Neuropsicanálise: o que é e como estuda a mente humana

Se a ideia geral da psicanálise é que ela não tem nada a ver com a neurociência, a verdade é que o aspecto subjetivo da corrente de Freud e o estudo científico do cérebro nos permitem ter uma visão bastante completa do ser humano.

Neuropsicanálise é uma corrente psicológica que combinou psicanálise e neurociência ter uma compreensão científica e mais profunda da mente humana, o que por muito tempo não foi considerado possível.


Tentaremos, então, explicar com mais profundidade quais são os fundamentos dessa corrente, suas atuais linhas de pesquisa e suas origens históricas.

    O que é neuropsicanálise?

    A neuropsicanálise é uma variação da corrente psicanalítica que integra a neurociência aos postulados psicanalíticos. Esta corrente é relativamente nova, tendo seus fundamentos conceituais no final do século XX, embora desde a época de Sigmund Freud possa ser constatada a relação entre o estudo científico do cérebro e a teorização psicológica da mente.

    Essa corrente de pensamento é considerada uma proposição bastante equilibrada e justa, pois não é extremamente subjetiva em termos da ideia de consciência e mente, nem abusa da ciência, como fazem algumas neurociências. Combinando psicanálise e neurociência, ele obtém uma abordagem da mente e de seus fundamentos neurobiológicos considerados por alguns como uma descrição bastante confiável da realidade humana.

    a história

    neuropsicanálise não pode ser compreendido sem prestar atenção à figura de Sigmund Freud e suas primeiras teorias psicanalíticas. Um aspecto talvez pouco conhecido do psicanalista austríaco é que ele foi neurocientista e neurologista nas primeiras duas décadas de sua vida profissional. Talvez não da maneira que entendemos hoje, mas é claro que seu interesse pelo cérebro e a maneira como ele se relaciona com a consciência o aproximam das premissas da neurologia do que você possa imaginar.

    As origens da neuropsicanálise remontam a uma das capas de Sigmund Freud, Projeto de Psicologia Científica de 1895. Neste texto Freud desenvolveu suas teorias sobre a função neurobiológica da memória, afirmando que ela deve ser encontrada no cérebro., Mas sem saber exatamente qual seria a área. Freud formulou a hipótese de que as teorias psicodinâmicas e a neurobiologia acabariam ganhando força com o tempo, evoluindo para um único campo de estudo combinando o estudo biológico do cérebro e o psicanalista da mente.

    O famoso psicanalista tentou realizar um programa científico de mapeamento da mente humana (Metapsicologia), que para ele estavam intimamente relacionadas com a estrutura e funções do cérebro humano. Apesar de seus esforços, o próprio Freud insistia que as ciências do cérebro de sua época não possuíam as ferramentas conceituais ou técnicas necessárias para realizar tal mapeamento mental. Como resultado, Freud adotou um método puramente psicológico.

    Na segunda metade do século 20 avanços na neurociência levaram ao abandono do estudo subjetivo da mente humana. A eletroencefalografia foi inventada na década de 1930, permitindo que o cérebro fosse visto como nunca antes e estivesse vivo. Posteriormente, foi possível verificar como o cérebro funcionava, realizando diferentes tipos de atividades, quais áreas eram ativadas e como as lesões afetavam os sistemas neurais.

    Em 1999, após anos de avanço nas técnicas de neuroimagem, como tomografia computadorizada, eletroencefalografia e ressonância magnética estrutural, nasceu a neuropsicanálise. Assim nasceu a união de dois campos de estudo da mente e do cérebro humanos, sendo um incompleto sem o outro. Entre seus fundadores temos personalidades da psicologia como: Antonio Damasio, Eric Kandel, Joseph LeDoux, Helen Mayberg, Jaak Panksepp, Oliver Sacks e Mark Solms.

      Fundamentos teóricos: duplo monismo

      O primeiro problema de que podemos falar quando falamos de neuropsicanálise é o problema da relação entre a mente e o cérebro, considerado o grande problema da neurociência. Basicamente, cé possível que o cérebro possa regular a mente e a consciência em termos gerais.

