Terapias neurocientíficas: uma revolução na psicoterapia

Quando terminei de dar aulas na Faculdade de Psicologia, os alunos me abordaram para fazer perguntas sobre um tipo de terapia que mencionei em minha apresentação: Terapias neurocientíficas.

Eu disse a eles que é uma forma de terapia que tira proveito das pesquisas mais recentes em neurociência. Em seguida, acrescentei que são opções terapêuticas que ajudam a superar fobias, transtornos de ansiedade, transtorno de estresse pós-traumático e estados de tristeza, entre outros, de forma rápida, profunda, eficaz e permanente ao longo do tempo.


Seus rostos misturados com surpresa e descrença diziam tudo:

“E por que não ouvimos falar disso?”

A tal pergunta eu respondi que essas são terapias que estão atualmente em expansão e são cada vez mais conhecidas. As terapias neurocientíficas começaram na década de 1980 com o “EMDR” (Dessensibilização e Reprocessamento do Movimento Ocular) e foi apenas recentemente, na primeira década do século 21, que se popularizaram.

A partir desse momento, as perguntas dos alunos se sucederam.

Como você trabalha em terapias neurocientíficas?

Em EMDR, por exemplo, funciona imitando movimentos rápidos dos olhos. Todas as noites, quando dormimos, entramos em uma fase de sono profundo (a fase REM), na qual movemos nossos olhos em alta velocidade enquanto sonhamos. Esse mecanismo é totalmente natural e é uma forma de o cérebro reprocessar, ou reduzir e até eliminar o estresse experimentado ao longo do dia ou em outros momentos de nossas vidas. Daí uma das vantagens de poder dormir bem.

A partir desse conhecimento, o terapeuta EMDR aplica uma série de séries ou movimentos horizontais com os dedos, enquanto o paciente os segue com o olhar. Quando você pensa sobre um evento perturbador ou estressante, movendo seus olhos em alta velocidade, a amígdala é ativada de modo a reduzir o estresse, O que pode transformar a emoção negativa em uma emoção positiva, como calma ou aceitação.

Mas tudo isso é científico?

Essa pergunta, feita por um dos alunos, me levou a explicar que, por exemplo, EMDR é uma das terapias neurocientíficas mais amplamente utilizadas e estudadas no mundo. Também é verdade que é um dos primeiros a aparecer. Em nosso país, existem hospitais que o integraram em seus protocolos de atuação. Por exemplo, no Hospital Clínic de Barcelona, ​​na unidade de agressão sexual, é a terapia mais utilizada para ajudar as pessoas a superar seus traumas e todo o estresse que sofreram.

À medida que ele falava mais sobre essas terapias, seus rostos começaram a indicar maior compreensão e receptividade.

Existem mais terapias neurocientíficas?

sim. Existem atualmente quatro terapias principais e novas estão sendo criadas. Por exemplo, existe o Coaching Wingwave, Que é uma terapia que permite chegar à origem do trauma ou distúrbio. Com um teste cinesiológico, chamado teste do anel de vedação, podemos descobrir onde o problema começa. A grande maioria dos bloqueios, traumas, fobias e crenças limitantes são encontrados no etapa de impressão, Do nascimento aos 6 ou 7 anos. Quando trabalhamos na raiz do problema, liberamos muita tensão e permitimos que muita carga emocional negativa seja liberada.

As chamadas terapias neurocientíficas também estão incluídas Brainspotting, O que torna possível detectar os Brainspots ou pontos visuais de acesso ao experimento. Quando alguém sofre um trauma e começa a relatá-lo, seus olhos são colocados em um ponto do espaço. Esta posição do olhar não é aleatória, mas é uma janela para acessar a gravação. Brainspots, a pessoa pode se reconectar com essa experiência, mas se sentir como um espectador, O que permite que você fique calmo enquanto pensa sobre o evento. Isso facilita a perda de intensidade da situação e até mesmo a incorporação de recursos positivos ao evento.

a TIC (Brain Integration Therapies), baseiam-se na ideia de que cada um dos nossos hemisférios processa a informação de uma forma diferente. O hemisfério direito é mais emocional e o esquerdo é mais racional. Quando estamos passando por uma situação traumática, como a morte súbita de um membro da família e um luto complicado ou patológico, um de nossos hemisférios pode estar transbordando. Por estimulação bilateral, cobrindo alternadamente um olho e o outro, facilitamos a conexão dos dois hemisférios. Quando isso acontece, os níveis de tensão e ansiedade são reduzidos e podemos pensar neste acontecimento com paz e serenidade.

Então, você pode ter certeza de que ninguém tem medo de nada?

No entanto, seria possível ajudar uma pessoa a superar suas fobias e bloqueios não é necessário perder de vista o fato de que não ter medo de nada não é adaptativo.

Minha ética de trabalho me impediria de recuar meu medo de fazer algo que colocaria sua vida em perigo. O que essas terapias fazem é ajudar as pessoas que, por exemplo, têm uma fobia de longa data como entrar em um carro, avião ou elevador, podem fazer o que temem em 1 a 4 sessões. Nesses casos, pode ser adaptativo remover o foco do medo, pois a pessoa realmente precisa realizar essas ações para levar uma vida normal.

E as mudanças são permanentes?

Totalmente. eusuas mudanças são mantidas ao longo do tempo à medida que trabalhamos desde o início e passamos por cada lembrança nutritiva (Outros eventos traumáticos que adicionaram emoções negativas) de forma que a pessoa recuou ou transformou todas as emoções negativas em positivas.

Nesse ponto, os alunos me disseram que essas terapias não eram ensinadas na faculdade, mas estavam ansiosos para aprender mais sobre elas.

Em última análise, o conhecimento avança à medida que a sociedade progride e a neurociência está cada vez mais presente em todas as áreas de nossas vidas. Não é mágica, é ciência.

Deixe um comentário