Nervos espinhais: o que são, tipos e funções no corpo

A medula espinhal é uma estrutura tubular longa e frágil que começa no final do tronco cerebral e continua até quase atingir o último segmento da coluna. Sua principal função é transmitir sinais e comandos criados no cérebro para o tronco, pescoço e 4 membros (função eferente) e por sua vez coletar todas as sensações e percepções registradas por todo o corpo e enviá-las ao cérebro (função relacionada).

Compreender a vida sem medula espinhal é realmente complexo, e a prova está em pacientes com lesões em uma parte dessa estrutura frágil, mas essencial. Dependendo de onde o trauma ocorre, das pernas a todo o corpo, eles podem experimentar uma perda total (completa) ou parcial (incompleta) da sensibilidade e da habilidade motora abaixo do nível neurológico da lesão.


Sem dúvida, poderíamos definir a medula espinhal como o centro de transmissão de todas as informações do corpo. É uma estrada neurológica, a tarefa é enviar e receber sinais para todas as partes do nosso corpo com um objetivo fisiológico específico. Para realizar essa tarefa, a medula espinhal não está sozinha: tem 31 pares de nervos espinhais cuja função é inervar todo o plano do corpo (sem a cabeça). Aqui, fornecemos as informações mais relevantes sobre eles.

    Quais são os nervos espinhais?

    Como indicamos nas linhas anteriores, os nervos espinhais ou os nervos espinhais são aqueles que se estendem desde a medula espinhal e passam pelos músculos vertebrais para serem distribuídos por todas as áreas do corpo.

    Os músculos esqueléticos de nosso corpo são inervados por nervos motores e sensoriais, cuja função é coletar e transmitir informações ao sistema nervoso central (SNC), a partir do qual é gerada uma resposta efetora. Este grupo de músculos inclui mais de 600 músculos que podem ser movidos à vontade e, juntos, formam o sistema muscular. A musculatura cardíaca lisa é deixada de fora desse conglomerado motor, porque os movimentos que eles executam não são conscientes e ocorrem “automaticamente”.

    Portanto, os nervos espinhais estão diretamente relacionados a esta parte muscular, de forma que os movimentos e o desenvolvimento do ser humano são possíveis em um ambiente tridimensional. É importante notar que cada um desses nervos emerge através dos espaços das vértebras como 2 ramos curtos, chamados de raízes nervosas espinhais. Rapidamente lhe contamos suas peculiaridades.

    1. Raiz nervosa motora

    Esta raiz, localizada na parte anterior da medula espinhal, é responsável por transmitir impulsos da medula espinhal aos músculos esqueléticos para promover a contração e, portanto, a produção de movimento.

    A radiculopatia (lesão ou dano a um ou mais nervos e suas raízes) geralmente causa um enfraquecimento característico dos músculos inervados pela raiz motora afetada. Estes tornam-se fracos, atróficos, flácidos e com fasciculações.

    2. Raiz nervosa sensível

    Por outro lado, a raiz sensorial entra na parte de trás da medula espinhal. As fibras nervosas que o compõem carregam informações sensoriais, que acabarão sendo interpretadas pelo cérebro. Exemplos dessas informações são a posição do corpo, grau de luz, toque, temperatura ambiente e dor durante a lesão, entre muitos outros parâmetros exógenos e endógenos.

    Conseqüentemente, as afecções das raízes nervosas sensíveis resultam em falta de sensibilidade nas áreas inervadas pelos nervos lesados. Devido a esta “dupla” composição dos nervos espinhais, afirma-se que estes cumprem uma função de natureza mista: enviam e recolhem informações igualmente.

      Os 31 pares de nervos espinhais

      Sim, você leu certo. 31 pares de nervos espinhais emergem da medula espinhal e inervam praticamente todo o nosso corpo, exceto para a cabeça e algumas seções do pescoço. O trabalho cefálico é relegado aos nervos cranianos, que são 12 pares de nervos cuja função é conectar o cérebro aos olhos, ouvidos, nariz, garganta e várias partes da cabeça e do pescoço.

      Apresentamos aqui a funcionalidade de todos os nervos espinhais de bloqueio, visto que são divididos de acordo com as estruturas que inervam. Vamos fazer isso.

      1. Nervos cervicais (C1-C8)

      Estes são os nervos das primeiras 7 vértebras cervicais. Eles se originam da medula espinhal, emergem através dos orifícios de junção da coluna e são distribuídos por terrenos sensíveis e motores específicos..

      Os nervos cervicais inervam os músculos esterno-hióideo, esternotireóideo e homo-hióideo. Em geral, esses grupos musculares podem ser definidos como fitas carnudas que se estendem do esterno / escápula até partes do pescoço. Curiosamente, deve-se notar que os primeiros nervos cervicais não têm raízes depois de 50% das pessoas.

