4 maneiras pelas quais a infância influencia sua personalidade

Nossas mentes não são tão rígidas quanto uma pedra, mas são definidas como em constante mudança. Mas esse processo não depende apenas da nossa idade (o fato de acumular anos de vida), mas das experiências que vivemos, do que vivemos em primeira pessoa. Na psicologia, a separação entre a pessoa e o meio em que vive, na psicologia, é algo artificial, uma diferenciação que existe em teoria porque ajuda a compreender as coisas, mas que na realidade não existe.

Isso é particularmente visível em a influência de nossa infância na personalidade isso nos define quando atingimos a idade adulta. Por mais que tendamos a acreditar que o que fazemos fazemos porque “somos assim” e é isso, a verdade é que os hábitos e formas de interpretar a realidade que adotamos na nossa infância terão um impacto. Efeito significativo sobre a maneira como pensamos e sentimos após a adolescência.


    É assim que nossa infância influencia o desenvolvimento da personalidade

    A personalidade de um ser humano é o que resume seus padrões de comportamento ao interpretar a realidade, analisar seus sentimentos e criar seus próprios hábitos e não os outros. Ou seja, o que nos faz comportar de uma determinada maneira, fácil de distinguir dos demais.

    Mas a personalidade não emerge de nossa mente sem mais, Como se a sua existência nada tivesse a ver com o que nos rodeia. Por sua vez, as personalidades de cada um de nós são uma combinação de genes e experiências aprendidas (a maioria delas não está em uma escola ou classe de faculdade, é claro). E a infância é precisamente a fase vital em que mais aprendemos e em que cada uma dessas aprendizagens é a mais importante.

    Assim, o que vivemos nos primeiros anos deixa-nos uma marca, uma marca que nem sempre será necessariamente a mesma, mas que terá uma importância decisiva no desenvolvimento do nosso modo de ser e de relacionamento. Como isso pode acontecer? Basicamente através dos processos que você pode ver abaixo.

    1. A importância da inclinação

    Desde os primeiros meses de vida, como ou não sentimos afeto por uma mãe ou pai é algo que nos marca.

    Na verdade, uma das descobertas mais importantes no campo da psicologia evolucionista é que, sem momentos de carinho, contato físico direto e contato visual, as crianças crescem com sérios problemas cognitivos, emocionais e comportamentais. Não precisamos apenas de comida, segurança e abrigo; também precisamos de muito amor, sim. E é por isso que o que podemos chamar de “famílias tóxicas” são ambientes tão perigosos para se crescer.

    Claro, o grau em que recebemos ou não as experiências relacionadas ao tilt é uma questão de graus. Entre a total falta de contato físico e cuidado e a quantidade ideal desses elementos, existe uma ampla gama de tons de cinza, o que possibilita problemas psicológicos que podem parecer mais leves ou mais graves, dependendo do caso.

    Assim, casos mais graves podem levar a retardo mental grave ou até morte (se a privação sensorial e cognitiva ocorrer constantemente), enquanto problemas mais leves no relacionamento com os pais ou cuidadores podem causar, na infância e na idade adulta ficamos rudes, com medo de contar.

      2. Estilos de atribuição

      O modo como os outros nos ensinam a julgar a nós mesmos na infância também influencia muito nossa auto-estima e o autoconceito que internalizamos quando adultos. Por exemplo, pais com tendência de se julgar cruelmente eles nos farão acreditar que todo o bem que nos acontece é devido à sorte ou ao comportamento dos outros, enquanto o mal passa por nossas habilidades insuficientes.

        3. A teoria do mundo justo

        Desde cedo, somos ensinados a acreditar na ideia de que o bem é recompensado e o mal é punido. Esse princípio é útil para nos guiar em nosso desenvolvimento moral e nos ensinar alguns padrões básicos de comportamento, mas é perigoso se passarmos a acreditar nele literalmente, isto é, se tomarmos como certo que é uma espécie de carma real. , uma lógica que governa o próprio cosmos, independentemente do que criamos ou do que fazemos.

        Se acreditarmos firmemente neste carma terreno, isso pode nos levar a pensar que os infelizes são porque fizeram algo para merecê-lo, ou que os sortudos também o são porque fizeram algo para merecê-lo. É um preconceito que nos predispõe em direção ao individualismo e insolidariedade, Além de negar as causas coletivas de fenômenos como a pobreza e acreditar em “mentalidades que nos enriquecem”.

        Assim, a teoria do mundo justo, por mais paradoxal que possa parecer, nos predispõe a uma personalidade baseada na rigidez cognitiva, A tendência de rejeitar o que vai além das regras que devem ser aplicadas individualmente.

          4. Relações pessoais com estrangeiros

          Na infância tudo é muito delicado: em um segundo tudo pode dar errado, devido à nossa ignorância do mundo, e nossa imagem pública pode sofrer todos os tipos de erros. Uma vez que em uma classe escolar, a diferença de idade entre os alunos significa que alguns têm muito mais experiência do que outros, isso pode criar desigualdades e assimetrias óbvias.

          Como resultado, se por algum motivo nos acostumamos a ter medo de interações com outras pessoas, nossa falta de habilidades sociais pode fazer com que passemos a ter medo de relacionamentos com estranhos, o que nos leva a um tipo de personalidade baseada na evitação e a preferência por experiências relacionadas ao já conhecido, o que não é novo.

          Deixe um comentário