Quanto tempo vive um neurônio?

Neurônios são células especializadas que realizam uma ampla variedade de funções muito importantes para o bom funcionamento do sistema nervoso e, portanto, de todo o organismo. Essas células importantes podem durar mais do que muitas pessoas pensam.

Quando você tenta pensar no tempo de vida de um neurônio, é bem possível que venha à mente a ideia de que ele geralmente não vive muito, e provavelmente já ouvimos, lemos ou descobrimos algo que as células do nosso corpo tendem a se destruir e se renovar continuamente; no entanto, esse processo não é o mesmo no caso dos neurônios.


Neste artigo vamos explicar quanto tempo um neurônio vive; mas primeiro veremos o que é exatamente um neurônio, quais são suas principais funções e também explicaremos brevemente os diferentes tipos de neurônios existentes.

    O que exatamente é um neurônio?

    Os neurônios são células especializadas responsáveis ​​pela construção do sistema nervoso. Dentre suas principais funções, cabe destacar que são responsáveis ​​por receber, processar e transmitir informações através de dois tipos diferentes de sinais: química e elétrica, sendo isso possível graças à excitabilidade elétrica da membrana plasmática que possuem, que é uma camada que delimita toda a célula.

    Os neurônios são divididos em diferentes partes: o corpo neuronal ou soma, o núcleo, o axônio, os dendritos, a bainha de mielina, os nódulos de Ranvier, a substância de Nissl, os botões sinápticos e, finalmente, podemos encontrar o cone axônico.

    Da mesma forma, os neurônios são responsáveis ​​por receber vários estímulos e também por a condução de impulsos nervosos entre os neurônios por conexões chamadas “sinapses”ou mesmo com outros tipos de células (por exemplo, fibras musculares).

    Existem três classes de neurônios: neurônios sensoriais, que geralmente são responsáveis ​​pelo transporte de informações dos órgãos sensoriais (por exemplo, olhos) para o nosso cérebro; neurônios motores, seriam aqueles que possuem axônios longos e são responsáveis ​​por transportar a indexação do sistema nervoso central (SNC) para os músculos e também para as glândulas do corpo; por fim, há os interneurônios, que possuem axônios mais curtos e são responsáveis ​​por estabelecer comunicações entre os neurônios, nunca com fibras musculares ou receptores sensoriais.

    Por outro lado, neurônios são criados a partir de células-tronco na zona subgranular do hipocampo e também na zona subventricular em um processo conhecido como “neurogênese” (o nascimento de novos neurônios). Normalmente, os neurônios adultos não têm a capacidade de se reproduzir; no entanto, alguns estudos mais recentes afirmam que foi possível observar que certos tipos de neurônios se reproduzem.

      Quanto tempo vive um neurônio?

      Vamos agora abordar a questão da longevidade dos neurônios humanos. Se pararmos para pensar no tempo de vida de um neurônio, provavelmente imaginaremos que essas células especializadas do nosso sistema nervoso não vivem muito, como é o caso de outros tipos de células presentes em nosso corpo; No entanto, essa ideia não é mais verdadeira a vida útil dos neurônios difere muito em comparação com outras células que normalmente são reproduzidos e destruídos continuamente ao longo de nossas vidas.

      Graças às pesquisas realizadas nos últimos anos, foi possível verificar que os neurônios que temos em nosso cérebro têm a mesma idade que nós, pois estão lá desde o nosso nascimento, ao contrário do que acontece com as células de outras partes do nosso corpo que são substituídas todas as vezes (por exemplo, as células da pele geralmente são renovadas todos os meses).

      Portanto, se alguém nos perguntasse quanto tempo vive um neurônio, provavelmente ficaria surpreso com nossa resposta agora que conseguimos encontrá-lo, graças aos dados que várias pesquisas revelam que os neurônios podem viver ainda mais do que nós. Além disso, algumas teorias científicas desenvolveram a hipótese da possibilidade de que possam viver indefinidamente.

      Se assim fosse, com o futuro progresso da ciência e da medicina, bem como bons hábitos de vida, caso o ser humano conseguisse aumentar significativamente sua expectativa de vida (ex.: ultrapassar 120 anos) os neurônios continuarão a funcionaro que pode ser muito promissor.

      Além disso, graças a pesquisas especializadas no assunto, observou-se que quando uma pessoa morre, uma grande porcentagem de seus neurônios está intacta; em outras palavras, esses neurônios que acompanham uma pessoa até o fim de seus dias, o fazem desde seu nascimento. Mas, apesar disso, quando o organismo da pessoa para de funcionar, os neurônios são gradualmente destruídos.

        Isso significa que os neurônios não são destruídos ao longo de nossas vidas?

        Há um estudo que foi feito em 2013 pelo neurocirurgião Magrassi e seus colaboradores, onde investigaram camundongos que envolviam fazer um implante neural do cérebro de alguns camundongos em outros camundongos. Os resultados são surpreendentes, pois esses neurônios transplantados conseguiram viver até 36 meses a mais, em média, do que os camundongos que os carregavam em seus cérebros.

        A conclusão deste estudo reafirmou a hipótese de novas investigações de que alguns neurônios poderiam ser imortais se estivessem em um corpo capaz de sustentá-los.