      2. Nervos torácicos (T1-T12)

      Este é um total de 12 nervos espinhais que emergem das vértebras torácicas. Quase todos eles estão localizados entre as costelas (intercostais), com a décima segunda localizada abaixo da última costela (nervo subcostal). Por sua vez, as terminações nervosas intercostais são distribuídas ao longo das paredes do tórax e abdômen.

      Esses nervos torácicos estão envolvidos nas funções dos órgãos e glândulas da cabeça, pescoço, tórax e abdômen. Eles são responsáveis ​​pela inervação das glândulas mamárias, parede torácica, parede abdominal e pelve. Devido à sua importância no nível nervoso, esses nervos espinhais são os alvos terapêuticos de escolha para muitos tratamentos destinados a controlar a dor crônica em pacientes.

      3. Nervos lombares (L1-L5)

      Estes são 5 nervos espinhais que vêm das vértebras lombares. Eles são divididos em 2 seções compartimentadas, anterior e posterior. Esses elementos nervosos emergem da coluna vertebral através dos orifícios de junção. No entanto, esses nervos não devem ser concebidos como uma série de entidades isoladas: os primeiros 3 e a maior parte da câmara estão ligados nesta situação por alças anastomóticas, formando o plexo lombar.

      Assim, o plexo lombar é estabelecido entre os ramos anteriores dos nervos espinhais L1 e L4. Em contraste, a parte menor da câmara nervosa se une à quinta para formar o tronco lombossacral, que participa da formação do plexo sacral.

      4. Nervo sacral (S1-S5)

      Estes são os 5 nervos espinhais que emergem do sacro (osso sob a vértebra lombar L5 e acima do cóccix) e constituem o segmento inferior da medula espinhal.. Embora os componentes vertebrais do sacro sejam fundidos para formar uma única entidade óssea, cada um desses nervos tem o nome da vértebra com a qual estariam associados.

      Esses nervos se dividem em ramos, mas muitos deles eventualmente se unem, junto com os plexos lombar e coccígeo. Como dissemos antes, essa série de interconexões forma plexos, especialmente o sacro e o lombossacro. Os ramos desses plexos inervam o quadril, a coxa, a perna e o pé.

      5. Nervos coccígeos

      O nervo coccígeo é o último dos nervos espinhais, ou seja, o número 31. Surge no cone medular, Ajuda a formar o plexo coccígeo e inerva a articulação sacrococcígea e parte do levantador do ânus.

      8 nervos cervicais + 12 nervos torácicos + 5 nervos lombares + 5 nervos sacrais + nervo coccígeo: 31 nervos espinhais.

      resumo

      Neste espaço, revisamos as características gerais dos 31 nervos espinhais que percorrem todo o nosso corpo, exceto a cabeça e partes do pescoço. Sua função é emitir informações do cérebro e permitir a contração muscular (trabalho motor) e, por sua vez, receber todas as informações essenciais fornecidas pelas extremidades e áreas inervadas (trabalho sensível).

      Por meio desses pares de nervos espinhais e cefálicos, os humanos são capazes de se desenvolver em um ambiente tridimensional, estando cientes de nossa do próprio estado interior e do que nos rodeia no ambiente. Depois de ler essas linhas, um conceito claro se torna claro para nós: sem nossas terminações nervosas, nós, humanos, não somos nada.

      Referências bibliográficas:

      • Alzola, M. SR (2002). Tecido nervoso.
      • Spinal Cord Disease, Medlineplus.gov. Coletado em 5 de março em https://medlineplus.gov/spanish/spinalcorddiseases.html
      • Maza-Marrugo, deputado (2020). Fibras nervosas, nervos periféricos, terminações. Neuroanatomia, 10.
      • Nervis, Manuel Merck. Coletado em 5 de março em https://www.merckmanuals.com/es-us/hogar/enfermedades-cerebrales,-medulares-y-nerviosas/biolog%C3%ADa-del-sistema-nervioso/nervios
      • Nervos espinhais ou nervos espinhais, Dolopedia. Coletado em 5 de março de https://dolopedia.com/categoria/nervios-espinales-o-nervios-raquideos
      • Nervis raquidis, Fisio online. Coletado em 5 de março em https://www.fisioterapia-online.com/glosario/nervios-raquideos
      • Rodríguez-García, PL, Rodríguez-Pupo, L. e Rodríguez-García, D. (2004). Técnicas clínicas de exame físico e neurológico. I. Organização geral, nervos cranianos e nervos espinhais periféricos. Rev Neurol, 39 (8), 757-66.
      • Romero, LV (2015). Anatomia e fisiologia do sistema nervoso. XinXii.
      • Willard, FH e CLAU, C. (2006). Sistema nervoso autônomo. Ward RC, Diretor. Fundamentos da medicina osteopática. 2ª ed. Buenos Aires: Editorial Médica Pan-Americana, 94-125.

      Deixe um comentário