Os 3 efeitos psicológicos mais importantes da cafeína

A cafeína é a droga que altera a mente mais amplamente usada no mundo. A maioria de nós provavelmente consome cafeína da maneira usual (ou pelo menos a consumiu durante a vida). Mas, Sabemos quais são realmente os efeitos psicológicos da cafeína?

Neste artigo, tentaremos responder a essa questão, por meio de uma revisão da literatura científica recente. Veremos como seus principais efeitos ocorrem em: pensamento convergente (resolução de problemas) e melhoria da atenção e concentração.


    O que é cafeína?

    Antes de mergulharmos nos efeitos psicológicos da cafeína, vamos dar uma olhada no que exatamente é essa substância. A cafeína, como a maioria de nós sabe, é encontrada principalmente no café; isso é um alcalóide do grupo das xantinas, que atua como uma droga psicoativa. A cafeína é absorvida e passa rapidamente pelo cérebro; portanto, não se acumula no sangue ou é armazenado em qualquer parte do corpo. É excretado na urina.

    O principal efeito da cafeína em nosso cérebro é a estimulação e / ou excitação do sistema nervoso central., Por um mecanismo antagonista não seletivo dos receptores de adenosina. É por essa razão que muitas pessoas consomem cafeína para combater a fadiga ou a sonolência de curto prazo. Além disso, a cafeína também atua como um diurético (ajuda nosso corpo a eliminar fluidos).

    De onde é extraída a cafeína? Principalmente a partir de certos tipos de plantas, embora também possa ser sintetizado artificialmente.

    Efeitos psicológicos da cafeína

    Quais são os efeitos psicológicos da cafeína? Para responder a essa pergunta, vamos dar uma olhada em um estudo recente que examina seus efeitos em diferentes processos cognitivos.

    Como vimos, a cafeína é uma droga psicotrópica; especificamente, o mais consumido no mundo. Os principais efeitos psicológicos da cafeína são: maior vigilância e vigilância, melhora do humor e maior concentração e atenção. Alguns estudos falam mesmo de um possível efeito da cafeína no pensamento criativo.

    1. Concentração e atenção

    Os resultados do estudo que vamos analisar (Zabelina & Silvia, 2020), mostram como o consumo de cafeína produz maior concentração e maior atenção.

    Este estudo usou um desenho randomizado, duplo-cego e controlado por placebo em indivíduos que consumiram 200 mg de cafeína (cerca de uma xícara grande de café americano) vs. aqueles que não consumiram (grupo placebo).

    O estudo se concentrou em analisar os efeitos da cafeína em dois tipos de pensamento: pensamento convergente (resolução de problemas) e pensamento divergente ou criativo (Geração de ideias criativas).

    No geral, os efeitos psicológicos da cafeína mostrados neste estudo são que a cafeína melhora significativamente a resolução de problemas, embora seus efeitos na geração de ideias criativas e / ou na memória de trabalho não sejam tão claros (nenhuma melhora ocorre), como veremos mais tarde.

    Além disso, deve-se mencionar que no estudo eles foram controlados as expectativas dos participantes de que sua crença no consumo ou não de cafeína não afetaria os resultados.

      2. Resolução de problemas

      O estudo mencionado (Zabelina & Silva, 2020) mostrou como o consumo de cafeína (200 mg) foi associado a melhores resultados na resolução de problemas (em particular, resolução mais rápida). Este, por sua vez, estava relacionado com uma melhoria na velocidade de processamento de informações.

      Os efeitos psicológicos da cafeína manifestados neste estudo estão em consonância com os de estudos anteriores, como a pesquisa de Rao et al., 2005.

      Além disso, esses estudos também estabelecem que o consumo de cafeína está associado a uma melhor resolução de problemas (em geral, se a abordagem é mais analítica ou mais holística) e outros processos cognitivos de ordem superior (por exemplo, a inibição da resposta).

      O aumento da atenção assume a forma de, entre outras coisas, tarefas visuais que requerem o uso de atenção seletiva.. Essas descobertas estão relacionadas ao aumento da atividade na área pré-frontal do cérebro.

      3. Pensamento criativo

      Os efeitos psicológicos da cafeína também são extrapolados para o pensamento criativo? Sobre esse tipo de pensamento (também denominado pensamento divergente), a priori, o referido estudo mostra como a cafeína não afetou a geração de ideias criativas.

      Por outro lado, sabe-se que esse tipo de pensamento está associado ao aumento da atividade alfa no cérebro (ligada, por sua vez, ao relaxamento e à inibição da rede). A cafeína reduz a atividade alfa, portanto, seria de se esperar que essa substância reduzisse a geração de pensamentos divergentes..

      No entanto, os resultados não são claros, pois outra linha de trabalho relata interações complexas que ocorrem entre processos cognitivos “de cima para baixo” e “de baixo para cima”. Durante o pensamento divergente.

      resultados díspares

      Quanto aos efeitos psicológicos da cafeína no pensamento criativo ou divergente, não se sabe se tem algum efeito sobre ele.

      No entanto, dependendo do estudo analisado, também pode ser que a quantidade de cafeína dada aos participantes (200 mg) não tenha sido suficiente para produzir um efeito relevante na geração de ideias durante o pensamento divergente. Sim, quantidades maiores (por exemplo, 400 mg) devem ter um efeito negativo sobre esse tipo de pensamento, o que o tornará difícil.

      Mais ou melhores ideias criativas?

      Um fato que merece destaque, e o teste utilizado para avaliar o pensamento divergente no estudo de Zabelina & Silva (2020), denominado ATTA (Divergent Thinking Task Battery), pode refletir principalmente o número de ideias criativas que as pessoas podem gerar, e não tanto a qualidade dessas ideias..

      Isso merece ser levado em consideração porque, poderia “alterar” os resultados, em que os efeitos da cafeína seriam nulos para gerar muitas ideias, mas as poucas geradas poderiam ser muito boas.

      Efeito placebo no estudo

      No estudo Zabelina & Silva, alguns participantes não tomaram a cápsula de cafeína, mas sim uma cápsula de placebo.

      Em conexão com isso, os participantes foram vistos consumindo a cápsula de cafeína. eles eram tão propensos a adivinhar se sua cápsula era cafeína quanto se fosse um placebo (Em outras palavras, as mesmas probabilidades de estar errado); no entanto, os participantes da cápsula de placebo tinham maior probabilidade de estar corretos (dizendo que sua cápsula era um placebo).

      O que há de interessante nesse fato? Que esses resultados são consistentes com o que a literatura anterior disse sobre o assunto (Griffiths et al., 1990), e que a discriminação a esse respeito é reduzida após o consumo de cafeína.

      Referências bibliográficas:

      • Griffiths, RR, Evans, SM, Heishman, SJ, Preston, KL, Sannerud, CA, Wolf, B. & Woodson, PP (1990). Discriminação com baixas doses de cafeína em humanos. Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics, 252 (3), 970-978.
      • Rao, A., Hu, H. e Nobre, AC (2005). Os efeitos das bebidas combinadas com cafeína e glicose na atenção ao cérebro humano. Nutritional Neurosciences, 8 (3), 141-153.
      • Zabelina, DL e Silvia, PJ (no prelo). Idéias para fabricação de cerveja: os efeitos da cafeína no pensamento criativo e na solução de problemas. Consciência e cognição.

      Deixe um comentário