da excitação) em face dos estímulos que experimentamos. Níveis altos ou baixos de excitação podem ser medidos por indicadores como transpiração, condutividade elétrica da pele e leituras de ondas cerebrais.

De acordo com essa teoria, então, e embora possa parecer confuso, o introvertido vive em estado de excitação permanente ou ‘nervosismo’ e, portanto, os estímulos que ele experimenta deixam uma impressão psicológica maior nele, enquanto as pessoas extrovertidos “atribuíram” um estado de inibição crônica relativa da atividade cerebral, E sua reação aos estímulos é menor. A partir dessas tendências, que de alguma forma estão programadas nos genes de cada pessoa, os humanos buscam equilibrar esses níveis de atividade em sua interação com o meio ambiente.

A ativação cerebral relativamente baixa de alguém (devido à inibição neste ambiente interno) está relacionada com a ação de busca de excitação, e isso é conseguido através da participação em atividades socialmente exigentes (Falar na frente de um grande grupo de pessoas, por exemplo) e procurar situações novas e exigentes estar encaminhando algo. Portanto, pessoas extrovertidas foram definidas como propensas ao tédio. Uma pessoa que precisa de situações emocionantes pode ficar sobrecarregada se apenas vivenciar relacionamentos pessoais baseados na repetição e na vida cotidiana.

Em vez disso, de acordo com Eysenck, alguém que é introvertido é porque já vive em um estado de alerta permanenteEmbora não no sentido de estar muito focado no que está acontecendo ao seu redor de propósito, pois é uma propensão não intencional e não depende de onde você está focando sua atenção em um determinado momento. Simplificando, o introvertido é mais sensível ao que está acontecendo ao seu redor, e essa sensibilidade é biológica. Como a excitação já predomina em seu ambiente interno, ela tende a ser socialmente inibida: ela age evitando experiências que elevem ainda mais seu nível de atividade, em busca de ambientes mais estáveis ​​ou previsíveis e, embora seja sociável, desde que quem possa se beneficiar relações com os outros, bem como com extrovertidos, estas relações caracterizam-se pelo facto de não serem muito exigentes socialmente (a ideia pode ser expressa pela frase “Preciso do meu espaço”).

sombra

Como você pode ver, embora timidez e introversão possam parecer a mesma coisa, na verdade é uma semelhança superficial. A timidez se refere antes a um estado de espírito que pode ser explicado como um comportamento aprendido por acreditar que o relacionamento com os outros pode ter consequências negativas, enquanto a introversão é uma disposição biológica que vai muito além de nossos próprios relacionamentos com os outros. No entanto, ainda precisa ser investigado se os padrões de excitação do cérebro são devidos apenas a uma carga genética.

Os dados fornecidos até agora são indicativos e podem ser úteis para refletir sobre as próprias tendências de introversão ou extroversão. Mas também existem testes descritivos de personalidade e modelos que contemplam esses dois extremos. Alguns dos mais conhecidos são o modelo Big Five, o 16PF ou o modelo PEN original da Eysenck, embora sua eficácia seja constantemente debatida.

A importância do contexto

Finalmente, você não pode perder de vista o fator contextual. Por um lado, os diferentes níveis de significado que atribuímos a diferentes contextos significam que em cada um deles nos comportamos de maneira diferente. Alguém que podemos considerar introvertido, por exemplo, pode ficar muito confortável em falar em público se entender que essa é uma forma de verbalizar e organizar certos pensamentos que organizaram em sua mente, especialmente se ele estiver tentando. acredita que está no controle. Da mesma forma, é absurdo pensar que os extrovertidos valorizam positivamente todas as situações que requerem um estado de alerta, acima de qualquer situação “comum”. Traçar uma linha separando introversão e extroversão pode ser útil na academia, mas a realidade sempre transcende qualquer categoria.

Afinal, encontrar um equilíbrio entre a excitação e a inibição é outra forma de adaptação individual ao ambienteE este último, o legado de todos nós, é precisamente este: a capacidade de agir de forma não estereotipada, utilizando estratégias criativas para perseguir um objetivo e resolver problemas. Nenhum rótulo dirá tanto sobre as pessoas quanto sobre sua capacidade de serem imprevisíveis.

Deixe um comentário