Poda neuronal: o que é, características e doenças associadas

Como sabemos, nosso cérebro é composto de redes neurais ou sinápticas que permitem que as informações sejam processadas constantemente.

Essas redes são formadas por milhões de neurônios interconectados. E, ao mesmo tempo, essas conexões têm um número significativamente maior durante os primeiros anos de vida do que durante nossa vida adulta. Como resultado, nosso cérebro sofre o que é chamado de poda neuronal para rejeitar conexões sinápticas que não estamos usando.


Graças à poda neuronal, nosso cérebro se torna mais eficiente e atende melhor aos requisitos do meio ambiente.

    O que é poda neuronal?

    Ao nascer, temos mais conexões neurais do que no resto de nossas vidas, e podemos ter 5 vezes mais conexões sinápticas quantas forem necessárias, mesmo que o cérebro de um bebê seja maior, pequeno e que cresça à medida que o indivíduo se desenvolve.

    A poda neuronal, também conhecida como poda sináptica, consiste em um processo de limpar conexões sinápticas que o cérebro não usa durante o estágio de desenvolvimento que ocorre na infância e, principalmente, na adolescência. Assim, por meio desse processo, as conexões cerebrais úteis são refinadas, permitindo que o cérebro funcione com mais eficiência e se adapte melhor ao ambiente.

    O processo pelo qual a poda neuronal ou sináptica ocorre durante a infância e a adolescência será brevemente discutido a seguir.

      Estágios deste processo no sistema nervoso

      O desenvolvimento do cérebro humano durante a infância e adolescência passa por diversas mudanças, como aumentar seu tamanho para cerca de 5 vezes o tamanho e poda neuronal, como explicaremos a seguir.

      Diversas investigações sobre o assunto têm consistido em verificar que durante os primeiros anos de vida, as pessoas têm um número muito maior de conexões sinápticas e neurais do que na idade adulta.

      É por isso que se considera que esta superprodução neuronal garante que durante estas fases em que a aprendizagem é fundamental (por exemplo, aprender a andar, falar, escrever, etc.) as conexões sinápticas adequadas sejam estabelecidas para consolidar essas aprendizagens, rejeitando por via neuronal ou sináptica. podar conexões sinápticas que não foram usadas.

      Sinaptogênese ou formação sináptica

      A partir do estágio embrionário, novos neurônios e conexões sinápticas entre eles começam a se formar, o que é conhecido como sinaptogênese. Este processo ocorre em um ritmo vertiginoso até os 2 anos de idade sobre as pessoas, então um bebê tem muito mais neurônios e conexões sinápticas do que precisa.

      Acredita-se que essa superprodução de neurônios e conexões sinápticas durante os primeiros anos de vida permita que o cérebro tenha a capacidade máxima de se adaptar ao ambiente e, portanto, formar múltiplas conexões sinápticas para consolidar o que foi aprendido. .

        Início da poda neuronal

        Dado o excesso de neurônios e conexões sinápticas, a partir dos 3 anos de idade começa o processo de poda neuronal ou sináptica, em que as conexões neurais não utilizadas começam a ser destruídas enquanto as úteis são fortalecidas e mielinizadas para que você possa processar informações com mais eficiência e rapidez. Por meio desse processo de refinamento das conexões sinápticas, eles adquirem um maior grau de especialização.

        No entanto, durante a infância, a sinaptogênese continua a aumentar, embora em menor grau do que durante os primeiros dois anos de vida, até a adolescência, quando ocorre a poda neuronal em grande escala.

        Poda neuronal na adolescência

        Estima-se que a maior poda neuronal ocorre durante a adolescência, de modo que cerca de metade das conexões sinápticas ou neurais são perdidas em algumas áreas do cérebro, sendo bastante inferiores em outras. Por outro lado, há um aumento acentuado na produção de mielina infantil, o que facilita esse aumento na velocidade do fluxo de informações por meio de conexões sinápticas.

        A pesquisa indica que a poda neuronal ajuda, quando as pessoas chegam à adolescência, a “religar” as conexões sinápticas em padrões semelhantes aos que tinham quando adultos. Desta forma, as conexões sinápticas aprendem a funcionar com maior sincronização, de forma que a eficiência do cérebro é aumentada e o cérebro também terá que consumir menos energia para funcionar corretamente.

        Simplificando, vamos imaginar que as conexões neuronais ou sinápticas constituem um roteiro ou um GPS. Pois bem, quando nos primeiros anos de vida as nossas conexões sinápticas são muito superiores ao que necessitamos na idade adulta e é por isso que no nosso processo de crescimento e aprendizagem estes caminhos que utilizamos frequentemente são fortalecidos, enquanto os que não utilizamos são destruídos. e assim os atalhos são formados para transmitir informações através de nosso circuito neural. Desta forma, nosso cérebro se torna mais eficiente.

        No entanto, também deve ser observado que não apenas ocorre a poda neuronal dessas conexões sinápticas que não estão sendo usadas. Como foi demonstrado que a plasticidade cerebral ocorre ao longo da vida, e ainda mais nos primeiros anos, quando inúmeros conhecimentos são adquiridos, a sinaptogênese ou a formação de conexões sinápticas também ocorre.