      Na verdade, uma das questões levantadas pela neuropsicanálise é se a mente encolhe muito profundamente no cérebro. A mente é explicada de forma convincente ou o funcionamento da mente e do cérebro está simplesmente correlacionado? Em caso afirmativo, qual seria a base causal para essa correlação? O espírito está realmente no cérebro? Onde estaria localizado? A mente é uma propriedade emergente do cérebro?

      A conceituação fundamental da neuropsicanálise é a do monismo de duplo aspecto. Freud aponta que a verdadeira natureza da mente é inconsciente, uma ideia que pode ser ligada à filosofia de Kant. Para Kant, o ser subjetivo, o que se percebe quando olhamos para dentro de nós não é a própria mente. A própria mente não pode ser percebida diretamente. Só podemos conhecer a mente por meio de nossa consciência fenomênica, que fornece uma representação indireta e incompleta do aparelho mental e de como ele funciona.

      A verdadeira natureza ontológica da mente é algo epistemologicamente incognoscível. Sua natureza pode ser deduzida de nossas próprias observações conscientes e, assim, expandir os limites da consciência, que é o objetivo do método psicanalítico. No entanto, nunca será possível conhecer diretamente a mente. É necessário recorrer a abstrações derivadas de inferências e construir modelos figurativos.Algo que a metapsicologia freudiana procurou explicar com suas noções do ponto de vista econômico, dinâmico e topográfico.

      Outros ramos da psicologia, por mais científicos que sejam, também têm limitações epistemológicas ao tentar descrever o funcionamento interno da mente. Os vários modelos que tentam explicar como a memória funciona, a leitura de caminho duplo ou os modelos de sistemas visuais divergentes envolvidos são um exemplo.

      A relação entre neurociência e psicanálise é aquela, como já mencionamos, de conectar o cérebro como uma entidade biológica com funções psicológicas e comportamento humano. A neuropsicanálise visa fazer superando a clássica exclusão da neurociência do conceito de mente, visto como algo excessivamente subjetivo.

      A mente é uma entidade indiscutivelmente subjetiva, pois é composta de sensações, pensamentos, consciência e sentimentos. Essa visão pode ser vista como muito contrária ao espírito científico motivado pelas ciências naturais, especialmente a neurobiologia e outras neurociências.

      No entanto, a ideia já clássica de que o cérebro e a mente estão ligados, desde a época de Descartes, que afirmava serem duas entidades diferentes, mas conectadas, está muito bem estabelecida. Ele é o inventor do dualismo da mente, da dicotomia da mente e do corpo. O corpo é um objeto, uma coisa, enquanto o espírito, também chamado de espírito ou alma em seu tempo, é outra, mas de alguma forma eles se relacionam. Lesão cerebral implica disfunção nessa mente.

      Principais linhas de pesquisa

      Atualmente, a neuropsicanálise abriu várias vias de investigação, particularmente focado no estudo mais científico da ideia de consciência e das estruturas que a compõem.

      Também estão em andamento pesquisas sobre o que são os sonhos, o que podem significar, como ocorrem as conspirações e outras expressões de pensamento que, embora a psicologia moderna tenha rejeitado o fato de que eles podem ter significado, a verdade é que é difícil aceitar a ideia de que aparecem de forma completamente aleatória. Entre as idéias levantadas para seu surgimento está a perda do controle executivo nos sistemas mesocortical e mesolímbico.

      O conceito freudiano de libido tem sido associado ao sistema dopaminérgicoE, sem dúvida, as ideias o instinto e a busca do prazer propostos pela psicanálise primitiva têm sua contrapartida neurobiológica. Essa busca pelo prazer está ligada ao instinto de sobrevivência e reprodução, aspecto fundamental para a sustentabilidade da espécie humana.

      Referências bibliográficas:

      • Mark Solms e Oliver Turnbull (2013) O que é neuropsicanálise? Psiquiatria universitária. 9 (2), 153-165.
      • Damásio A. (2011). O ego vem à mente: construir o cérebro consciente. Londres: Heinemann
      • Freud S. (1915). O inconsciente. Edição Standard, 14
      • Freud S. (1950 [1895]) Projeto de psicologia científica. Edição Standard, 1:17

      Deixe um comentário