Síndrome do sobrevivente: trabalhar em tempos de crise pode ser prejudicial à sua saúde

Síndrome do Sobrevivente

Por quase um ano, Susana Rosales, administradora de uma fábrica em Barcelona, ​​observou com desconfiança enquanto seus colegas eram despedidos um a um. Operadores, vendedores, seus colegas da administração e até o gerente de marketing. “Toda vez que assistia à despedida de um colega ele pensou que seria o próximo. eu senti afortunado continuar trabalhando na empresa, mas era muito estressante pensar que qualquer dia poderia me afetar. Essa situação me afetava no dia a dia e me causava ansiedade e insônia ”, explica Rosales.

Tal como no caso da Susana, a interrupção da normalidade na vida profissional devido ao “reduzir o tamanho“(Downsizing) força os funcionários a adaptar-se a uma nova situação quem pode ter um efeito negativo no bem-estar e na satisfação não só de quem perde o emprego, mas também de quem o mantém. Este fenômeno, primeiro estudado por Noer, É conhecido como “Síndrome do SobreviventeÉ caracterizado por altos níveis de ansiedade e estresse (ou burnout), falta de motivação e comprometimento emocional com a organização, insatisfação generalizada e desconfiança da empresa.


De acordo com a Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho (Eurofound), “muitos fatores afetam o bem-estar dos trabalhadores e o ambiente económico e social é extremamente importante neste contexto”. Portanto, ele recomenda: “Fatores psicossociais relacionados ao trabalho, contextos econômicos e contextos sociais que causam desconforto devem ser modificados para reduzir níveis de insatisfação

A verdade é que, diante da impossibilidade de mudar o cenário econômico ou político de um país durante uma recessão, muitos são afetados por essa síndrome. Um estudo de Jussi Vahtera, investigador do Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional, constatou que “em tempos de crise, quem mantém o emprego aumenta 5 vezes a probabilidade de sofrer de doenças cardiovasculares”. As causas? Aumento do estresse, carga de trabalho excessiva e contínua insegurança no trabalho.

Estresse e burnout e sua relação com a saúde do trabalhador

Conforme discutimos no artigo “Burnout (síndrome de burnout): como detectá-lo e agir”, o estresse e a satisfação no trabalho tornaram-se um fator importante nas últimas décadas no contexto do trabalho. Os riscos psicossociais e o esgotamento estão entre os problemas mais difíceis no domínio da segurança e saúde no trabalho, visto que afetam significativamente as pessoas e as organizações.

Para o trabalhador, isso tem consequências físicas, emocionais ou comportamentais, e para a empresa, afeta negativamente a organização, o ambiente de trabalho, o atuação ou para eles relações interpessoais. Nesse contexto, surgem sentimentos entre os colaboradores como indiferença, desespero no trabalho, maior desmotivação ou um aumento do desejo de abandonar o emprego, o que pode levar ao abandono da profissão em muitos casos. Em muitas empresas, a taxa de absenteísmo é elevada devido a esse fenômeno.

Crise? Mais trabalho e mais incerteza para os sobreviventes

Muitas empresas não estão à margem da crise econômica em que a União Europeia está mergulhada, razão pela qual as demissões estão se tornando comuns dentro das empresas. O sobrevivente do parto a tempos de crise resiste à pressão adicional de muitas vezes ter que trabalhar mais horas para fazer as tarefas de colegas de trabalho que não estão mais lá. Essa pressão e o medo de ser demitida a qualquer momento podem causar irritabilidade, dificuldade de concentração e, em alguns casos, ataques de ansiedade ”, explica Julie Monti na revista Today’s Chicago Woman.

Essa síndrome está se tornando tão proeminente que desperta o interesse de cientistas, organizações, departamentos de recursos humanos e até governos. A Agência dos Estados Unidos para Qualidade e Pesquisa em Saúde fornece evidências científicas ligando número de trabalhadores com o desconforto no trabalho. Este estudo destaca a estreita ligação entre a fragilidade dos recursos humanos e o subsequente aparecimento de estresse, burnout, sintomas psicossomáticos, perda de bem-estar e insatisfação.

Outro estudo, neste caso sobre o impacto da reestruturação nas empresas e na saúde dos trabalhadores, elaborado pela Labor Asociados para o Ministério do Trabalho espanhol e que inclui dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), indica que “ a crise fez com que os trabalhadores enfrentar Através dos e apontam a possibilidade de perder o emprego. ”

Além disso, ele conclui que “eles podem levar a mais acidentes, lesões e até mortes no trabalho devido a cortes de pessoal”.

O que as empresas podem fazer para ajudar os sobreviventes?

Os especialistas recomendam promover uma maior comunicação, maior envolvimento dos funcionários e reconhecimento das emoções que se resumem ao trabalho para ajudar os sobreviventes a reduzir ou eliminar seus sintomas e melhorar o ambiente de trabalho. “Esse medo, causado pela falta de comunicação entre a empresa e o trabalhador, pode acabar gerando ansiedade, angústia, ataques de pânico e episódios de choro”, explica o psicólogo Roger Puigdecanet, da Unidade de Atenção Psicológica.

O que os funcionários não consideram valorizado também é um gatilho para muitos problemas psicológicos dentro da organização. Vários estudos destacam a importância de liderança transformacional quando se trata de reduzir o estresse, melhorando a autoestima, a satisfação no trabalho e aumentando a produtividade. Este tipo de liderança é caracterizado por um alto grau de comunicação com os colaboradores e influência nas crenças e interpretações sobre o significado do trabalho dos trabalhadores, aumentando assim o bem-estar.

De acordo com Peiró, professor da Universidade de Valencia, “o verdadeiro líder transformacional se esforça para fazer o que é certo e justo para todos os stakeholders da organização e pode sacrificar voluntariamente seus próprios interesses pelo bem coletivo. Equipe de trabalho ou organização”.

Após a crise, muitas empresas estão cientes dos efeitos que essa situação pode ter sobre o produtividadeE cada vez mais estão tentando contratar profissionais especializados em motivar pessoas que sobrevivam ao reajuste de pessoal. A diretora da Advantage Consultores, Sylvia Taudien, comenta que “as empresas nos pedem ações de coaching individual ou em grupo para recompor a equipe, aprender a assimilar a mudança e administrar o medo”.

Além disso, Taudien lamenta que “nos deparamos com casos surpreendentes de gestores altamente qualificados e bem remunerados que, em tempos difíceis, não sabem liderar e dar confiança à sua equipe e afundar no próprio sofrimento pela situação da empresa. “

conclusão

Se as empresas estão preparadas para fazer dispensas (especialmente em grande escala), é mais do que provável que os funcionários sofram alguns efeitos da síndrome do sobrevivente. Qualquer maneira, o impacto desta síndrome pode ser reduzido se forem tomadas medidas para compreendê-la e redirecionar as possíveis consequências negativas que possa ter sobre o bem-estar dos trabalhadores.

Uma boa comunicação e um estilo de liderança eficaz podem levar a melhorias na forma como os trabalhadores percebem esta situação e, assim, minimizar as consequências para a sua saúde no trabalho. Melhorar o bem-estar dos trabalhadores também terá um efeito positivo na saúde da organização, ou seja, afetará positivamente seu desempenho no mercado.

Deixe um comentário