        Agora, embora existam neurônios que nascem com uma pessoa e morrem quando ela morre, isso não significa que todos os neurônios que a pessoa tem no cérebro vivam da mesma forma que eles. Na realidade, o cérebro consegue manter parte do número total de neurônios que a pessoa tinha ao nascer ao longo de sua vida.

        Deve-se mencionar, por outro lado, que existe um processo chamado “poda neural”, pelo qual ao longo dos anos as conexões sinápticas que não são utilizadas são eliminadas, sendo um processo contrário ao que acontece quando algumas são usadas com muita frequência. conexões entre os neurônios para que estes sejam fortalecidos e também possam se interconectar com outros novos.

        Por outro lado, a morte neuronal geralmente ocorre devido a certos distúrbios degenerativos, como podem ser os diferentes tipos de demência e também podem ser causados ​​por diferentes traumas vivenciados, especialmente em idade precoce ou devido a certas doenças infecciosas, imunes ou inflamatórias, entre outras. No entanto, outro processo conhecido como regeneração neuronal ou neurogênese também pode ocorrer, que seria a capacidade dos neurônios se regenerarem, embora isso geralmente aconteça apenas em certas áreas do cérebro, por isso não é muito corrido.

        Essa neurogênese geralmente ocorre em duas partes do cérebro, o bulbo olfativo, que é a área do cérebro responsável pelo olfato (embora neste caso isso normalmente ocorra apenas até os 18 anos) e o hipocampo, que é a área do cérebro que está particularmente envolvida na memória e também na navegação pelo ambiente. Além de casos isolados e certas regiões do cérebro, como as que acabamos de mencionar, o resto dos neurônios que temos têm a mesma idade que nós e nos acompanharão pelo resto de nossas vidas.

          O estilo de vida que levamos pode influenciar a vida útil de nossos neurônios?

          Ao pensar sobre o tempo de vida de um neurônio, a questão de saber se nosso estilo de vida pode influenciar o tempo de vida dessas células também pode vir à mente. Poderíamos responder a esta pergunta com um sim, mas com nuances, porque existem vários fatores que influenciam a vida dos neurônios, assim como a saúde em geral, que estão além do nosso controle (por exemplo, sofrer de certas doenças).

          No entanto, sabe-se que existem vários fatores que podemos controlar e que podem promover o prolongamento da vida e, portanto, a manutenção de um maior número de neurônios pelo maior tempo possível.

          Portanto, o que podemos fazer para manter nossos neurônios em melhores condições são bons hábitos e um estilo de vida saudável. (por exemplo, manter uma boa dieta, fazer exercícios, aprender continuamente ao longo de nossas vidas, etc.) como você sabe. descobriram que bons hábitos previnem o declínio cognitivo e ao mesmo tempo ajudam a fortalecer as sinapses cerebrais.

          Por outro lado, maus hábitos, como abuso de álcool e outras substânciasalém de serem sedentários e da falta de aprendizado contínuo, embora não tenham sido encontrados resultados conclusivos quanto à hipótese de que poderiam destruir neurônios diretamente, observou-se que eles prejudicam o desenvolvimento das sinapses neuronais e isso pode afetar várias conexões cerebrais responsáveis ​​por fortalecendo diversas funções como memória ou raciocínio lógico, entre outras.

          Além disso, se eles começarem a desenvolver esses maus hábitos desde cedo, isso pode prejudicar o desenvolvimento correto e completo do cérebropara que todo o potencial não seja alcançado e isso possa ter consequências negativas significativas a longo prazo.

          Referências bibliográficas

          • Cañizares, F. (2020). Perda de neurônios. Muy Interesante (Edição de Colecionador): Maravillas del Cerebro, 2, pp. 150-159.
          • Carlson, N. R. (2005). Fisiologia Comportamental. Madri: Pearson Education.
          • Chaparro, L. (2020). Tecnologia conectada aos neurônios. Muy Interesante (Edição de Colecionador): Maravillas del Cerebro, 2, pp. 110-119.
          • Crossman, AR e Neary, D. (2019). Neuroanatomia. Barcelona: Elsevier.
          • Del Abril, A. et ai. (2009). Fundamentos de psicobiologia. Madri: Sanz e Torres.
          • Magrassi, L., Leto, K., & Rossi, F. (2013). A vida útil dos neurônios é dissociada da vida útil do organismo Proceedings of the National Academy of Sciences, 110(11), pp. 4374-4379.
          • Roberts, A. (2020). O grande livro do corpo humano. Madrid: Editorial DK España.
          • Tomé, C. (2013). Os neurônios podem viver mais do que o corpo que os abriga. Caderno de Cultura Científica.
          • Valero, J. & Sierra, A. (2020). A fronteira entre a vida e a morte nos neurônios. A Conversa: rigor acadêmico, know-how jornalístico.
          • Yanuck, S F. (2019). Fagocitose microglial de neurônios: redução da perda neuronal em distúrbios traumáticos, infecciosos, inflamatórios e autoimunes do SNC. Front Psychiatry, 10, pp. 712.
          • OnlineYong, E. (2013). Os neurônios poderiam sobreviver aos corpos que os contêm. Geografia nacional.

          Deixe um comentário