        Por exemplo, quando adquirimos novos conhecimentos (por exemplo, o nome das capitais de todos os países de um continente) ou aprendemos uma nova habilidade (por exemplo, tocar piano) novas conexões sinápticas são estabelecidas para consolidar a nova aprendizagem em nosso cérebrobem como fortalecer os laços já existentes, aprofundando o conhecimento de um assunto já conhecido ou melhorando uma competência já adquirida.

          Fatores adversos para poda neuronal adequada

          Como vimos, o processo de poda neural permite que os humanos ajustem as conexões sinápticas às demandas do ambiente, de modo que as conexões não utilizadas sejam descartadas, bem como as que são mais utilizadas sejam fortalecidas.

          No entanto, a poda neuronal nem sempre ocorre de forma eficaz, pois diversos fatores dificultam esse processo.

          Falta de estimulação

          O processo de poda neuronal tem forte influência no meio ambiente, de forma que durante os primeiros anos de vida, é essencial que bebês e crianças recebam estímulo suficiente dos adultos adquirir novos aprendizados, bem como consolidar os já adquiridos.

          Nesse sentido, crianças que nestes primeiros anos de vida apresentam baixa estimulação, serão submetidas a podas neuronais acima do normal. Essa estimulação pobre também resulta em menos desenvolvimento do córtex temporal (responsável pelas emoções, linguagem e memória).

            Trauma em tenra idade

            Foi descoberto que quando uma criança sofre algum tipo de trauma, a poda neuronal de seu cérebro é obstruída, de modo que sua rede de conexões sinápticas é excessivamente espessa.

            Quando as redes sinápticas são muito espessas, como se houvesse um déficit sináptico, o desenvolvimento do comportamento social é gravemente afetado e pode influenciar o desenvolvimento de distúrbios comportamentais dissociais.

            Essa hipótese foi corroborada por um estudo do King’s College London, que descobriu por tomografias cerebrais que crianças que exibiam traços de crueldade tinham conexões neurais excessivamente espessas em certas áreas do cérebro (córtex cingulado anterior e córtex orbitofrontal, com uma função importante na empatia e nas emoções controle), ao contrário das crianças que não tinham essas características e não tinham áreas do cérebro com excesso de sinapses.

            Deve-se notar que existem estudos que encontraram uma relação entre o consumo álcool e drogas durante a adolescência com poda neuronal deficiente. Uma relação próxima também foi encontrada entre poda neuronal defeituosa e o desenvolvimento de esquizofrenia, como será explicado em mais detalhes abaixo.

              Relação entre poda neuronal e esquizofrenia

              Um estudo recente da Universidade de Harvard, liderado por Steve McCarroll, encontrou evidências de que pode haver uma relação entre poda neuronal e esquizofrenia, como quando a poda neuronal não ocorre adequadamente na adolescência, pode promover o desenvolvimento de esquizofrenia.

              Os pesquisadores deste estudo descobriram que o gene C4 no cromossomo seis, além de estar ligado ao sistema imunológico, também é responsável por modular a poda neuronal, constatando isso quando há um número muito maior de conexões sinápticas do que o necessário ou das conexões restantes estão errados, pode ocorrer o desenvolvimento de esquizofrenia.

              Este gene 4 codifica as proteínas responsáveis ​​por marcar as conexões sinápticas a serem podadas. No estudo, eles descobriram uma variante do gene C4 que aumentava o número de sínteses de proteínas, portanto, se houvesse muitas, poderia desencadear uma drástica poda neuronal ou sináptica, desencadeando a esquizofrenia.

              Ressalta-se que esse achado pode ser uma das causas dessa doença, uma vez que esquizofrenia não é causada por uma única causa, porque se sabe que a influência do meio em que a pessoa cresce também é muito importante, entre outros fatores.

              Referências bibliográficas

              • Lozano, A. e Ostrosky, F. (2011). Desenvolvimento das funções executivas e do córtex pré-frontal. Journal of Neuropsychology, Neuropsychiatry and Neuroscience, 11 (1), p. 159-170.
              • Markowitsch, HJ e Staniloui, A. (2014). Neurofisiologia do comportamento (anti) social. Mind and Brain, 69, pág. 60-65.
              • Nelson, CA, Furtado, EA, Fox, NA & Zeanah, CH (2011). Os anos sensíveis. Mind and Brain, 46, pág. 9-17.
              • Sekar, A. et al. (2016). Risco de esquizofrenia devido a uma variação complexa do componente do complemento 4. Nature, 530, p. 177-183.
              • Spear, LP (2012). Neurodesenvolvimento do adolescente. Journal of Adolescent Health, 52, páginas S7-S13.
              • Rohlfs, P. (2016). Desenvolvimento do sistema nervoso humano. Perspectiva geral da fase pré-natal até 2013. International Journal of Psychology, 1 (15), p. 1-50.
              • Triglia, A., Regader, B. e García-Allen, J. (2016). Psicologicamente falando. Barcelona: Paidós.

              Deixe um comentário